2008-10-18

A Bíblia

Afinal, a Bíblia escreve sobre a história dos homens, no seu melhor e no seu pior, na busca do absoluto. É preciso entender que ela é um livro religioso e não científico e só no seu todo é que se reclama da verdade. Ora, se toda a religião tem como ponto de partida e de "definição" a pergunta essencial: o quê ou quem traz libertação, salvação, sentido final?, então, quando se pergunta pelo fio hermenêutico essencial e decisivo para a interpretação correcta dos livros sagrados, ele só pode ser o do sentido último, da libertação-salvação total. Só a esta luz é que são verdadeiros. Em tudo o que neles se encontra de menos humano ou até de desumano, revela-se o que Deus não é e o que o Homem não deve ser.

Anselmo Borges in DN

4 comentários:

  1. acho que toda a leitura que se faz da biblia é a de um livro religioso...

    é por isso que acaba por ser um livro ambiguo, porque pode ter várias leituras.

    abraço MC

    ResponderEliminar
  2. Luís,

    se leres o artigo todo do Anselmo Borges, percebes melhor o sentido do excerto que cito.

    Sabes que nem sempre se leu a Bíblia apenas como livro(s) religioso. Pretendia-se com a sua leitura validar outros saberes.

    Ainda há quem teime em ler a Bíblia de modo literal (defendendo que é inspirada por Deus) e sem ver essa ambiguidade, por exemplo,do modo como fala de Deus.

    Cada um pode fazer a sua leitura. è bastante rica para isso. Para um crente será um lugar de encontro com Deus.

    Abraço, Luís. :)

    ResponderEliminar
  3. O que eu acho é que no fundo os cristãos ainda não ultrapassaram a armadilha do literalismo... a limitação de fontes de revelação, a interpretação "oficial", a retórica "baseada" no que é escrito, as birras sobre detalhes de tradução... o Divino não devia estar limitado nestas coisas.

    ResponderEliminar