2008-08-28

os limites do sagrado...


São por demais conhecidos os conflitos que surgem de cada vez que alguém ousa usar algum elemento, do que convencionamos chamar de sagrado, para fins não religiosos.

As opiniões dividem-se sempre entre o respeito a uns e a liberdade de outros. É absolutamente impossível viver em sociedade e não respeitar alguns limites. Mas nesta discussão, as razões dos que se sentem ofendidos, são muitas vezes, completamente rídiculas.
Há dias, em Itália, tiveram que retirar umas esculturas de dois nús de figuras bíblicas, porque estavam no trajecto onde iria passar uma procissão. Agora é um tribunal do Rio de Janeiro (depois dos protestos dos hierarcas católicos) que impede que se publique um número da Playboy onde aparece a menina Carol Castro vestida com um terço. Não é um terço vestida, é um terço daqueles de contas, com que os católicos rezam os "Pais Nossos e as Avé Marias". Ai, nosso pai...a menina tem um corpinho que não ofende ninguém.

15 comentários:

  1. Se é a da fotografia, tem ali uns "pais nossos" de se lhe tirar o chapéu!

    ResponderEliminar
  2. E depois somos nós, os gnósticos, que temos a fama de não gostar do corpo material :)

    ResponderEliminar
  3. Já esse vestido tenho de convir que se aproxima do ofensivo...

    ResponderEliminar
  4. lino,

    se vires a menina vestida só com as suas tatuagens, não vais tirar só o chapéu...

    ResponderEliminar
  5. gnóstico,

    pegas numa ponta do novelo que seria bem interessante desenrolar. Eu não tenho conhecimentos para isso.
    Para já resumo assim: as várias correntes religiosas não são tão estanques como querem dar a entender. Cruzam-se e entrecruzam-se: umas influenciam as outras e vice-versa.

    Nunca ninguém quer ficar com a fama, mas vão tirando proveito.

    A mim faz-me imensa confusão esse desprezar do corpo material. É, por acaso, alheio ao sagrado?

    ResponderEliminar
  6. rita,

    revi algumas fotos da menina e decidi que este era o atavio mais ofensivo. ;)

    ResponderEliminar
  7. Pois MC... dentro da minha perspectiva nada do que é material pode ser superior ao espiritual - é constatar as limitações do mundo em que vivemos. Mas entre a imperfeição inevitável do material e o "mal" do pecado cristão vai uma grande diferença.

    ResponderEliminar
  8. gnóstico, provavelmente falamos das mesmas coisas, com linguagens um pouco diferentes.

    Que diz o gnosticismo sobre o pecado cristão?

    ResponderEliminar
  9. Vamos ver se consigo navegar as águas do mito para dar uma imagem correcta. Essencialmente a visão gnóstica não tem espaço para a ideia de pecado. Os mitos não relatam qualquer falta do Homem primordial (vulgo Adão e Eva), antes pelo contrário louvam a sua audácia ao desafiar um tirano e a sua aceitação do conhecimento, gnose - e também a serpente pelo seu presente. O que existe é a noção da imperfeição da matéria, criada por um ser inferior (o tal meio criador, demiurgo) na ignorância da verdadeira luz toda a criação está crivada de problemas que apesar de poderem ser lidados de forma mais ou menos positiva não podem ser resolvidos na sua essência - e isto é uma constatação da realidade onde vivemos onde jamais fomos capaz de suprimir a morte, o sofrimento, a pobreza, o conflito, etc.

    Nesta situação a gnose é o elemento de salvação e a ignorância a causa de todos os males. No sentido em que todos costumamos deixar as nossas decisões pendentes de critérios meramente materiais podemos, num contexto gnóstico dizer que pecamos. Não num contexto tradicional cristão mas no sentido original da palavra pecado (harmatia em grego quer dizer falhar o alvo ou não atingir o objctivo). Ao ignorar as realidades divinas estamos a passar ao lado dos nossos objectivos reais enquantos seres humanos.

    Espero não ter sido demasiado confuso mas realmente o tema de simples não tem nada :)

    ResponderEliminar
  10. plaboy é softporn.
    pornografia soft.
    pornografia - publicidade à prostituição
    incentivo à prostituição ou ao consumo à prostituição

    ResponderEliminar
  11. Que lógica mais confusa a deste anónimo. E que panca em tentar controlar a moral do vizinho.

    ResponderEliminar
  12. gnóstico,

    não vou responder já ao teu comentário (embora ele seja bem claro), hoje estou um bocado cansada para isso. Estou a pensar colocar mais uns textos sobre o início da Criação, pecado original, salvação, inferno...

    Mas deixo a indicação para um texto que eu descobri por acaso e de forma simples e explícita, fala do pensamento da Igreja católica e da sua evolução sobre os conceitos de culpa, pecado das origens, redenção do Homem.

    O meu pensamento (e profissão de fé) sobre estas matérias, é coincidente com a formulação da Igreja. Mesmo com a formulação oficial. Mas como nesta vida nada é absoluto, tudo é continuamente aferido pelas vivências do dia-a-dia, e o estudo teológico é dinâmico, vai-se percebendo que as verdades o são desde o início, a nossa compreensão delas é que tem um caminho a percorrer. Daí termos de ir aferindo o que já sabemos e as novas propostas que sempre nos surgem.
    No dia em que alguém me disser que a doutrina católica é um assunto "fechado" eu mando tudo às "urtigas". Porque uma coisa é a Verdade (Deus) e outra é a formulação que ousamos fazer. E há quem ouse muito pouco.

    aqui fica o link:www.revistapiaui.com.br/artigo.aspx?id=342&anterior=112006&anteriores=1

    Ah, e na Igreja católica essa também é a significação de pecado, traduzida do grego.

    ResponderEliminar
  13. o anónimo? não te rales. se é a minha visita do costume, é só mais do mesmo. Nem com umas férias conseguiu arejar as ideias.

    O meu pai na fé Agostinho, também virou um puritano ferrenho, depois de andar a usar o "corpo material" a torto e a direito.

    Estes puristas mostram uma grande falta de segurança. Não "o" devem ter feito, mas morrem de medo de fazer. Será medo do inferno? Mas parece-me que a vida deles não é propriamente um paraíso...

    ResponderEliminar
  14. Daaa-sssee! Que raio de caixa de comentários na véspera do 26º aniversário da minha filhota que me encomendou um almoço que leva cerca de 3 horas - 3 - a preparar.
    Mas replicando-te, MC, se visse a menina só com as tatuagens, além de tirar o chapéu da cabeça de cima tinha de pôr uma gabardina na "cabeça" de baixo, mesmo que viesse a não servir para nada por possível falta de inflanço.

    ResponderEliminar
  15. lino,


    ficas assim atrapalhado com a preparação de um almoço de três -3 - horas?

    és fraquinho. :(

    e tímido...caramba, pá. tu que estás a entrar na idade dos mauzões.


    Um beijo para ti e um grande para a filhota. Muitos parabéns aos pais e à filha.

    ResponderEliminar