2007-02-05

a importância da consciência moral de cada um

...Pelas normas morais, e segundo a moral ( os valores, os príncipios orientadores das nossas condutas) partilhada por certas pessoas o valor da vida (qualquer que seja a sua forma) é um valor absoluto, logo por consequência, o aborto seria um acto moralmente censurável.

Para outras pessoas, outras normas morais se impõem e são tanto ou mais valiosas que o valor da vida. Dou apenas três exemplos:
a) aquele que dá a vida na luta pela liberdade, está implicitamente a colocar ao mesmo nível o valor da liberdade e o da sua própria vida.
b)aquele que se suicida, porque algo na sua vida o atingiu tão fortemente (ter sido desonrado, ter sido apanhado a roubar, etc.), fá-lo porque para ele é impossível continuar a viver (um valor mais alto que se subrepõe ao da sua vida)
c) uma mulher que interrompe voluntáriamente a sua gravidez fá-lo porque outros valores se sobrepõem e são determinantes na sua decisão.

Estes exemplos mostram como cada indivíduo tem a sua moral (a sua consciência moral), e como a moral varia de época para época (antigamente certos actos eram moralmente condenáveis, e hoje não o são) e de sociedade para sociedade (os juros podem ser moralmente censuráveis numa sociedade e não o ser noutra)

Estes exemplos mostram também como é muito "feio" alguém "impôr" a sua moral aos outros através dos mais variados artíficios (imposição coerciva, ameaça e intimidação, do tipo "faz isto senão..."), pois o que importa são as pessoas formarem-se e educarem-se segundo certos e determinados valores e princípios que livremente escolheram para si como orientadores dos seus comportamentos dentro da comunidade humana, valores e princípios esses que devem estar em sintonia com todo o historial e todos os avanços da Humanidade, por maior que seja a sua diversidade cultural.

...A descriminalização (ou a manutenção da sua criminalização) do aborto é pois uma questão de política criminal estatal. Trata-se de saber se, segundo determinados critérios, a sua criminalização ou a sua discriminalização satisfaz os interesses que o Estado (por intermédio dos governos ou dos deputados) ou os cidadãos (através de um referendo) consideram relevantes...

Ler o artigo todo aqui.
sublinhados meus

2 comentários:

  1. Olá Maria da Conceição!

    Há imenso tempo que não nos cruzamos nesta blogosfera!

    Venho dar-te uma bela notícia, no que me toca!

    O meu único filho vai fazer-me avó!
    Tive ontem a notícia!

    Estou muitoooocontenteeee!!!

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  2. Dad,

    mas que feliz notícia. Fico muito contente por vocês todos.

    E só não digo: "ai, que inveja!", porque temo que as minhas filhas e genros achem que me estou a meter na vida deles.

    Beijinhos avó Dad! :)

    ResponderEliminar