2006-06-12

religião/fé, dois ritmos que se complementam

Por vezes, o peso da religião, com os ritos, o Magistério, as normas e os dogmas e as diversas estruturas, opõem-se como barreira intransponível ao experienciar a fé. Noutras, canta-se em comunidade o refrão do Salmo:"Feliz o povo que o Senhor escolheu para Sua herança" e é como se o próprio Céu, se abrisse.

7 comentários:

  1. ... do primeiro parágrafo, absolutamente de acordo! Quantos já não desistiram de tentar "experenciar a fé" por se depararem com tais "barreiras"....

    ... Também. Também contribuiram, ainda adolescente, para começar a olhar de soslaio as coisas do divino. É verdade que os tempos eram outros... Quem sabe se fosse hoje, não me teria convertido e -apesar da incontornável desafinação vocal, e cantasse em comunidade. Assim, permanecerá a dúvida...

    bjs.

    ResponderEliminar
  2. Alberto Albertto,

    o papel das religiões é facilitarem o encontro da pessoa com Deus. Por vezes e por diversas razões, isso não acontece.
    Tal como temos de passar do amor emoção, ao amor decisão, também temos de passar da fé emoção à fé compromisso. A religião ainda é um lugar priveligiado para que isso aconteça. Mesmo com aqueles entraves que eu citei no post. E que, para algumas pessoas, não o são.

    Sei muito pouco de Deus... da minha experiência pessoal, intuo que Ele nunca desiste de nós. Tenhamos nós a coragem, de nada nos fazer desistir dele.

    ...ainda mais uma coisinha...sabes o que mais me fascina em Deus?É supô-l'O um Amor que nunca exclui, nem força.

    ...e se eu fosse pelos meus trinados, já me tinh calado há muito tempo. :)

    ResponderEliminar
  3. Ufffffff!!!
    Regressaste em cheio. Aquilo que escreves diz-nos do que vai dentro de ti. Obrigado.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Querido Migalhas,

    espero que não tenhas ficado muito maltratado por causa da greve de fome. Mas também, quem te manda dar ouvidos a um ateu desnaturado?

    ...Não sendo uma grande mulher, nem mulher grande, vai sempre muita coisa dentro de mim. Boas e más, tá visto. :)

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Já começo a estar habituado a dar ouvidos a ateus (não desnaturados. eheheh)!
    Trabalho com eles todos os dias e não me tenho sentido mal!
    Gosto do diálogo inter-"religioso"!! (eheheh)

    ResponderEliminar
  6. "opõem-se como barreira intransponível ao experienciar a fé"------- ohhh meus amigozzze zee..
    Em primeirolugar fico enjoado com o termo "viver a fé". Acho que é fruto de erro que sustenta um conceito bidirecçionado e contraposto. Mas que raio de fé é essa que tanto falam que tem de ser vivida? Se eu tiver de viver a minha fé então é porque não a tenho. Da mesma forma nao consigo viver sem a ideia de "odio" ou de "amor" ou de "burriçe" ou de "verdade"...
    Qaundo alguem se refere a "viver a fé" que seja simplesmente como não tentar criar obstaculos ao manifestar-se.
    Assim fica fácil tratar todo este assunto. Acredite que uma flor é feia e viverá segundo isso ...acredite que uma flor é bela e viverá segundo isso.
    Quanto ao Magistério descançe que isso é um desafio muito grande que requer busca onde a inteli`^encia tb entra.
    Mas se tem algum problema com o Magistério pergunte-me que pode ser que o ajude.
    Somente pode amar o que conhece. E so conhece o que compreende. O Magistério não é comoler um manual de matemática.

    ResponderEliminar