2006-09-04

peregrinos


Criam-se "guerras" por "tudo e por nada". Uma delas, é a discussão sempre em aberto, entre criacionismo e evolucionismo. O evolucionismo é inegável. As diversas ciências que estudam os reinos; mineral, vegetal e animal o atestam e confirmam.
Mas para o crente, a evolução não é alheia ao "acto criador" de Deus. Como é que isso aconteceu? Acontece? Não são os relatos das duas lendas da criação, descritos no livro do Génesis, o local onde textualmente e literalmente, vamos "certificar", a criação operada por Deus.
Criação e evolução, são duas linhas onde Deus continua, no Mistério, a "gerar" o Universo, onde estamos na condição de peregrinos. Acredito que, na evolução, Deus continua a moldar o "barro" e a soprar-lhe Vida. De forma misteriosa. Mas num mistério que se vai "abrindo" ao Homem. Por isso, o Homem é dotado de inteligência e capacidades para ir percebendo a evolução. Para perceber as consequências dos seus actos, e através deles, não se tornar destruidor do que Deus põe ao seu serviço, mas, por sua vez, colaborar na criação.

"Não temos aqui morada permanente" - gosto de meditar nisto. Porque a nossa vida, sendo a cada momento, envolvida por sinais e sementes de eternidade, ainda não o é de forma plena, acabada. Já está manifesto em nós o que havemos de ser, mas ainda não o podemos disfrutar em plenitude. Ainda a doença, a morte nos espreita. Ainda o egoísmo, o orgulho, a injustiça, a mentira, crescem no nosso coração a par de todas as sementes de bondade e plenitude.

Somos peregrinos. É um facto!

Gosto de observar um grupo de idosos, que todos o dias, se põem junto a uma passagem de nível da nossa terra, onde quase não passam comboios. Mas eles ficam a olhar a linha e a conversar. Olho-os com ternura. Sempre que os vejo, lembro-me desta oração: "Não temos aqui morada permanente. Leva-me mais longe, leva-me mais longe..."

11 comentários:

  1. "Luz terna, suave, no meio da noite..."
    Um poema do cardeal Newman.
    JS

    ResponderEliminar
  2. Nos fervorosos adeptos do criaciosmo só faz confusão que não permitam que os seus filhos aprendam na escola a teoria da evolução. Porque as crianças têm, no seu crescimentos, etapas fundamentais em que estão recptivas ao desenvolvimento, à instrução, à criação de novos conceitos. E nos Estados Unidos, neste momento, já é possível passar-se desde a primária até à formação universitária completa sem aprender a teoria da eolução. Houve uma batalha feroz para "ganhar esse direito". Porque se considerou que poder "proteger" as crianças e jovens da teoria evolucionista era um direito inalienável alicerçado na liberdade religiosa. Há um blogue de grande qualidade, onde de vez em quando pariticpo em debates acesos sobre a homossexualidade e até sobre o direito à educação das crianças o direito a aprenderem a teoria da evolução das espécies, independentemente do que os pais acreditam. É o http://www.evangelicaloutpost.com
    Há imensos posts sobre o criacionismo. Fazendo uma pesquisa sobre o tema encontrei:
    http://www.evangelicaloutpost.com/
    mt/mt-search.cgi?IncludeBlogs=1&search=creationism

    Um abraço, nuno.

    ResponderEliminar
  3. Nuno e MC vamos chamar as coisas pelos nomes: chanfrados que distorcem a democria até que esta seja usada para proibir critérios empiricos na ciencia (ou seja deixamos de ter ciencia e passamos a ter teologia de novo) e na vida publica.

    ResponderEliminar
  4. Pedro, no Evangelical Outpost é possível verificar a democracia, o debate democrático a acontecer.

    Aquilo é Evangelismo de linha dura. São os mesmo que apoiam o Bush. Ház mesmo banners publicitários com a cara do Bush.
    Há também banners sobre uma campanha para que os jovens conservadores se casem entre si. Arrangem um namorado conservador.
    Nos posts a condenar a homossexualidade surgem a seguir homossexuais nos comentários.

    Este é um bom exemplo.

    O nível do debate a seguir é exemplar. Por vezes há mais de 200 comentários. O rigor, a correcção mas a forma apaixonada, vibrante como se comenta, como se fundamentam as opiniões, como se respeita a opinião dos outros é exemplar.

    Os alvos dos posts aparecem sempre.

    Eu sou um dos grandes críticos desta distorção.

    Mas lembra-te Pedro da forma como nós discutimos, debatemos por cá.

    Os "chanfrados" deles são muito mais equilibrados e respeitadores cumpridores dfas regras da democracia que os nossos mais equilibrados e moderados democratas, em algumas situações.

    Um abraço, nuno.

    ResponderEliminar
  5. A questao Nuno é a ciencia nao está aberta ao debate - a teoria cientifica nao é, nem pode ser, escolhida democraticamente. Os factos nao sao democráticos. As minhas crenças pessoais (ou falta delas) também nao sao para serem postas a voto popular.

    A democracia pertence a um determinado espaço político e nao é aplicavel a todas as realidades humanas.

    Quanto à sitauaçao por cá nao tenho muito a dizer, a nivel mainstream nao ha debate sobre coisa alguma, ponto final. Existe uma posiçao oficial que ocupa todos os canais (alguns casos dissonantes existem apenas na web) - de preferencia que nao abane muito o barco, nao va afectar os interesses de alguem.

    ResponderEliminar
  6. mc

    "O evolucionismo é inegável. As diversas ciências que estudam os reinos; mineral, vegetal e animal o atestam e confirmam."

    Apetece-me repetir a célebre frase:
    - Olhe que não... olhe que não...
    O evolucionismo é uma teoria cheia de "buracos" e contradições. A forma como a teoria é apresentada, inquestionável e e completamente provada, é um das grandes mentiras do nosso tempo.

    annaresti
    Pois.
    Diverte-me, depois de passar a indignação, a maneira altiva e desprestigiante com que muitas vezes os evangélicos conservadores, os "fundamentalistas", são tratados por cá. Tomara eu que houvesse em Portugal metade do amor que esses "fanáticos" têm à liberdade e ao respeito pela consciência individual. E a palavra amor não está aqui usada de forma poética.

    ResponderEliminar
  7. Pedro, eu penso como tu. Mas a questão é que posso ir dizer o que disseste para o Evangelical outpost e respondem-me com calma os comentadores.

    Os comentadores. Que às vezes se contam em muitas dezenas.

    Há uma cultura democrática.
    As pessoas estão habituadas a ler, a pensar antes de abrir a boca e a argumentar com pés e cabeça. A respeitar a inteligência de quem os contradiz.

    Foi só isto que eu elogiei.
    De ti tenho a elogiar isto mesmo e muito mais. Que isto não me chega.

    Mas lembro-te as circunstâncias em que conheci o teu blogue.

    Disseste-me que aqui era mais fácil debater. Pois o sítio onde eu comentava tinha um ambiente "muito volátil". Esses ambientes voláteis são a nossa cultura. Os bloghues políticos portugueses, por exmplo, os mesmo com que me identifico são uma desgraça. Os mesmo jovens com que me identifico, e eu próprio quando as emoções me picam, não têm uma verdadeira cultura de debate democrático.

    É só isto o que estou a dizer.

    Quanto a uma sociedade que funciona segundo modelos ultra-conservadores, seja a questão de se negarem evidencias científicasm sejam coisas ainda piores, isso eu não quero para ennhum país.

    Mas se há país onde essa discussão se faz, mesmo num fórum ultra-conservador, e se faz democraticamente... é aquele.

    E aquele é o país do mundo com mais skinheads, por exemplo. Que pululam graças ao apego à liberdade de expressão. Há Igrejas que dizem que Hitler é a reincarnação de Cristo. O que é perfeitamente possível graças à liberdade de culto. Há crianças que são baptizadas ainda bebés nesses ambientes.

    Há coisas horríveis.
    Não defendo o país, nada disso, nem nenhuma ideiologia, nem as contradições, nem o que é possível garças... percebes.

    Estava apenas a dizer que as pessoas, muitas, mesmo as que defendem coisas contra as quais nos insurgimos, alguns dos neo-cons, alguns dos evangelistas de linha dura, muitos destes aliás, estão habituados a esta cultura, nela se movimentam. E nós não.

    Nós não.

    Nós sabemos barafustar.
    Veja-se a nossa blogosfera. Os nossos debates, durante a campanha.

    Um baraço, nuno.

    ResponderEliminar