2006-09-21

"O diálogo em tempos de fundamentalismo religioso"

...Não há como desconhecer a presença do fenômeno fundamentalista em curso no Islã. Mas seria incorreto e equivocado concluir que todo o Islã é fundamentalista, como afirmou ultimamente o historiador inglês Paul Johson[33]. Na verdade, “a atual explosão integralista, nas suas várias formas e facetas, significa certamente um fenômeno profundo e preocupante mas claramente minoritário (e se espera não duradouro) da secular tensão entre tradição e modernidade, entre sabedoria divina e sabedoria humana que caracteriza o Islã desde suas origens”[34] As formas mais “explosivas” e contundentes dos movimentos islamitas acabam prevalecendo e abafando a realidade mais ampla e complexa do fenômeno do Islã. A exigência de uma relativização não invalida a importância de um trabalho crítico e científico que deve ser feito em favor da compreensão da tradição islâmica para além das transgressões que ela sofreu ao longo da história[35]. Não se pode, entretanto deixar de acentuar a difícil e dolorosa situação que vem provocando a insurgência e afirmação fundamentalista no Islã. Embora seja difícil diagnosticar com precisão as causas deste fundamentalismo, não há como negar sua realidade de “efeito objetivo de fatores cuja eliminação requer nada menos que uma correção de rumos na estrutura de nossa modernidade”[36]...

O texto completo escrito por Faustino Teixeira, teólogo brasileiro e formado em Ciências das Religiões, encontra-se aqui.

7 comentários:

  1. "The only thing necessary for the triumph of evil is for good men to do nothing".
    Edmund Burke

    ResponderEliminar
  2. "Um fenômeno profundo e preocupante mas claramente minoritário (e se espera não duradouro)"
    Esta frase que passa despercebida no meio do texto parece-me profundamente reveladora. Sobretudo a parte do "espera".
    A citação no anónimo é pertinente

    ResponderEliminar
  3. O que é que ele entende por fundamentalismo islamico?
    Se for pela interpretação literal dos textos então a maioria dos muçulmanos é fundamentalista.

    António Maria

    ResponderEliminar
  4. Estou de acordo com o texto do post e nâo com um ou dois comentarios.

    abraço Mc

    ResponderEliminar
  5. tomei conhecimento atraves do
    bloguitica.blogspot.com

    http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/opinion/columnistas/pt/desarrollo/690731.html

    Evitar o choque
    "Se fizermos uma leitura literal da Bíblia e do Corão não haverá dificuldade em estabelecer que o último é mais sanguinário.

    João Cardoso Rosas

    "Há cerca de três anos, Fernando Gil e Paulo Tunhas tinham lançado o seu livro ”Impasses”, sobre as nossas atitudes diante da guerra do Iraque, do 11 de Setembro e do terrorismo islâmico. Por isso convidei-os a vir à minha universidade falar do livro e responder a questões de estudantes e professores. A sessão começou por decorrer calmamente até que um incauto membro da audiência decidiu fazer uma intervenção dizendo que o carácter violento do islamismo e do Corão, frisado em ”Impasses”, tinha perfeitos equivalentes na Bíblia cristã.

    Fernando Gil teve então uma daquelas explosões que eram típicas nele. Ficou vermelho, passou a falar alto e a gesticular, parecia ir voar da cadeira a todo o momento e ajustar contas com o infeliz interveniente. Gil citou passagens explícitas do Corão, com apelo à violência e ao assassínio dos infiéis. Incitou o interpelante a referir as citações bíblicas do mesmo tipo. Mas este, tipicamente, não as conhecia.

    Se fizermos uma leitura literal da Bíblia e do Corão não haverá dificuldade em estabelecer que o último é mais sanguinário. É certo que uma passagem ou outra da Bíblia – por exemplo no Deuteronómio – sugere a pena de morte para os que optam por adorar outros deuses. Mas, no caso do Corão, o apelo à violência e à morte dos infiéis é recorrente. Aqueles que negam o Islão devem ser combatidos e massacrados. Os infiéis são descritos como animais, demónios e outras coisas do género. Portanto, o Papa não necessitava de citar um imperador bizantino para obter o mesmo efeito. Bastar-lhe-ia citar o próprio Corão.

    No entanto, para além daquilo que está literalmente escrito no Livro e que as interpretações fundamentalistas consideram inquestionável, existe a possibilidade de muitas outras interpretações. Num determinado horizonte hermenêutico, a Bíblia pôde ser (mal) lida como justificando cruzadas, inquisições e perseguições. ”Mutatis mutandis”, o Corão pode ser (bem) lido, de uma forma não literal, para justificar a tolerância e a paz.

    É verdade que a realidade actual da esmagadora maioria dos países muçulmanos parece desmentir esta possibilidade. As violentas reacções à citação papal que nos chegam do mundo islâmico apenas corroboram essa mesma citação. Mas não devemos esquecer os bons exemplos. Assim, a Turquia tem conseguido manter o Estado laico e a tolerância religiosa que Kemal Atatürk impôs à força, sobre as ruínas do califado. Seja pelo método de Atatürk ou por outros, parece possível que países islâmicos ascendam à modernidade política.

    Por outro lado, não devemos confundir aquilo que dizem os líderes religiosos com o que pensam os crentes individuais. Se, por exemplo, perguntarem aos católicos se eles estão de acordo com uma série de ensinamentos mais polémicos da Igreja, muitos dirão que não. No entanto, ninguém deixa de ser católico por causa disso. Felizmente, as crenças algo flexíveis do povo cristão não coincidem com as verdades absolutas de alguns teólogos. Da mesma forma, o povo islâmico está muitas vezes mais preocupado com a sua subsistência e com coisas profanas do que em seguir à letra os mandamentos absolutos de alguns fanáticos.

    É verdade que o círculo virtuoso entre religião e modernidade está mais facilmente ao alcance dos países cristãos do que dos países muçulmanos. Apesar da rejeição da modernidade política e dos valores da tolerância, dos direitos do homem e da democracia que a Igreja Católica protagonizou no passado, é hoje indesmentível a sua adaptação genuína ao novo contexto. Na minha opinião, isso deve-se ao facto de que estes valores da modernidade política são, em boa parte, cristãos. Ao afastar-se de uma tradição de intolerância e conluio com o Estado, a Igreja está também a ser mais fiel à mensagem de Cristo.

    No entanto, o mesmo círculo virtuoso, sendo embora mais difícil para o Islão, em função da doutrina predominante e da própria história, não lhe está vedado por nenhum decreto. Por detrás da escolha de citações de Bento XVI, estará a fundada convicção de Ratzinger da dificuldade do Islão em alcançar a quadratura do círculo entre religião e modernidade política. Mas seria mais proveitoso afirmar a esperança de que isso pode vir a acontecer para mais muçulmanos e em vários lugares do mundo islâmico – não apenas na Turquia. Desta possibilidade depende a nossa capacidade para evitar que o ”choque de civilizações” deixe de ser uma teoria e passe a ser o principal facto geo-estratégico do século XXI.
    ____

    João Cardoso Rosas, Professor de Teoria Política

    ResponderEliminar
  6. Já agora, é bom recordar que nas nossas veias correm quatro séculos de cultura árabe e muçulmana.
    Tomando consciência das nossas raízes, talvez nos caiba uma posição pertinente neste diálogo de civilizações...

    ResponderEliminar
  7. Sobre o mais recente livro de Maurice Bellet (palavras do editor):

    Dialogue. Cela vaut mieux que la guerre! Ou que la controverse hargneuse. Dialogue: reconnaissance de l'autre, écouté, tolérance, fraternité. Ou bien: illusion, facilité trop commode? Dès qu'il s'agit de choses graves, comment éviter les oppositions, les refus, les exclusions? Une société n'est tolérante que pour ce qu'elle juge insignifiant ou secondaire. L'esprit de dialogue serait-il seulement signe de faiblesse? Chez les Chrétiens, il semblerait parfois que le dialogue a supplanté la mission. Serait-ce que leur foi a faibli? Refuser le dialogue, c'est aller du côté de cette abomination: le meurtre de la parole. Mais s'y risquer, c'est affronter l'épreuve décisive. En son cœur.

    ResponderEliminar