2008-07-12

a esperança que nos anima:



Eis o que diz o Senhor:“Assim como a chuva e a neve que descem do céu e não voltam para lá sem terem regado a terra, sem a terem fecundado e feito produzir, para que dê a semente ao semeador e o pão para comer, assim a palavra que sai da minha boca não volta sem ter produzido o seu efeito, sem ter cumprido a minha vontade, sem ter realizado a sua missão”. (Is 55,10-11)


Aos que crêm num Deus omnipotente, que de modo mágico resolva todos os problemas da Terra e sentem a desilusão, aos que, desiludidos por não verem os seus esforços de bondade, mansidão, paciência e entrega humilde, desistem de esperar, e, ainda, aos que se entregam à descrença porque os olhos do corpo, a luz da racionalidade, não lhes obtém "ver" Deus, o profeta dá uma palavra de alento.

Mesmo que não se vejam, no imediato, os resultados dos esforços empreendidos, nos caminhos da fé, da esperança e da caridade, um dia, oportunamente, - quando um "novo céu e uma nova terra" tiverem surgido, não haverá mais lugar à dúvida e ao desalento. Crer nisto - é viver já em eternidade.


Sem comentários:

Enviar um comentário