2006-06-30

a vida e a morte...

Enquanto aguardo a minha vez para ir visitar a Maria e a mãe, uma mulher a meu lado, vai-me pondo a par dos dramas da sua vida - o marido internado em fase terminal, e um dos filhos zangado com a mãe, por questões menores. Escuto atenta, digo algumas palavras de circunstância que com facilidade fazem eco na sua dor. Noto que é uma dor assumida, tal como lhe adivinho, foi a vida dura. Fala-me de fé, de compromisso, de trabalho, de um coração que apesar da dor, se mostra disponível. Despedimo-nos com um sorriso, gratas por nos termos cruzado. Desejamo-nos mútuamente votos de felicidade e seguimos as duas para a vida. Isto tudo, passou-se em quinze minutos.

6 comentários:

  1. MC:

    Quinze minutos podem ser quase nada da vida de uma pessoa; ou sintetizá-la em absoluto nesse tão curto espaço de tempo. Ou até menos.
    A tua disponibilidade é notável; se fosse mera circunstância não te sentirias grata.

    Beijos e bom fim de semana!

    Alberto Albertto.

    ResponderEliminar
  2. MC, a intensidade da disponibilidade não é proporcional ao tempo dado... Muita coisa acontece numa curta fracção de tempo! :)

    Um Beijinho e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  3. Alberto Albertto e Paulo

    Bom fim-de-semana, beijos

    ResponderEliminar
  4. A sua forma de ser cristã é igual àquela religiosidade dos fariseus, tocando o sino à porta do Templo, sempre que davam uma esmola.

    ResponderEliminar
  5. Como sempre a tua alma sensível encontrou afinidades. Tão bom quando em pouco tempo estabelecemos
    laços de compreensão e partilha, fortes!

    Acho que fizeste muito bem teres postado a tua experiência.

    Talvez tenhas sensibilizado os que te lêem para os "15 minutos" - às vezes - da vida de uma mulher!

    Beijinhos carinhosos para ti
    e um óptimo fim de semana,

    ResponderEliminar