2008-10-26

um pouco surpresa

com a referência às mulheres, nas propostas finais do Sínodo. Na Igreja Católica, tratadas como seres invísiveis, repara-se, enfim, que de modo próprio “sabem suscitar a escuta da Palavra, a relação pessoal com Deus e comunicar o sentido do perdão e da partilha evangélica”.

E um pequeno(grande) passo: que “o ministério de leitor seja aberto também às mulheres, para que na comunidade cristã seja reconhecido o seu papel de anunciadoras da Palavra”.

notícia - www.ecclesia.pt/

9 comentários:

  1. como sou muito céptica em relação aos senhores de mitra, fico a aguardar sentada que as mulheres sejam investidas no ministério de leitor(a). É que isso pode provocar-lhe outros desejos. Espero desmentir-me a mim própria ainda nesta vida.

    ResponderEliminar
  2. Falta ainda ver como esta proposição será assumida na exortação pós-sinodal.
    Mas não deixa de ser surpreendente (e muito).
    E só de assistir à malta da Tradiland a rabiar, já dou por ganho o dia. :)

    JS

    ResponderEliminar
  3. Outra boa notícia foi o anúncio da viagem papal a África, nomeadamente Camarões e Angola.
    Imagino já o êxito da recepção, ao som do kuduro. Talvez os Buraka Som Sistema queiram dar uma mãozinha... :)
    Entretanto, sugiro a previsão de Os Contemporâneos: http://www.youtube.com/watch?v=Mj6AGJnduxA

    JS

    ResponderEliminar
  4. Olá, JS

    pois falta. como se diz na minha terra:"até ao lavar dos cestos é vindima".

    Parece que se falou muito em crise no Sinodo (que honestamente não sei se mereceu o trabalho e despesa que deu). Da Europa já não devem ter muitas esperanças para a Igreja, viram-se agora para África. Daí a visita papal. E falaram também muito de seitas, em África parece que proliferam. Há que ir certificar o rebanho.

    Não ignoro o trabalho feito com muita generosidade da parte de tantas congregações e leigos católicos em África. Mas talvez fosse igualmente eficaz e necessário algum trabalho da parte do Vaticano (que sirva para alguma coisa)junto dos governos africanos e ocidentais.

    Os Buraka, sim senhor! :) vou ver a tua sugestão. Os contemporâneos continuam com algum programa na TV?

    ResponderEliminar
  5. A igualdade sexual sempre foi algo que distinguiu os gnósticos dos cristãos nos tempos em que disputavam "território" - a ortodoxia nas palavras de tertuliano e Ireneu sempre ficou muito chocada pelas igrejas gnósticas aceitarem pacificamente mulheres como sacedortes e Bispos. Nada de novo...

    ResponderEliminar
  6. Ministério de leitor? Até na minha aldeia minhota são as mulheres (jovens, por sinal) que exercem o mistério da leitura e cá na paróquia cerca de 80% dos leitores são mulheres (a minha até coordena uma equipa). Onde é que esta gentalha vive?

    ResponderEliminar
  7. séculos e séculos e nada de novo...e as mulheres passivas. Ou desistem ou submetem-se...e eu nem posso falar muito.

    ResponderEliminar
  8. lino,

    toda a gente sabe que são as mulheres que suportam em grande número e dedicação a Igreja.

    Mas aos chamados ministérios menores, como o de leitor(a), não têm acesso. É destinado aos vatões. Na prática, neste momemto, só os seminaristas o recebem.

    ResponderEliminar
  9. Os Contemporâneos continuam com o programa. Apenas mudou o dia de emissão. E tem dado em repetição.

    Quanto ao Sínodo, os temas mais polémicos acabaram por ficar arrumados a um canto. O que até foi bom, porque senão, ainda estavam por lá a discutir. A coisa ainda não está suficientemente madura para ser enfrentada. O Papa tomou a iniciativa de travar a discussão logo no início, lançando para a mesa um princípio irénico; e o pessoal lá se voltou para as questões pastorais...

    JS

    ResponderEliminar