2006-09-05

guardiões de relíquias

Cerca de un centenar de radicales ortodoxos se manifestaron hoy en la plaza Pushkin de Moscú para pedir una "nueva inquisición" y protestar contra la celebración del concierto que la cantante estadounidense Madonna ofrecerá el próximo día 12 en la capital rusa.
"Hemos proclamado una nueva santa inquisición, que luchará contra la profanación de la cruces, de los iconos y de la simbología de la ortodoxia rusa", dijo Leonid Simónovich-Nikshich, líder de la Unión de Abanderados Ortodoxos, organización que convocó el mitin.


Ler mais em: Periodista Digital

Depois dos protestos da hierarquia católica, levantam-se agora "O Carmo e a Trindade" do lado dos ortodoxos. Com tanto Cristo vivo a ser crucificado em guerras, em xenofobias várias, de fome, de miséria material e espiritual, de doenças perfeitamente curáveis desde que fossem assegurados os cuidados básicos, os senhores guardiões dos templos de pedra, das relíquias mortas, preocupam-se com uma encenação de uma cantora. Eu sei que é a Madonna, mas ela não precisava desta publicidade.

8 comentários:

  1. Cara MC
    Compreendo a tua indignação e partilho-a, em parte. Mas sabes que este é um tema sensível. Claro que isso é publicidade à Madonna, mas a Madonna aparecer no seu espectáculo no lugar do crucificado, naquela enorme cruz, não deixa de ser uma enorme provocação. E se a Igreja deixa de falar destas situações só porque vai fazer publicidade então talvez devemos estar sempre calados.
    Por outro lado sabes que para os russos ortodoxos a simbologia religiosa tem um poder sacro, talvez ainda maior que para nós ocidentais. Dou o exemplo dos Ícones russos, imagens (quase) consubstancias àquilo que representam.
    Como dizia o JS, num comentário a um post anterior, o nascimento humano de Cristo legitimou as suas representações.
    Claro que muito mais importante que as imagens, e os arquétipos que representam, são as realidaes humans, onde encontarmos (ou deveriamos encontrar) o Deus vivo. Mas a sensibiidade e a consciência sobre essa realidade, e os seus desafios, não impede a indignação sobre os atentados, gratuítos (parece-se ser o caso de Madonna), aos símbolos religiosos.

    ResponderEliminar
  2. Ah! O meu comentário não quer legitimar, de forma alguma, os métodos dos indignados radicais ortodoxos russos. Nem cruzadas nem Inquisições! Nunca! Jamais. A violência da reacção esvazia a (possível) dignidade da indignação.

    ResponderEliminar
  3. Pedro,

    obrigada pelos comentários. Pela tua visão.

    Sabes que uma das coisas (e agora falando da Igreja Católica que é a que conheço melhor e à qual pertenço)que mais me indignam é o enorme desperdício que se faz em publicações de beatices, em rios e rios de papel que se editam e que ninguém lê. A começar pelos padres e por aí a fora. E no que era importante, fundamental falar, perde-se nessa luxúria editorial.

    Eu não me agrada ver a Madonna a brincar, a ganhar dinheiro, com o símbolo da nossa salvação.
    Parece que durante a encenação são projectadas imagens precisamente de situações de vidas crucificadas, mas o acto de provocação fica. Eu também não sei o contexto. Pode até ser que a provocação seja direccionada para o que deve ser- a continuação da crucificação de Cristo em tantos irmãos. Não vi, não sei.

    O que eu pretendo salientar é que quando a Igreja usa os media, o faça para o que é mais urgente e premente. O capitalismo selvagem, as várias escravaturas humanas, as guerras, a corrupção, tantas coisas em que a Igreja devia em nome do Evangelho pronunciar-se em primeiríssima linha.

    Pode até indignar-se, depois de saber como são os factos, contra as provocações aos seus símbolos religiosos, mas não com o radicalismo que normalmente o faz e que normalmente não canaliza para os casos que aponto.

    ResponderEliminar
  4. Nasacris

    Obrigada pela tua explicação.
    No entanto , não perdendo de vista que os integristas ortodoxos "se estão a passar" começo a ficar farta desta gente que não respeita nada nem ninguém a troco de mais umas vendas.

    Não legitimo NADA (com a excepção do princípio da libedade universal de expressão). Nem as manif's anti-caricaturas, nem os integristas.
    Nem sequer estou indignada.

    Mas confesso: ando farta de Madonnas e afins . Não é por nada, cansam-me, aborrecem-me.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. MC
    Não sei se o que dizes que é projectado durante a actuação, o seja de facto. Ainda que assim fosse, no meu modo de ver, nunca seria Madonna a tomar o lugar de Cristo na cruz. Mas volto a dizer que estou de acordo contigo quando dizes que a mesma indignação que qualquer Igreja ou religião projecta quando é atacada nos seus símbolos e estruturas, deveria ser a mesma (ou ainda mais) para com os grandes dramas e injustiças que a sociedade e o mundo vivem no dia-a-dia

    Fátima:
    Claro! Eu também já não tenho pachorra para a Madonna e seus acólitos.

    ResponderEliminar
  6. Eu não consigo indignar-me.
    Nem sei se deva sentir-me mal com isso. E em algumas representações artísticas violentíssimas, que abusam e repito o verbo, abusam, da simbologia cristã, até me revejo.


    Quanto a haver um uso feito de forma leviana... ou uma provocação deliberada...

    Eu penso que a Igreja católica, ou de uma forma mais geral as igrejas cristãs são alvo de provocações e da arte [desta de forma mais séria] porque mexem com coisas sérias. E porque estão ligadas há muito tempo com a história do Ocidente.

    Não me sinto indignado.
    Como pessoa que pensa, que sente, houve coisas que vi, em museus ou em páginas de livros, que até gostei. Outras que me repugnaram, causaram aversão.

    Mas tudo isso faz parte.
    Tal como uma provocação serve mesmo para provocar.
    É esse o jogo. E numa democracia se protesta. Aquele país nem é uma democracia.

    Mas eu até acho saudável haver uma reciclagem semiótica emotiva, que assume um caracter violento por vezes [poque mexe com o mais profundo do sentimento] dos valores.

    Talvez a minha posição pareça absurda, colocada naqueles termos.

    Mas não há nada do que eu acredite, dos meus valores religiosos, que não possa ser jogado para uma arena e ser posto em causa.

    Ali, na encenação da Madona, nem sei o que se pretende.

    Mas, resumo nisso, que já li.
    Não me consigo indignar.

    Tenho a minha vida para viver.
    Um abraço a todos.
    nuno.

    ResponderEliminar
  7. Isto é tudo malta convertida...
    à Floribella!!
    JS

    ResponderEliminar
  8. Pois, não conhecia esta noticia.

    É sempre bom saber que para além dos monges ortodoxos também há blogger que têm a preocupação de fazer publicidade à Madonna.

    Quanto às publicações cristãs eu conheço bastante para variados gostos. Como somos um pais livre cada um compra as que quer. Aliás como estamos num pais livre cada um faz eco das noticias que quer.

    António Maria

    ResponderEliminar