2006-06-19

Katharine Jefferts Schori.

La Iglesia Episcopal designó hoy a la obispo de Nevada, Katharine Jefferts Schori, como nuevo líder de su confesión, lo que supone la primera vez que una mujer alcanza esta consideración dentro del mundo anglicano. El nombramiento de Schori al frente del grupo de obispos de la cúpula episcopal complica las difíciles relaciones entre los anglicanos estadounidenses, aglutinados en torno a la Iglesia Episcopal, y los del resto del mundo.
Sólo otras dos congregaciones, las de Nueva Zelanda y la de Canadá, cuentan con mujeres entre sus obispos, a pesar de que algunas otras permiten a las mujeres acceder al puesto. Aún existen muchos líderes anglicanos que defienden que las mujeres no puedan ser asignadas pastores.


Homem e mulher, Deus os criou iguais em dignidade. Mas parece que uns ainda são mais dignos do que outros.
Katharine foi eleita por 95 votos contra 93. Presumo que os eleitores seriam homens.
Na Igreja Católica esta discussão ainda é tabu. Até quando?
Em que ponto da Revelação, se apoia a Igreja Católica, para negar o acesso aos ministérios ordenados às mulheres? De que é que têm medo?

14 comentários:

  1. "De que é que têm medo?"

    Das mulheres, naturalmente! :)

    ResponderEliminar
  2. Não é um medo nada desprezível... ;)

    ResponderEliminar
  3. Um esclarecimento em relação à votação:
    - havia sete candidatos a concurso (apenas uma mulher);
    - eram 188 os eleitores; pelo que sairia vencedor quem obtivesse pelo menos 95 votos;
    - foram necessários cinco escrutínios; sendo que Schori foi sempre a mais votada; mas seguida de muito perto por Parsley Jr., que terminou com 82 votos.
    JS

    ResponderEliminar
  4. MC,
    quando é que te mudas para a aigreja anglicana?
    Não há por aí nenhuma igreja?
    temosd epor as leis de mercado a funcionar!
    O Deus deles não é o mesmo?
    Qual é o problema?

    ResponderEliminar
  5. Pois é um tabu na "nossa" Igreja Católica Apostólica Romana... Mas há mais...

    ResponderEliminar
  6. ON,

    "qual é o problema?"

    Há vários. Sérios.

    Respondo-te com um a brincar:

    Na minha rua, instalaram agora, uma igreja Cristã Evangélica. Ainda no domingo ia a passar e ouvia-se na rua o ênfase que uma "pastora" colocava para animar a comunidade. Ênfase que eu costumo usar para outros fins. Aquilo assustou-me. Quando vou rezar, tem de ser com um ritmo diferente, senão posso distrair-me... :))))

    ResponderEliminar
  7. Alô, Mana!

    Acho que a cena é que na ceia eucarística, o sacerdote representa Jesus, que era homem… Mas isto põe diversos problemas: o papel da representação em algo que deveria ser acto real assumindo a pessoa do celebrante, a plenitude da redenção para ambos os géneros tornando-os capazes de agir Cristo… E isto para nos ficarmos na cristologia, porque se vamos para a política e sociedade… :P

    Quanto ao enfâse da pastora, não sei se é dependente do seu género sexual… No entanto, há que ver que queimar soutiãs pode ser um momento de tomada de consciência, de partir pedra, de desvario contextualizado… O feminismo é o reverso do machismo, e aqui começaria outra (?) conversa…

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Já agora, uma mini-biografia...

    Katharine J. Schori tem 51 anos, é natural de Pensacola - Florida, é casada, tem uma filha.
    Formou-se em biologia e especializou-se em oceanografia; a que se juntam doutoramentos em filosofia e teologia.
    Recebeu a ordenação sacerdotal em 1994, e a episcopal em 2001, tendo sido nomeada para a sede de Nevada.
    Possui licença de piloto privado de avião, com experiência superior a 500 horas de voo.
    É considerada da ala liberal da Igreja Episcopaliana.
    JS

    ResponderEliminar
  9. JS,

    obrigada pelo teu "serviço público."

    E a senhora, vista na tv, até tinha muito bom ar.

    Segundo o DN, ela também apoiou a escolha do bispo com orientação homossexual. Mulher destemida.

    Até me rio a imaginar estas coisas na nossa Igreja. Que continua imune as estas ondas.

    E continua imune porque está centralizada.

    ResponderEliminar
  10. Olá mano :)

    pois, sabes que agora apareceu mais uma tentação no meu caminho. A tal Igreja até é bem acolhedora. Os fiéis que a frequentam até são pessoas normais. Não são verdes, não têm chifres (pelo menos à vista). Têm jovens, têm violas... parecem conviver todos muito bem.

    E ao ênfase da pastora, também me habituava. Já me habituei a coisas piores ;)

    Na Igreja Católica, eu tinha uma sugestão:
    -Greve!
    Nada de varrer igrejas, lavar as roupas dos srs padres, etc., etc.

    Nada de andar numa Igreja onde até o sacristão, por ser homem, já se põe um degrauzinho acima.

    :))))

    ResponderEliminar
  11. MC,
    vai lá uma vez ver como é.
    Não perdes nada...

    ResponderEliminar
  12. /me

    greve, sim! As mulheres têm de começar a mexer-se. Neste caso, parar de fazer...:)

    ResponderEliminar
  13. ON

    uma vez não dá para ver como é...

    A Katharine parece que é de formação católica. Fez esse movimento.

    Eu prefiro continuar a agitar as águas por cá. Não agito muito, porque sou apenas uma beata sem grande voz.

    ResponderEliminar