2008-05-24

Deus é amor

... Deus manifestou-se na visibilidade de um corpo humano.Dois banquetes marcaram o Ocidente: o Banquete, de Platão, e a Última Ceia de Jesus com os discípulos (quem se atreve a dizer, com fundamento real, que nela não participaram discípulas?). Ambos à volta do amor. Não é um banquete sempre expressão e vivência da convivialidade, da festa e do amor?

Na véspera da Paixão, antes de ser entregue à morte na cruz, Jesus, na ceia de despedida, tomou o pão e pronunciou a bênção, dizendo: "Isto é o meu corpo - a minha vida - entregue por vós." Tomou o cálice com vinho e disse: "Este é o cálice da nova aliança." E acrescentou: "Fazei isto em memória de mim."A missa é o banquete do testemunho do amor até à morte: "Não há maior amor do que dar a vida pelos amigos." O que se celebra na eucaristia é o Deus do amor. Jesus não morreu para pagar um resgate (a quem?, ao diabo?) ou para aplacar a ira de Deus. Se Deus é amor, não está irado com a Humanidade. Face a um deus que exigisse a morte do Filho só haveria uma atitude humanamente digna: tornar-se ateu. Mas Jesus não morreu porque Deus quis o seu sacrifício. Pelo contrário, morreu para testemunhar a verdade incrível de que Deus é amor...

Anselmo Borges, padre
in DN

37 comentários:

  1. Mulheres na ultima ceia. pois

    Não há nada no registo bíblico sobre a última ceia que indique a presença de mulheres nessa refeição. ( ha pois mas a nossa mente pode ser fértil) A agenda feminista é admiravel, alegando que a igreja primitiva, dominada por homens e liderada por pedro, teria se voltado contra maria madalena.

    ResponderEliminar
  2. homem sem fe nem nome,
    a biblia nao e a palavra de deus. e a palavra dos homens. a expressao da sua fe. e das suas limitacoes. foi a toda a hora reescrita e reinterpretada e assim continuara a ser. cabe nos agora a nos mulheres continuar a faze lo. se deus tem sexo e mulher. so uma mulher poderia dar a luz o mundo.

    porque perdes o teu tempo a tentar destruir pela razao aquilo que a fe nos diz?

    a igreja vai mudar. essa mudanca vai acontecer depressa. muitos terao dificuldade em aceita-la.

    homens de pouca fe.

    ResponderEliminar
  3. “cabe nos agora a nos mulheres continuar a faze lo. se deus tem sexo e mulher. so uma mulher poderia dar a luz o mundo”

    Ó mulheres de pouca fé. ( esta interpretação é feminismo puro,.) Em primeiro lugar concordo consigo, eu acho sinceramente que aqueles que não são católicos não deveriam exigir mudanças de uma Igreja a que sequer pertencem.

    Dizia o padre antonio vieira

    “Antes era preciso baptizar os convertidos. Hoje é necessário converter os baptizados”.

    Vocês confundem religião com politica, ou querem fazer da religião uma actiividade politica para resolver problemas.

    Na politica temos um problema resolvemo-lo não precisamos de ir procurar fundamentos por ai alem a priori, a não ser na constituição e leis existentes a solução cria os fundamentos. Na religião não é assim. Existem livros sagrados e práticas antiquissimas que é preciso e são valorizados. Uma solução de um problema que algumas pessoas achem que deva ser resolvido não pode ser feito sem essa análise dos textos e tradição.

    Vocês querem querem , Pronto , acham que se pode fazer como na politica queremos podemos. Mas esbarram com um obstaculo na religião. Saber se essa prática foi instituida pelo fundador e ideologo primeiro, e saber se nos textos sagrados há referência a essa prática. Não é a mesma coisa que vir um governo e revogar os decretos leis dos anteriores ou criar de novo o que não existe

    A conclusão é que não há. Nem cristo escolheu mulheres para apóstolos, nem escolheu uma para fundar a igreja, nem os apóstolos ou textos sagrados mencionam qualquer referência a elementos femininos, quer no A.T quer no N.T. oficializando cerimónias, nem ele era do sexo feminino. Portanto não há tradiçao não há textos sagrados a favor, mas contra, portanto resta só a vossa vontade moderna de mudança.

    Um estado não pode promulgar leis contra o disposto na constiuição existe uma hierarquia as leis inferiores tem que obedecer às superiores e acima de tudo à constiuição. Na questão da igreja não há qualquer referencia a elementos femininos mas masculinos , pode se abandonar o masculino e introduzir o feminio sem estar previsto ou contra o previsto? Eu acho que não, a hierarquia também e joºao paulo segundo pronunciou uma sentença definitiva sobre a questão

    Não tem a ver com ser contra ou a favor, mas com uma linha identitaria , uma fundação obedece aquilo que o fundador estipulou. Não quero dizer que a religião é uma fundação, só tirar uma conclusão. Não é machismo é coerencia. Mas podia ser criada a ordenação. Pois podia, só que a religião não é, nem funciona como a politica.

    ResponderEliminar
  4. Se não há registo de que havia mulheres, também não o há de que não havia.

    Depois a Última Ceia não é nenhuma ordenação presbiteral. É a festa do Amor, digamos assim. É o que se pretende que seja, hoje, cada Eucaristia.

    Os evangelhos foram escritos 40 anos depois da morte e ressurreição de Cristo. Não pretendiam ser relatos históricos, nem jornalísticos. Eram fruto da vivência da comunidade cristã e tinham destinatários muito específicos. Porque os problemas nasceram com a Igreja. E continuam...

    Na 1ª carta a Timóteo, temos um "Ofício" indicativo das qualidades do diácono. Pode ver que nele estão referenciadas as mulheres. Porque será?

    "Qualidades do diácono - 8*Do mesmo modo, os diáconos sejam pessoas dignas, sem duplicidade, não inclinados ao excesso de vinho, nem ávidos de lucros desonestos.
    9Guardem o mistério da fé numa consciência pura. 10Sejam também eles, primeiro, postos à prova e só depois, se forem irrepreensíveis, exerçam o diaconado.
    11*Do mesmo modo, as mulheres sejam dignas, não maldizentes, sóbrias, fiéis em tudo.
    12Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, capazes de dirigir bem os filhos e a própria casa. 13*Pois aqueles que cumprirem bem o diaconado adquirem para si uma posição honrosa e autoridade em questões de fé, em Cristo Jesus."

    Nos primeiros tempos da Igreja, o "Partir do Pão" era inserido no ritual judaico. Não haviam igrejas. Nos Actos refere que acontecia também em algumas casas de discípulos.

    Nos Evangelhos também vemos que Jesus (ao contrário da sociedade patriarcal em que estava inserido), não se coibia da convivência com as mulheres. E não só as que lhe eram próximas, mas também as do mundo "pagão".

    A ordenação presbiteral é um ministério de serviço. Não põe mais qualidade ao cristão baptizado. Logo, pode ser exercido tanto por homens como por mulheres.

    ResponderEliminar
  5. "Se não há registo de que havia mulheres, também não o há de que não havia."
    ha, so mencionam apostolos homens diga-me onde aparecem mulheres, sem ser intuição sua

    ResponderEliminar
  6. "Se não há registo de que havia mulheres, também não o há de que não havia."
    ha, so mencionam apostolos homens diga-me onde aparecem mulheres, sem ser intuição sua

    ResponderEliminar
  7. agora começa a interpretação a la carte. continue

    ResponderEliminar
  8. homem sem fe nem nome,
    se nao esta bem, mude-se. se tem a certeza daquilo que afirma, para que repeti-lo? deveria ser evidente...
    ninguem anda por ai a repetir que dois e dois sao quatro.

    tanta inseguranca, homem de pouca fe.

    ResponderEliminar
  9. Se quer ler a Bíblia em sentido literal, vai ficar confuso. Há relatos de Deus como um terrível castigador e relatos de Deus como um amor ainda mais sublime do que o das mães pelos filhos. Como o trecho de Isaías que hoje coloquei.

    No Genesis tem dois relatos diferentes da criação. Nos Evangelhos, os mesmos acontecimentos têm relatos diferentes. Há acontecimentos que uns relatam outros não. Quem falou verdade. Qual é o relato fiel?

    No Evangelho de Marcos o tema da Ceia começa por falar dos discípulos com quem Jesus queria celebrar a Ceia (Páscoa judaica) e acaba a falar em doze apóstolos. Então que fez aos outros discípulos?

    O número doze é referido pelos exegetas como um número simbólico (as doze tribos de Israel) a totalidade do povo eleito. Que Jesus deixou bem claro que é para todos os que o quiserem. Na comunidade de Jesus não há excluídos. Isto é que é importante. Nem pela côr, nem pela raça, nem pela nacionaliade, nem pelo sexo e muito menos pela religião.

    ResponderEliminar
  10. (“homem sem fe nem nome,
    se nao esta bem, mude-se. se tem a certeza daquilo que afirma, para que repeti-lo? deveria ser evidente...
    ninguem anda por ai a repetir que dois e dois sao quatro.
    tanta inseguranca, homem de pouca fe.”)

    concerteza minha cara senhora, agora percebi perfeitamente a sua contra argumentação e é de facto brilhante desarmou-me mesmo. fez-me ver o que eu não via. estava ceguinho sobre se deus tem sexo e mulher e a luz do mundo, e como eu costumo dizer não ha pior cego que aquele que arranca os olhos para não querer ver.

    ResponderEliminar
  11. Se quer ler a Bíblia em sentido literal, vai ficar confuso.

    deixe-se acusar os outros de literalidades ninguem interpreta literalidades, mas ninguém é cego ao que la esta, se voce quer interpretar a sua maneira optimo. lutero foi o primeiro a dizer isso.

    ResponderEliminar
  12. e lutero era um homem sério, bem mais sério do que os papas que vendiam indulgencias para satisfazer os seus caprichos,

    homem sem fé nem nome.

    as mulheres são a maioria. só tem de deixar de cozer as meias dos sacerdotes.

    politica? a biblia foi escrita por homens e os homens emprestam uma dimensao politica a tudo o que fazem. a historia de adao e eva tem uma dimensao politica. porque e que so os homens podem fazer politica?

    habitua te a mudanca, homem de pouca fe.

    ResponderEliminar
  13. grande joana agora sim, vem ai a mudança. e o mesmo homem que acbou de perder a pouca fe que ainda tinha

    ResponderEliminar
  14. Há uns anos fiz um curso bíblico, orientado por um padre formado em Sagrada Escritura. Um curso normalíssimo que a Igreja da minha diocese põe à disposição de quem o quiser fazer.

    Era um grupo bem curioso. A maior parte bebeu com grande entusiasmo a nova luz que recebia na formação. Mas havia um católico da minha comunidade que todo se coçava na cadeira a cada coisa que o padre formador dizia. Primeiro ainda esbracejava e contestava mas acabou por calar-se. Aguentou firme três anos (o tempo de duração do curso). Um dia, falando com uma pessoa que era amiga dele, veio à conversa o desagrado que ele tinha manifestado no decorrer do curso. E eu perguntei: mas porque aguentou os três anos?
    - "Porque lhe estava a custar dinheiro". (o curso era pago do nosso bolso, como é lógico)

    Eu achei que só mesmo um católico fundamentalista, para andar contrariado e a gastar dinheiro numa coisa de que não tira prazer nem proveito. É o espírito de renúncia, de culpa, levado a um extremo desumano.

    Pergunto-lhe a si: que o faz andar por aqui a ler o que coloco no blogue?
    É masoquista?
    quer chatear-me? Não consegue. Só me pode ofender quem me acarinha. E esses já estão perdoados de antemão.
    Quer converter-me às suas ideias? muito obrigada, mas dispenso-as.

    ResponderEliminar
  15. achei o primeiro comentário da joana confuso...mas os outros estão muito bem.

    Bem vinda ao clube! Não era preciso ser mulher. Um homem com tudo no sítio, diria o mesmo.

    ResponderEliminar
  16. não, so quero chatear os catolicos. ve-se que percebe bem o que as pessoas escrevem. entendi a mensagem

    e sem direito a contra resposta

    ResponderEliminar
  17. olhe, vou mas é fazer um cházinho e provar uns bolinhos que ali tenho. :)

    e a cruzada contra os católicos está inserida em que página da sua agenda?

    ResponderEliminar
  18. Obrigada MC,
    parabéns pelo blog.

    ResponderEliminar
  19. homem sem nome nem fe,

    para argumentar e preciso acordar se um ponto de partida. queres impor me o teu. nao vou por ai.

    mesmo assim ainda se pode argumentar. na igreja, nao andando a costurar a roupa dos padres nem a dar dinheiro para obras sobre as quais nao podemos depois opinar. vamos a ver se depois podemos opinar ou nao.

    nao sera preciso ir tao longe como foram as sufragistas, que bem tiveram de lutar para nos podermos votar.

    o mundo vai continuar a mudar.


    por muito que tal custe a homens de pouca fe.

    ResponderEliminar
  20. Como é que alguém pode ser tão parolo a ponto de escrever

    "e sem direito a contra resposta"?

    Se fosse o dono do blogue, até podia apagar as respostas. Tiques pidescos,
    trinta anos mais tarde? Acorde, homem!

    ResponderEliminar
  21. Desculpem-me lá, mas eu disse que não daria contra resposta o que quer dizer que me ia e vou retirar pois a ignorancia argumentativa campeia por aqui. mas perante ataques soezes que me foram feitos resta me esclarecer

    Primeiro ponto da discussão

    “e a Última Ceia de Jesus com os discípulos (quem se atreve a dizer, com fundamento real, que nela não participaram discípulas?)”.

    perante isto eu contra argumentei

    (“Não há nada no registo bíblico sobre a última ceia que indique a presença de mulheres nessa refeição. ( ha pois mas a nossa mente pode ser fértil) A agenda feminista é admirável”)

    ninguém rebateu o que eu disse veio meia dúzia de tretas de outros trechos biblicos mais umas bacoradas de que

    “a biblia nao e a palavra de deus, “ “as mulheres são a maioria. só tem de deixar de cozer as meias dos sacerdotes.” “a historia de adao e eva tem uma dimensao politica. porque e que so os homens podem fazer politica?”

    se isto tem a ver com o que eu disse vou ali e já venho, quando disse que a Joana me tinha desarmado foi escarnecendo da sua argumentação rasca. E ai nenhum trecho bíblico diz o contrario do que eu disse essa é que é essa. Na ultima ceia foi instituida a eucaristia, não como vocês querem mas como esta nos evangelhos.

    Já agora acrescento que vocês e todos nós havemos de passar e a igreja há de continuar a ser o que sempre foi, leia a sentença de João Paulo II sobre o assunto lançou uma pedra. Deixem lá as vossas frustrações ( de vida ) ou de mudar o mundo e vivam a vida.

    Já agora ON o não exercer direito de contra resposta significa que me ia retirar e quando assim é argumenta-se mas sabe-se que o adversário não quer mais responder aquilo que vier a ser contestado no que ele disse, como pessoas civilizadas isso serve para não lançar ataques baixos na argumentação pois não terá resposta. Aprenda homem.

    ResponderEliminar
  22. "Sem direito a resposta" significa que não vai responder, em que língua?

    Se significa que se vai embora, então porque é que não foi?:)

    Vá lá, deixe de dizer essas coisas. Já se desdisse duas vezes. Já chega.

    ResponderEliminar
  23. “a biblia nao e a palavra de deus. e a palavra dos homens. a expressao da sua fe."

    é uma bacorada dita e repetida pelo padre carreira das neves, professor da universidade catolica. um iletrado.

    os trechos biblicos foram escritos por homens e são a a expressão da sua fé. ninguem esteve la para ver a mulher da sair da costela de adao. ou esteve?

    isto nao se vai decidir com argumentos mas atraves da luta na vida de todos os dias. a igreja vai continuar a mudar. como sempre mudou. so que mais e mais depressa.

    ResponderEliminar
  24. joana,

    não lances mais confusão que não faz cá falta nenhuma. :)

    A Bíblia foi escrita por homens e é a expressão da sua fé. É o que o Carreira das Neves diz.
    Nunca o ouvi dizer nada em sentido inverso.

    Foi inspirada por Deus. Pois foi, como é toda a vida humana. Para um crente é assim.

    Os argumentos são importantes. Todos os avanços e recuos na história da Igreja foram largamente debatidos, com umas fogueiras e umas cabeças cortadas à mistura, mas foram.

    É necessária a acção e a discussão. E de oração que é expressão da própria vida.

    ResponderEliminar
  25. anónimo,

    não liguei nehuma à sua referência a JP II, porque ele foi apenas um papa entre vários que já houve e hão-de haver.

    A carta dele sobre esta matéria vale o que vale. É a expressão de a grande maioria do magistério actual. Mas o que valerá amanhã?

    A Igreja bem se tenta proteger daquilo que ela chama "o mundo", mas ele está aí a bater à porta. As sociedades mudam e a Igreja inevitavelmente também.

    ResponderEliminar
  26. MC,
    o nosso homem sem nome nem fé achou que afirmar que "a biblia nao e a palavra de deus. e a palavra dos homens. a expressao da sua fe."
    era uma bacorada. lembrei-lhe que essa bacorada já era dita pelo padre c das neves.

    ResponderEliminar
  27. O ON você passou a OFF, desculpe la mas desliguei-me, e deixei de o ouvir, a musica é sempre a mesma, vá la não esperneie e porte-se bem.

    (“não liguei nehuma à sua referência a JP II, porque ele foi apenas um papa entre vários que já houve e hão-de haver.

    A carta dele sobre esta matéria vale o que vale. É a expressão de a grande maioria do magistério actual. Mas o que valerá amanhã”)

    Boa vai ela com este pensamento. Quem não percebe mais diz isto.é que na igreja ao contrário da politica e dos governos, os seus representantes tem como missão que é dessa “fundação” a sua gerência respeitando os compromissos de pensamento e de fé dos seus antecessores, não fazem como os governos que revogam as leis dos antecessores ou criam leis novas. Se não percebe isto e que há uma continuidade identitária não percebe nada e só tem da religião uma mera visão politica.

    Depois diz
    (“A Igreja bem se tenta proteger daquilo que ela chama "o mundo", mas ele está aí a bater à porta.”)

    Sempre esteve, ha dois mil anos que isso acontece, mas acontece que os fundamentos e a doutrina não foi instituida pelos homens, mas por um homem o nazareno.

    (“O Governo da Igreja (Bispos e Fiéis)
    "Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho, sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a Igreja de Deus a qual santificou pelo seu próprio sangue" (At 20, 28)
    "Quem vos ouve, a mim ouve; quem vos despreza, a mim despreza; e quem me despreza, despreza aquele que me enviou". (LC 10, 16)

    Nosso Senhor escolheu, entre seus inúmeros discípulos, apenas doze Apóstolos, (Mt. 10, 2-4).

    Instruiu-os duma maneira particular, desvendou-lhes o sentido das parábolas que as turbas não compreendiam (Mt. 13, 2)
    e associou-os à sua obra mandando-lhes que pregassem o reino de Deus aos filhos de Israel (Mt. 10, 5, 42).
    Deste modo, chegamos, de geração em geração, aos tempos apostólicos. Desde o primeiro alvorecer do cristianismo, os Apóstolos desempenharam a dupla função de dirigentes e pregadores. Escolheram Matias para ocupar o lugar de Judas (At 1, 12, 26). Instituíram diáconos nos quais delegaram parte dos seus poderes (At. 6, 1, 6).”)

    Tudo o resto que voce diz é poesia. Bonito mas não vale nada, dizer que o que fez João paulo II vale o que vale, é de uma leviandade tremenda. Como se ele fizesse isso porque lhe apeteceu num ataque de conservadorismo ou de birra, e não fosse uma questão de doutrina e de fé, e como se os seus sucessores não venham a professar dessa mesma doutrina e fé.

    Já agora como argumento religioso para esta questão, diga se ha algum evangelista que tenha sido conviva do nazareno, pense e se chega a conclusão positiva, tem uma testemunha presencial, não circunstancial, o que lhe da um valor acrescido e que escreveu sobre a ultima ceia.

    Outra questão

    É triste de mais mas é verdade, não ha argumentos a nivel religioso, vem então as sufragistas a liça: nós queremos, nós queremos, nós queremos, nós também queremos, e nem depois de eu ter demonstrado num comentário, que religião não é politica, mas que ao contrario a religião procura influenciar a politica .

    Vamos la mais uma vez, quando eu falei em fundação não foi por acaso mas para alguém foi por acaso pois não entendeu patavina, não sei e é me indiferente que as pessoas saibam ou não embora possa demonstrar alguma coisa, o que é uma fundação. Como se institui, e como se gere. Bem uma fundação uma vez definida essa intenção pelo seu cirador fixados os fins e criados os estatutos ganha “vida” autonoma fica acima da vontade das pessoas inclusive do seu criador que não a pode modificar, a vontade das pessoas não conta o querer não conta, conta o que esta estatuido, é gerida pela vontade do fundador e não pela vontade das pessoas. Ao contrário nas sociedade podemos criar os estatutos, modifica-los, extinguir a sociedade etc etc . esta na vontade das pessoas a acção, não na do criador da sociedade.

    Na religião o fundador o nazareno, instrui os seus apostolos doutrinou-os e escolheu um para fundar a sua igreja, e esta passou a ter vida independente da vontade dos seus componentes, ou seja a vontade do criador. Ao definir a sua igreja plasmou a sua organização e orientação que ficou acima da vontade das pessoas que a compõem qualquer modificação, tal como nas fundaçoes. Se usei esta analogia é para ver se se entende alguma coisa do ridiculo das sufragistas.

    Depois vem argumentações que não se deve ir para o campo do adversário numa discussão. De certeza o tio olavo de carvalho sorriu, o que eu acho ridiculo como argumento. Numa discussão discute-se o que esta na ordem da discussão, em cima da mesa e não se fazem argumentaçoes laterais e bacocas.

    Depois as sufragistas quando atacam a religião partem logo os dentes porque não conhecendo de antemão esta distinção, pensam como politicas que estão a lidar com politicos, que estão a pressionar o estado, onde essa pressão pode ter efeitos porque os governos mudam as ideologias mudam a sociedade muda os costumes mudam e todos nos podemos exercer um cargo na politica e influenciar essa mudança com as nossas ideias, aborto divorcio etc etc. tiveram efeito no estado mas não na religião na igreja.

    Depois na igreja ha textos sagrados e tradição, não ha textos nem tradição de oficializantes femininos não só catolicos mas protestantes, evangelhicos, igrejas universais, luteranos anglicanos etc.

    As sufragistas não percebem que um cargo na politica pode ser exercido por qualquer um de nós, mas um cargo religioso não pode, Só quando as sufragistas raparem o buço e começarem a entrar nos seminarios eu entenda a mudança, até lá resta-lhes os conventos uma vez rapado o buço.

    ResponderEliminar
  28. :)
    Se as mulheres se têm de conformar com a situação e não podem fazer nada, porque é que este senhor gasta o teclado a tentar convencernos disso?

    ResponderEliminar
  29. grande argumento

    (":)
    Se as mulheres se têm de conformar com a situação e não podem fazer nada, porque é que este senhor gasta o teclado a tentar convencernos disso?")

    May 26, 2008 10:47 AM

    cada vez me convenço mais que as mulheres devem mesmo ir para la.

    ter cerebro é uma coisa maravilhosa todas as pessoas deviam ter um.

    para que se manifestam se não dizem nada, é so para dizer que estão ai?

    é porque ha mulheres que pensam que são catolicas e não sabem o que é a igreja. valha-nos deus.
    é melhor dar o salto daqui para fora

    ResponderEliminar
  30. Rita,
    as razões dele são inconfessaveis. É tão bonito ver um homem apaixonado...

    ResponderEliminar
  31. olha a laura chegou, vou-me ja embora pode trazer umas algemas

    ResponderEliminar
  32. Não vá fazer aquilo, que é pecado.

    ResponderEliminar
  33. se voce o diz, acredito nas sacerdotizas

    ResponderEliminar
  34. curioso, ele não nega que está apaixonado.

    ResponderEliminar
  35. é claro que não, não se nega o que não existe, voce ja viu isso? estas argumentaçoes poem me cada vez mais estupido.

    ResponderEliminar
  36. e ja o encontrei. continue a festa que eu vou ver se chove la fora

    ResponderEliminar