2008-01-31

uma análise do mais certeiro que há:

"É preciso ser autista, auto-centrado ou completamente desprovido de imaginação para ter de convocar um terceiro quando se quer ver a mulher amada a foder com Outro." diz o Luís.

mais um bocadinho de diário...

-Bom dia! Meta a carteira neste cofre...(que fica aberto, para a carteira arejar. Ou não gastar a fechadura. Sei lá!)
...- Dispa-se e vista a bata.
- Como vê, estou com uma rinite no seu ponto alto. Prometo não tossir, nem espirrar e vou conter o pingo do nariz para não sujar a almofada. Se deixar de respirar, já sabe porquê. (Eu não quero é estragar esta ressonância magnética que tanto dinheiro custa ao vosso orçamento. E a porra da taxa moderadora que tenho de pagar, também não me permite vir cá para a semana. Nem que morra mas faço esta merda hoje.)
- Dê-me cá a sua mão. Ui que veias tão fininhas.
(O que é que esta gaja quer?! Já sei que tenho veias finas e mamas difíceis. Vou queixar-me a quem??)
- Vai sentir uma picadinha! Se doer diga, querida.
(Vai chamar querida à tua avó e despacha lá isso que quero é apanhar-me fora desta "torradeira")
- Ui, já rebentou a veia.
(-E que culpa tenho eu disso, ó idiota? Vendem-se veias grossas, por acaso? O pior é que já lixaste uma agulha, uma seringa, o líquido contrastante, mais algodão e mais uma tirinha de adesivo. Queres é que eu saia daqui cheia de complexos de culpa por estar a lixar o orçamento).
Mais uma picada na veia do pulso, rezo entre dentes para que desta vez corra tudo bem, senão passo a ser conhecida por ser uma estragadona de algodão, agulhas e adesivos (dos dois únicos tamanhos disponíveis).
- Minha querida, já está a entrar. Se doer diga.
(-Digo o quê? Mete lá é isso depressa que já estou farta de estar aqui enfiada. E se me chamas querida outra vez...)

...Alívio! Assim que puder vou à confissão, por causa do que desperdicei hoje. Além de todos os meus pecados, tenho umas mamas que só gastam dinheiro ao Estado. Veias finas que desfalcam os stocks do IPO. E a paciência no limite.

diário duma utente cada vez mais descontente com o SNS

9;16 - IPO. A funcionária chama um nome. Assim que o destinatário se manifesta, pergunta se já bebeu os quatro copos. -Já. - Responde o utente - Então tem de beber mais um. Traga cá o copo. - Tem de me dar outro, se faz favor.
Soletrando todas as sílabas vai dizendo a funcionária - Neste exame bebem-se quatro copos e mais um, assim que for fazer o exame. - Não sabia que tinha de beber mais um copo, por isso deitei-o fora. - Responde quase desaparecido na cadeira o utente, envergonhado pela sua ignorância. - É que assim não tenho copos que cheguem - Alvitra de trás do balcão, a esforçada funcionária.
Assisto incrédula à cena e penso - Muito bem. Depois das mamas ao léu por causa da poupança das batas, seguem-se os copos de plástico. Nem quero imaginar o próximo cenário:
9;30 - IPO, bloco operatório. - Bom dia. Aqui trago a caixa de costura e o lençol 100% algodão. Sabe?! É por causa das alergias. Dou-me mal com tecidos sintéticos. - Deite-se de costas, o doutor já vem.
....longo tempo de espera e desespero a pensar onde é que estaria bem aquela hora...
- Então onde está a caixinha desta senhora? - Está aqui sr. doutor.
- Muito boa qualidade de agulhas, não têm ponta de ferrugem. Tem preferência por alguma cor de linha? - Senhor doutor, escolha à sua vontade. Por mim está tudo bem. - Pode ser esta bordeaux. Fica bem com o seu tom de pele. -(Eu dizia-te o que é que ficava bem...mas estou de costas e já meio paralisada do frio.)
- Agora vai escolher entre ficar de olhos abertos ou fechados. Esteja à vontade; a escolha é sua. Eu prometo ser o mais breve possível e cortar com precisão. Como já percebeu, não vai haver anestesia. O corte no orçamento assim o determina.
...Já não tem resposta porque a doente com os músculos entorpecidos já nem responde.

Um beijo

com todo o carinho para o querido Migalhas.

2008-01-30

não foi por isto que saiu, mas...

acordam-me às oito e tal da manhã de segunda-feira (selvagens!), para informar que a consulta no Centro de Saúde marcada há dois meses para esse dia, foi adiada para 10 de Março. Com muita sorte, deste ano da graça de 2008. Agradeço a gentileza, dou graças, e penso que devo informar a família, caso morra antes, (lagarto, lagarto!!!), para serem generosos e doarem a minha vez a alguém mais afortunado.

há coisas que o dinheiro não compra, mas pode bem estragar

Foi com grande mágoa, que fui vendo a transformação feita na casa e campos envolventes, do Zé e da Isabel. Éramos todos crianças, e no tempo em que as acácias explodem de amarelo, morre-lhes a mãe. Talvez por isso, assim que cresceram e puderam dispor dos bens, desfizeram-se do sítio onde foram crianças felizes, e de forma trágica marcados pela dor.



Quem comprou foi um emigrante dos EUA. E depressa resolveu apagar qualquer sinal deixado pelos antigos donos. Erigiu muros aqui, garagens acolá. Muito azulejo, dourados e alumínios. Plantou cedros a substituir as figueiras. E, grande idiota, no lugar da ameixieira, onde trepei tantas vezes à frente dos rapazes, uma palmeira. E das roseiras silvestres, nem raiz...



E teve a lata de mandar desenhar em azulejo, o nome de "Casal do Paraíso". Só pode ser ironia. O paraíso enterrou ele sem dó nem piedade e com uma saloiice sem tamanho. Mas há mais...Ontem conseguiu o pleno. A cereja no cimo do bolo: junto ao portão preto e dourado da entrada com comando à distância, colocou um enorme mastro com uma bandeira de Portugal. Se ele metesse o patriotismo no ...



E nem falo dos cedros que plantou junto ao nosso muro e nos vão tirar todas as vistas para poente. Cretino. Filho da mãe.

2008-01-28

maior mal da humanidade:

Numa edição da revista "Visão" era citado D. José Policarpo a dizer que o maior mal da humanidade era o ateísmo. Se crermos no que diz S. João:"Deus é Amor", D. José tem razão.

Às vezes o amor...

diz-se: "Olá, ..." O dia 9 de Janeiro de 2008 foi bom? Acredito que sim. Tu fazes sempre por passar todos os dias bem. Tem uma boa noite."

Às vezes o amor...

diz-se: "Só ligo para saber como está." - Estou bem, obrigada! - "E as coisas como vão?" - Na mesma. Mais um exame, depois consulta...depois logo se verá. O resto segue igual. - "Continuo a rezar todos os dias. Não posso fazer mais nada. Mas acho que Deus não me ouve." - Claro que ouve. Onde é que vou buscar a força com que acordo todos os dias? - Sorri do outro lado e crê que a fé é possível.

quem responde?

"Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama da terra até Mim." (Gen 4,10)

Nestes dias, no Quénia. E não só!

2008-01-22

de um santo (perdão) vizinho ao pé da porta

9 horas: Dá entrada na fábrica, é santeiro, modela figuras de barro antes de serem cozidas no forno; quando as encomendas o exigem ajuda nos acabamentos: pintura, roupas, acessórios. É o seu trabalho e aborrece-o, ajuda a criar objectos industriais que algumas pessoas veneram, enquanto outras adoram mesmo.
18 horas: Pica o cartão, e regressa a casa. Toma banho e veste-se, com gestos graves, quase religiosos. É sexta-feira. No outro lado da cidade, a sua amante prepara-se para o receber, a comida encomendada está na cozinha e perfumou o quarto dos dois.
20 horas: Antes de sair de casa, massaja as mãos com santos óleos de Carolina Herrera. Guia ao encontro dela, cantarolando uma melodia romântica como se fosse um salmo. Ao tocar à sua campainha, sente uma alegria mística ao ouvir a voz amada no lado de dentro, e repete, para si, o versículo que adoptou de Blake: A nudez da mulher é obra de Deus.

in Estrada de Santiago

unidade dos cristãos - oitavário de oração

...Apesar de dilacerada em múltiplas voltas da História, os cristãos sabem que a unidade não é um desejo vão, pois têm como fundada razão da sua esperança a palavra de Jesus – «que todos sejam um» (Jo 17,21) –, pronunciada na antecâmara da Paixão. O desejo da unidade não esgota a força do seu dinamismo num justo e necessário movimento de purificação da memória, sempre pacificador, nem sequer no genuíno acolhimento do outro, tão enriquecedor na diferença, ou até na expressão mais viva do encontro fraterno, tornada patente na partilha da Eucaristia, única mesa de todos. Na verdade, tal desejo alcança o seu mais fundo sentido na missão, pois o mesmo Jesus, confiando ao Pai a unidade dos seus discípulos, logo acrescentou: «para que o mundo creia». ...

Porque ninguém é dono da verdade, aceita-se e exalta-se a diferença manifestada nos diversos grupos cristãos. A centralidade da unidade é manifestada em Cristo e não nesta ou naquela Igreja.

2008-01-15

eu acho que sim...

Por motivos vários, ando meio afastada das notícias de qualquer espécie. Mas li por aí, que o Papa Bento XVI, tinha feito o gosto ao dedo e celebrado de costas para os fiéis. Eu acho que sim! Que imagem poderá exprimir melhor o seu papel na Igreja?

"que não deixa que o medo tolde o mistério..."

...Ovelhas perdidas?Abençoado o pastor que perde as ovelhas e as reencontra todos os domingos na igreja, ávidas de caminhos. Sábio o pastor que não deixa que o medo tolde o mistério, e não escreve nos mapas "daqui prá frente há monstros"....

Em resposta às minhas incertezas a Helena escreve estas belas palavras. E mais outras...

a vontade de Deus

Todos os domingos a mensagem é sempre a mesma:"devemos fazer a vontade de Deus e não a nossa."

Assusta-me sempre este tipo de mensagem. Penso nos crimes que se cometeram ao longo da história humana, em nome da vontade de Deus.

Depois penso, que raio de deus é sempre tão claramente contra a nossa vontade, e nos criou para sermos uns "paus-mandados"?

Olho à minha volta, vejo gente com projectos de vida tão diferentes. Pergunto-me: todos eles sabem, a cada momento, o que Deus quer deles, ou andam tão à nora como eu?

A vontade de Deus não se expressa na criatividade humana, ou basta seguir todos os mandamentos e preceitos da Igreja e dormir em paz?

2008-01-08

sou uma das 99 ou sou a outra?

Vezes sem conta me diz:"Não sei o que vais fazer à missa! Se não ouves o que o padre diz..." Tento explicar, explicar. Mas a verdadinha é esta: a maior parte das vezes; nem eu, nem eu...

e não sabe ele da "missa metade"

...- A senhora está sentada sobre um barril de pólvora!
- Pólvora não que sou pacifista! Diga antes; "de qualquer modo, está f....."

2008-01-04

A Igreja e a sociedade: um casamento cada vez mais distante

Acredito que seja missão da Igreja salvar-nos da rotina dos dias. Já não creio que isso seja possível de forma absoluta.

Explico: a Igreja deve apontar-nos caminhos. Não pode colocar-nos neles, nem ignorar os diferentes passos de cada um.

Neste tempo de Natal, mais uma vez, Papa e bispos falam da família cristã ( homem, mulher unidos pelo sacramento do matrimónio, filhos) como se fosse a única forma de família e a viável para o bem da sociedade. Não é. Todos conhecemos, ao nosso lado, óptimas famílias que não são constituídas no modelo e semelhança que a hierarquia da Igreja Católica aponta.

Não quero que a Igreja abdique de anunciar o que tem como válido. Mas quero que ela olhe mais à sua volta (e nem precisa de sair de "casa"). Que olhe com olhos de ver. Que olhe com honestidade e verdade. Todos ganhamos.

2008-01-03

e mais um desejo:

é público e notório, que embora vivamos todos muito à superfície da vida, ansiamos por mergulhar nela de modo mais profundo. Não o conseguimos fazer sozinhos. Precisamos (porque estamos paralisados por muitas cadeias) que nos dêem uma "mãozinha". Precisamos de cuidado. Mas para cuidar é preciso saber olhar. Um "olhar que salva", é o que desejo para mim e para todos.

para 2008

É da praxe que se façam votos e tomem resoluções. Ponho em primeiro lugar, o desejo de mais sabedoria. Todas as coisas práticas que tenho de resolver e ultrapassar, desejo que sejam subordinadas a este bem maior.

Quero mais sabedoria para olhar o passado, viver o presente e esperar o futuro.

Para todos, desejo um Feliz 2008.

devagarinho

a paz vai rasgando o desassossego!