2007-08-24

de que tem medo, sr cardeal Saraiva Martins?



– Há quem defenda que a crise de vocações se resolvia com a ordenação sacerdotal das mulheres.

Estou certo de que a ordenação das mulheres nunca acontecerá.

Porquê?

Não sei porque é que esse problema se há-de colocar. As mulheres são preciosas para a Igreja e têm um vastíssimo campo de trabalho, no qual têm dado mostras de grande capacidade. Contudo, essa questão teológica da ordenação não deve ser colocada. É que não há no Evangelho nada que nos permita trilhar esse caminho. Além de toda a tradição histórica da Igreja. Repare: os apóstolos foram ordenados por Cristo e Nossa Senhora não. No entanto, no plano do culto, Nossa Senhora está acima dos apóstolos. Isto para dizer que as mulheres não precisam de ser ordenadas para atingir o mais alto do Céu.

(Cardeal Saraiva Martins ao Correio da Manhã)


"Os apóstolos foram ordenados por Cristo e Nossa Senhora não" - Uma argumentação brilhantíssima. Não haja dúvidas. E parece que no Céu há lugares mais baixos e mais altos. De qualquer modo só pode haver uma Nossa Senhora...às restantes mulheres, restará limpar o pó das cadeiras à esquerda e à direita.
Mas enquanto não se resolvem a ordenar mulheres, vão-se criando uns modelitos para verem que as coisas iam melhorar e muito.

ai portugal, portugal...


Milhares de pessoas deslocam-se hoje à praia em S. Bartolomeu do Mar, Esposende, para assistirem ao ponto alto da romaria local o banho santo, que leva dezenas de crianças a entrarem nas águas frias em busca de protecção. Esta é uma romaria ímpar e inigualável em Portugal e no mundo pois apresenta características genuínas e sui generis como forma de cumprir a promessa, donde sobressai a oferta do frango preto e o tomar o banho santo. Efectivamente, o cumprimento da promessa é constituído por ritos próprios frango preto e banho santo no mar. Cada criança, acompanhada pelos pais ou avós, e segurando um frango preto ao colo (que trouxe de casa ou alugou no próprio dia junto da Comissão de Festas), dá três voltas à igreja paroquial, orando. No final, oferece o frango ao S. Bartolomeu. Os animais são depois leiloados no final da procissão, revertendo a receita para as despesas da festa.



Um dos objectivos do banho para além de afastar o diabo das criancinhas, também as cura de coisas como gaguez e epilepsia ( o que é que os neurologistas andam a fazer que não mandam os doentes todos para Esposende?).

Numa reportagem RTP, era referido que para além do banho de mar, das voltas à roda da igreja, também se davam umas voltas por baixo do andor do santo.

Convivo relativamente bem com estas práticas. Porque fujo delas a sete pés. E não me escandaliza por aí além esta mistura de sagrado e profano, porque isso fazemos todos os dias (já a ignorância que tudo isto demonstra, me aflige. Ignorância religiosa e de saúde pública). Agora o que eu gostava, era que a comissão de festas convidasse o Papa Bento...(cá por coisas!)

2007-08-22

Quando a Igreja se põe a jeito...

El secretario de Estado vaticano, cardenal Tarcisio Bertone SDB, denunció el "negocio" que acompañó a los escándalos sexuales atribuidos a sacerdotes en los Estados Unidos, donde se le extrajo a la Iglesia altísimas sumas de dinero.



Preocupado com o que menos interessa (o dinheiro das indemnizações), o cardeal, qual cegonha fora de época, enterra a cabeça na areia. Não reflecte sobre algumas possíveis causas, para tão numerosos casos de pedofilia, entre os padres. Poderá até ter havido, uma corrida à indemnização. Mas haverá algum dinheiro que pague os danos causados às vítimas?



E não seria bom que a Igreja reflectisse sobre as causas que levam uma vítima de abusos calar-se e escondê-los? Qual é o papel dos padres nas comunidades? Um papel de poder, ou de serviço, como se diz? (e alguns fazem, graças a Deus).

deixar-se iluminar


...Se eu pudesse, saía pregando avisos assim em todas as portas de Igrejas, templos e conventos. Na porta do meu próprio mosteiro, pregaria uma placa bem grande: "Precisa-se de quem interpele e conteste". Mesmo nestes tempos de unanimidade medíocre e subserviente, as comunidades precisam ser recordadas de que têm uma missão profética. Se se calam, "as próprias pedras gritarão". Por mais que seja desagradável, até em meio à multidão que aplaude cultos transformados em shows, alguém tem sempre a missão de gritar que o rei está nu. Mesmo uma voz que clama no deserto, indica um caminho novo que, se Deus abre, homem algum poderá fechar.

A vocação de todo ser humano é se deixar transformar pela luz divina. Progressivamente, ela nos transforma em pessoas mais amorosas, por isso mesmo, mais divinizadas. Mesmo quem vive agredido pela carência do fundamental na vida, ou quem se sente desrespeitado em sua dignidade humana tem nos olhos o clarão divino do Espírito e recebe a missão de recordar ao mundo que o projecto divino subverte toda a ordem instituída, mesmo aquelas que se consideram sagradas e, por vezes, até divina...

(Marcelo Barros, monge beneditino) - Adital

pois é!


"Mulheres se previnem como se fossem mais frágeis, como se fossem vítimas em potencial e, com isso, tornam-se mais agressoras. Pena, mas é assim." (www.sobretudodelona.wordpress.com/)


Reconheço algumas sementes de verdade nestas palavras. Mas durante anos e anos, jogou-se este jogo, que aparentemente agradava a todos. Talvez seja tempo de passarmos a ser todos mais honestos.
imagem-"A Wasa, Ethiopia" de Beatriz Romero

A Igreja e a pena de morte...

"A agência Fides, órgão da Congregação vaticana para a Evangelização dos Povos, acaba de publicar um dossiê especial sobre a pena de morte que tem como título «Amai os vossos inimigos» e por subtítulo: «Como o Estado tira a vida».O dossiê repassa dois diferentes métodos utilizados para acabar com a vida dos condenados. A seguir, evoca questões ligadas à pena de morte contra menores de idade, a de inocentes condenados à morte, e recolhe os dados relativos à aplicação da pena de morte no ano 2006, refletindo a situação dos diferentes países. A agência vaticana se pergunta: «Será 2007 o ano da moratória das execuções capitais?» e afirma: «A pena de morte é cruel e desnecessária». Como apoio ao dossiê, Fides menciona a tomada de posição da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, e publica uma entrevista com Mario Marazziti, porta-voz da Comunidade de Sant’Egidio, movimento católico que promove mundialmente a abolição ou ao menos uma moratória da pena capital. "

(notícia Zenit.org)


Por mais forte que seja o nosso sentido de justiça, não se deve basear em primícias de vingança, de anulação e supressão da vida. A protecção dos indefesos, não deve cair em atitudes facilitistas. Por isso, agrada-me que na Igreja Católica se vá criando cada vez mais o sentido da justiça divina, que é misericórdia e perdão. Deus que é Amor, não faz distinções na sua acção entre bons e maus. Para aí devemos caminhar:
"Fazendo assim, tornar-vos-eis filhos do vosso Pai que está no Céu, pois Ele faz com que o Sol se levante sobre os bons e os maus e faz cair a chuva sobre os justos e os pecadores. " (Mt5,45)

2007-08-20

exilados

...O nosso segredo, é vivermos em degredo, afastados, expulsos de nos conseguirmos realizar. O nosso segredo é este viver-entre, tolhido, paraplégico, cego-surdo-mudo, abraçando a angústia nascida dos obstáculos erigidos pelos outros e por nós mesmos.

Por isso me soube tão bem dizer ontem:
- Sinto-te mais realizado, mais solto, mais livre, mais inteiro...
Não vi, mas sei que do outro lado alguém sorriu.

Ascídia e os mistérios dolorosos



Quase que não há dor na vida da Ascídia. Atribuímos significado a tudo, estabelecemos ligações. É a nossa vantagem. Devemos suportar a dor correlativa. Luís Januário
imagem-ascídia marinha

"humildemente lúcido e corajosamente crítico"

...É indubitável que fiel e infiel sempre foram palavras perigosas no vocabulário religioso, e nos tempos que correm o perigo é visível, pois os ânimos de alguns incendeiam outros, os rigorismos fanáticos de uns tantos fazem guerra a não poucos, e a cegueira de grupo dilacera a união das pessoas e dos povos! Neste contexto, o cristão autêntico, isto é, sem arrogâncias nem complexos, há-de saber ser humildemente lúcido e corajosamente crítico para colaborar com todos os homens no reconhecimento de uma pacífica convivência humana que há que descobrir, acolher, e recriar a partir de um mistério fundamentalmente dado no amor e na liberdade que nos chegam como dom e graça.
(in aliquando)

Saber ver que há práticas religiosas que ferem a nossa sensibilidade, a nossa cultura, não é motivo para poses arrogantes ou prática da violência. O cristianismo que foi (e ainda é), vítima de intolerância, também já foi carrasco. Saber isso, é o suficiente para nos colocarmos em atitude humilde, perante outras formas de religiosidade.

eles: os ricos


...O que faz impressão na lista dos cem mais ricos de Portugal é constatar que as suas fortunas acumuladas representam 22% de toda a riqueza do país e que o fosso entre os que mais ganham e os que menos ganham é o maior de toda a Europa comunitária a quinze. E faz impressão pensar que, enquanto os trabalhadores por conta de outrem e a generalidade da classe média e média-baixa viu os seus rendimentos subir entre zero e três por cento no ano passado, os cem mais ricos aumentaram a sua riqueza em 36%. E fizeram-no essencialmente através da bolsa – ou seja, não pelo desempenho das suas empresas, não pela criação de riqueza para o país, mas sim através da simples especulação com o dinheiro. Mais interessante ainda seria podermos dispor da lista dos cem maiores pagadores de impostos do país em nome individual, para compararmos com os cem mais ricos. Ou sabermos quanto pagaram de impostos sobre os lucros as empresas ou fundações onde se abrigam os cem mais, para compararmos com os que, vivendo apenas do seu trabalho, pagam 42% de IRS. Aí, sim, poderíamos perceber a dimensão da injustiça social e fiscal em que vivemos....


um interessante artigo de Miguel Sousa Tavares para ler aqui

tão perto e tão longe...


“Viajarei para Ti, Senhor, por mil becos sem saída. Queres levar-me a Ti através de muros de pedra.” Thomas Merton
imagem-calenco

2007-08-18

bem-aventurados os que procuram...sempre!

...A crise contemporânea é estranha. Enquanto o Ocidente se encontra desertificado de Deus, noutras culturas não só não há morte de Deus como, em vez da laicização, continuam na sua Idade Média, acreditando que o seu Deus é o verdadeiro e o Ocidente está em vias de perdição. De facto, o Ocidente teve um dinamismo incomparável, e a razão disso é que o seu debate foi sempre à volta de Deus. Noutras culturas, Deus é um dado e está no centro de tudo; no Ocidente, Deus tem sido uma interpelação infinita. Deus não é uma evidência, porque não é um objecto. Deus é o nome, precisamente enquanto antinome, da nossa incapacidade de captar o Absoluto, o modo de designarmos a nossa incapacidade de ocuparmos o seu lugar. O Ocidente é a procura e o debate à volta desta questão. É-se contra a objectivação de Deus, porque Deus-pessoa não é objectivável. Deste modo, o Ocidente afirma-se como procura da liberdade.

...A perspectiva cristã caminha sobre outro chão. Aqui, Deus aparece como não violência, como puro amor, como espaço de liberdade absoluta. Sem Ele, as nossas liberdades não têm lugar. Ao revelar-se como amor, Deus mostra que, se a violência é o estado natural, a não violência é que é o mistério, e o que liberta é o não poder.Deste modo, concluo eu, a crise actual não é o ateísmo. Precisamente o debate à volta de Deus enquanto debate infinito, mesmo para negá-lo, funda a liberdade e a dignidade. A raiz da crise é a indiferença e a consequente impossibilidade de pensar o sentido da totalidade, já que tudo se escoa na imediatidade e no fragmentário.

Anselmo Borges, padre - in DN

2007-08-01

pido permiso...




...Permite-me calar só um momento:
que já não têm lágrimas meus olhos,
nem conceitos de amor meu pensamento

Lope de Vega


imagem: Harriet Anderson in "Monika e o desejo"
de Ingmar Bergman

RECONCILIAÇÃO

Há-de uma grande estrela cair no meu colo...

A noite será de vigília,
E rezaremos em línguas


Entalhadas como harpas.
Será noite de reconciliação .


Há tanto Deus a derramar-se em nós.
Crianças são os nossos corações,


Anseiam pela paz, doces . cansados.
E nossos lábios desejam beijar-se . Por que hesitais?
Não faz meu coração fronteira com o teu?


O teu sangue não pára de dar cor às minhas faces.
Será noite de reconciliação,


Se nos dermos, a morte não virá.
Há-de uma grande estrela cair no meu colo.


ELSE LASKER-SCHULER (1869-1945)
(Baladas hebraicas . tr. João Barrento)


respigado daqui

perdoar é preciso

38«Ouvistes o que foi dito: Olho por olho e dente por dente. 39Eu, porém, digo-vos: Não oponhais resistência ao mau. Mas, se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra. (Mt 5,38-39)

Foi ontem lida a sentença para António Costa, o assassino de três jovens suas conterrâneas. O juiz aconselhou a que, durante o tempo que vai estar preso, pense nos actos que praticou.

Eu penso no longo "caminho" a percorrer pelos familiares das vítimas, pelos familiares de António Costa, por ele, para conseguirem superar tamanhas ofensas e encontrarem todos a reconciliação que não só é necessária como indispensável, para ultrapassarem as diversas dores que cada um sente.

Que sentido tem o perdão? Sobretudo num tempo em que ganhou forma uma expressão como esta:"as desculpas não se pedem, evitam-se". Sabemos que em nós convive o mal e o bem. Que somos capazes de nos ultrapassar em gestos de generosidade, mas também de cair irremediavelmente no mal. A única atitude para ultrapassarmos esta nossa condição, é o perdão que mutuamente pedimos e exercemos.

A atitude de vingança, só nos fará a todos, encerrarmo-nos no círculo do mal. O perdão, pelo contrário, liberta.

Como sou crente, acho que é Deus que nos dá a capacidade de perdoar. Sem essa força, como poderá um pai e mãe perdoar ao assassino de sua filha?

Bom dia


Poema

Amo-te por sobrancelha, por cabelo, debato-te em
corredores branquíssimos onde se jogam
as fontes de luz, discuto-te a cada nome, arranco-te com
delicadeza de cicatriz.Vou-te pondo no cabelo
cinzas de relâmpago
e fitas que dormiam à chuva.
Não quero que tenhas uma forma, que sejas
precisamente o que vem atrás da tua mão.
porque a água, considera a água e os leões
quando se dissolvem no açúcar da fábula,
e os gestos, essa arquitectura do nada.
acendendo as lâmpadas a meio do
encontro. Todas as manhãs és a ardósia em que te invento
te desenho. Pronto a apagar-te, assim não és, nem tão pouco com
esse cabelo liso, esse sorriso.
Busco a tua soma, a beira da taça onde o
vinho é também a lua e o espelho,
Busco essa linha que faz tremer um homem
numa galeria de museu.
Além disso amo-te, e faz tempo e frio.

Julio Cortázar