2006-11-27

"Ó morte sempre vencedora..."

O Homem só deixará de promover os actos irreflectidos de aniquilação quando, perante a morte, encontrar o seu rosto sobre as cinzas dos finados.Enquanto se sentir intocável e soberbo de vida, jamais deixará de cultivar o poder, o domínio, a concorrência desregrada, no âmago da sua natureza. Somos predadores antropófagos.

Estas palavras, escreveu-as o "andarilhus" que tem este blogue magnífico, e que eu, tendo-o nos meus favoritos, ainda não tinha feito a devida divulgação (egoísta!).

Estas palavras, sinto-as eu, olhando para a minha vida e para as vidas à minha volta. E, vem-me à memória, este grito bíblico que é de todos os tempos:"SENHOR, que é o homem, para cuidares dele, e o filho do homem, para nele pensares?" (SL 144,3)

E, no entanto, acredito: a morte, o ódio, a violência, não terão a última palavra. Jesus Cristo, revelou-nos isto (não numa fórmula de procedimentos ou de práticas religiosas, experiências místicas,) mas porque Deus é Amor. E ama e salva, no acontecer da nossa vida. É isso a Encarnação. Senti-o, hoje, de modo sensorial, numa atitude concreta: as lágrimas que corriam nos olhos de uma amiga, quando lhe contava os últimos acontecimentos da minha vida. As que tenho reprimido, aguentado, escondido; chorou-as ela, hoje, diante de mim. E nessas lágrimas espontâneas, sinceras, amigas senti Deus e a promessa do homem redimido. Que querem? Eu sinto-O assim.

9 comentários:

  1. MC, não sei dizer isto de outra forma: abençoada és tu entre as mulheres.
    Muito mas mesmo muito obrigado por este post.

    ResponderEliminar
  2. É bonito isso que dizes. E como o dizes!

    Deixo-te aqui mais um beijinho.
    Descansa bem.

    ResponderEliminar
  3. MC, isso é que é catecismo!
    Obrigada, missionária do Deus verdadeiro.

    ResponderEliminar
  4. Não me tenham por blasfemo...
    Respeito todos os credos… mas não acredito em nenhum (porque não consigo interiorizar qualquer um deles; talvez pela predominância da lógica).
    Todavia, considero as religiões como uma vontade universal de alcançar o BEM. E é aí que vou beber alguns princípios que, na verdade, são apologias não afectas a “dEUSES", mas à exaltação do HOMEM como Ser Humano, como veículo do humanismo.
    Sabendo-se da essência das religiões - a vida em harmonia e fraternidade – como é possível existirem movimentos tão perniciosos como o extremismo islâmico (guerra santa) ou o extremismo cristão (cruzadas doutros tempos e de agora) – para falar só nos de maior exposição pública – em nome e por “ordem” de um Ente pseudo-superior, pseudo-omnipresente?
    Meus caros, a meu ver, este é o resultado de todos os cultos serem criação do Homem e não de um deus… O homem cria a ideia e os contornos da mensagem, faz a leitura múltipla desta e, por auto-recriação, faz uso dessa ideia … O “deus” e a sua obra acabam por sofrer das máculas do seu “criador”…
    A única forma de pensar deus, é pensar num estado superior do Homem, na sua condição de Homem, em que a exaltação do BEM – a religião – se cumpre pelo respeito e humildade entre todos. Um Homem que esqueça a disputa e a busca de despojos, que aceite aquilo que tem e não cobice o do vizinho; um Homem que seja o expoente máximo da exploração deste milagre que a natureza nos concedeu: o primado da razão, assente na pacificação da emoção e dos sentimentos.
    Perdoem-me qualquer incursão mais chocante pelas vossas sensibilidades…
    “(ºoº)”

    ResponderEliminar
  5. José, rapaz;

    assim deixas-me sem jeito. Eu sou uma "Maria vai com as outras"...tudo farinha do mesmo saco ;)

    dois beijinhos para ti

    ResponderEliminar
  6. Ó Xana,

    pareces o príncipezinho para a raposa...sobre a amizade. Lembras-te?

    Um beijinho para ti

    ResponderEliminar
  7. Testa alta

    cruzes credo! Eu não tenho vontade nenhuma de fazer do blogue um catecismo. Aliás, bastava o meu prior vir espreitar isto...era excomunhão na certa.

    Mas é como vivo a fé e a vida. É o meu retrato que por aqui vou espalhando. Uns gostam, outros fazem-me figas. Mas isso é o normal da vida. Não se agrada a todos. Nem sempre.

    ResponderEliminar
  8. andarilhus,

    ainda és novo por aqui. Eu ainda ontem dizia a um padre amigo:"Olhe, eu para me ir aguentando nas canetas lá vou escrevendo umas heresias na net." Ele não tem tempo de ter um blogue e tem de engolir a maior parte das heresias que lhe apetecia dizer e vai dando cabo do coração.

    Como vês, este é um espaço de liberdade. Cada um, entra e diz o que quer. Não há qualquer espécie de censura.

    Acho estranho os ateus darem-me atenção. Quer dizer, virem ler o blogue. Mas deve ser pelos poemas que posto de vez em quando ;)

    Comenta à vontade, porque se há alguma coisa de que sou fanática, é do diálogo e partilha de vidas.

    Quanto ao teu comentário, propriamente dito, não o comento, porque estou com pouca cabeça para...mas voltaremos a falar. Já trocámos os "cromos"...:)agora, é sempre que queiras.

    ResponderEliminar
  9. MC, claro que lembro...
    O príncipezinho, a raposa e a rosa...

    ... a rosa... como as rosas que me mostras neste jardim...

    Um abraço.
    E descansa bem.

    ResponderEliminar