2007-02-01


Se eu pudesse dizer-te: - Senta aqui
nos meus joelhos, deixa-me alisar-te,
ó amável bichinho, o pêlo fino;
depois, a contra-pêlo, provocar-te!
Se eu pudesse juntar no mesmo fio
(infinito colar!) cada arrepio
que aos viageiros comprazidos dedos
fizesse descobrir novos enredos!
Se eu pudesse fechar-te nesta mão,
tecedeira fiel de tantas linhas,
de tanto enredo imaginário, vão,
e incitar alguém: - Vê se adivinhas...
Então um fértil jogo de amor seria.
Não este descerrar a mão vazia !(...)
Alexandre O'Neill

4 comentários:

  1. U(Mi)au! Tanta sensibilidade e sensualidade... O arrepio traquinas do veludo...
    "(ºoº)"

    ResponderEliminar
  2. já acabou janeiro, mas ainda é tempo de uns miados. Mias muito bem, andarilhus :))))

    ResponderEliminar
  3. Ora aqui está um autor que agrada aos dois… Mais tarde ou mais cedo tinha que acontecer… :)

    David Bengelsdorff

    ResponderEliminar
  4. ...David, fazes-me lembrar que ainda queria argumentar contigo num post ali, mais abaixo. Deixei que a preguiça vencesse. Não me deixei vencer pelas tuas ideias, foi mesmo pela preguiça. Mas não perdes pela demora. :)))

    Ah! gostas do O'Neill? E de que mais gostas tu?

    ResponderEliminar