2009-12-30


Queridos Amigos e passantes deste jardim, votos de felizes festas e muita alegria. Sendo que, a verdadeira festa, começa sempre de dentro para fora.

que tragédia

E eu lamento estas declarações infelizes. Não vem aí drama nenhum, nem calamidade, nem castigo divino. Dar maior dignidade a um grupo de pessoas, só pode valorizar toda a sociedade.

nem mais!

Desde João Paulo II que os papas se tornaram uma espécie de pop stars. É por isso natural que de vez em quando lhes queiram limpar o sebo, e o que aconteceu ao Lennon ia acontecendo ao Wojtila. Agora foi Bento XVI que foi vítima de uma groupie. Eu vi e digo-vos: aquilo foi um mosh. Mas com fãs como esta, até tem óculos à irmã Lúcia, como se pode exigir que os altos dignitários do Vaticano queiram o casamento dos padres?

José de Pina, no i

2009-12-27

são famílias ponto

La pareja A
no tiene descendencia. Se plantearon en su día la fecundación in vitro, pero desistieron al cabo del tiempo y optaron por la adopción. En el contexto japonés, esto es atípico, porque la sociedad ve con prejuicio la esterilidad, exagera la vinculación genética y no favorece la adopción. Pero esta pareja es normal y corrientes. Ella, como bioeticista, y él, como ginecólogo, ayudan a parejas que eligen un programa de reproducción asistida; pero en su propio caso, por razones personales, han hecho otra opción por la que no se sienten acomplejados. Y tienen derecho a que se les respete...
La pareja B
tiene tres hijas y un hijo. Tener más de dos es completamente atípico en Japón; pero el ser atípicos no les impide ser una familia normal y corriente, en el mejor sentido de la palabra. Crecen y dejan crecer. Y tienen derecho a que se les respete.
La pareja C
no tiene hijos. Son una pareja estable de igual sexo. Hubieran querido una adopción para formar familia homoparental, pero tropezaron con dificultades legales. En el entorno social son indudablemente una pareja atípica, porque la sociedad no se ha liberado de prejuicios contra las parejas de igual orientación sexual y no ve bien este tipo de uniones; pero la comunidad católica con la que comparten la eucaristía no discrimina, conviven allí normal y corrientemente.Y tienen derecho a que se les respete...
La pareja D
es un caso que merece narrarse con más detalle. Bauticé al bebé de la inmigrante surasiática en Tokyo. Abandonada por el marido en su país, trabajaba en un bar y ahorraba para enviar dinero a su madre. Queda embarazada de un cliente japonés, que le exige aborto, pero ella no quiere, desea dar a luz a la criatura. Él se desentiende y la abandona. En su cuarto realquilado y estrecho, veinte personas apretujadas compartimos una pobre comida para celebrar el bautizo del bebé que vió la luz en familia monoparental. Ella conoce meses después a un chico de su país, trabajador en Tokyo, de la misma iglesia y también separado. Él la acepta como es, con su criatura. Merecería llamarse José. Habrá nueva boda. Dice el párroco: ¡Vaya lío sobre los papeles, esto no hay manera de que lo aprueben los canonistas! (“ratos y consumados” los matrimonios anteriores, y por la iglesia ambos). Responde el coadjutor: Pero es la vida. E ironiza ante el teólogo: ¿Qué dicen tus alumnos seminaristas en el examen ante un caso como éste? Pero el teólogo era un dinosaurio postconciliar y contesta: No se arregla con papeles, sino con sentido común y evangélico. ¿Y si frunce el ceño algún doctor en cánones, graduado por universidad integrista? Pues le echamos un latinajo para calmarlo: diremos que se arregló in foro conscientiae, como decía el P. Häring; o sea, que lo que no se puede arreglar de otro modo, se arregla ante Dios en el foro de la conciencia, porque “Dios quiere que vivamos en paz”, como decía Pablo (1 Co 7,15).

Juan Masiá Clavel

verdadeiramente

Qualquer apelo à defesa da família, não pode esquecer que "cada família é sagrada por aquilo que é". Melhor é sempre possível. Mas só o é, construindo interiormente, e não impondo modelos ou ritmos exteriores.

um rumo para a Igreja


A Igreja Católica tem uma mensagem para o mundo: Jesus Cristo. Para a anunciar tem de renunciar a qualquer pretensão de poder. Só no diálogo com o mundo a Igreja encontrará o seu espaço vital. "A única forma de proclamar a Boa-Nova do Deus Trino é através da conversa. O meio é a mensagem. Agir de outra forma seria espancar as pessoas para que se tornassem pacifistas".

"A fé em Cristo significa que veremos o mundo de um modo diferente das pessoas que estão enredadas no mundo do mercado e na cultura contemporânea do consumismo. Veremos o mundo em termos de bençãos, gratidão e indícios de transcendência.

Mas "às vezes a Igreja é tentada a ficar nervosa e defensiva demais" e vacila perante as diversas formas de ateísmo como se ela própria não fosse um espaço de procura e busca de Deus.
A Igreja só fará caminho quando aceitar as diferenças e dialogar; sempre.



itálicos da entrevista de Timothy Radcliffe
à IHU, sobre o tema: Igreja

gratuidade do crer

“Senhor, estou aqui à espera de nada.”

Acho que posso dizer que vivo na dependência de Deus. Jesus Cristo é o objecto da minha fé. Com todas as minhas falhas e incertezas, procuro que a sua humanidade se torne inspiração para a minha. Mas peço a Deus a liberdade e a gratuidade necessárias ao amor.

José Tolentino Mendonça,
aqui

2009-12-22

Feliz Natal


NATAL

entrai, irmãos, nas portas deste dia santo
o Deus-Medusa tornou-se o Deus-Menino
o Nome tornou-se o Filho,
a Imagem, a Glosa-Ícone

entrai com os pastores
e os Magos,
contraponde à obscuridade da noite
do coração

as visões dos vossos votos imperfeitos
entrai na aura deste dia
que como o de Páscoa
é já êxodo: impossível apropriarmo-nos de Deus

dê-nos o Invisível
a graça de admirar
de fazer cantar a alma
e de voltar ao caminho
para acolher a Imagem feita carne
no meio de nós


José Augusto Mourão

2009-12-19

uma questão de prioridades

Se temos hoje instrumentos para combater as formas extremas de pobreza, continuamos estrangulados por níveis salariais que fazem dos trabalhadores uma parte importante dos pobres. É isso que está em causa com aumentos do salário mínimo acima dos dos médios.

Pedro Adão e Silva, aqui

actualizar o significado da salvação - Plenitude humana

En todas las épocas, y todos los seres humanos han intentado hacer la voluntad de Dios, pero era siempre con la intención de que el “Poderoso” hiciera después la voluntad del ser humano. Era la actitud del esclavo que hace lo que su dueño le manda, porque es la única manera de sobrevivir.

Es una pena que después del ejemplo que nos dio Jesús, los cristianos sigamos haciendo lo mismo de siempre, intentar comprar la voluntad de Dios a cambio de nuestro servilismo. En esa dirección van casi todas las oraciones, los sacrifi­cios, las promesas, votos, etc. que las personas “religiosas” hacemos a Dios.

Salvación y voluntad de Dios son la misma realidad. Jesús, como ser humano, tuvo que salvarse. Para nuestra manera de entender la encarnación, esta idea resulta desconcertante. Damos por supuesto que Jesús no tenía nada de qué ser salvado. Pero es que falla la idea de salvación que manejamos.

Como consecuencia de nuestro maniqueísmo, creemos que salvarse consiste en librarse de algo negativo (pecado). La salvación de Dios nunca puede consistir en algo negativo (quitar) sino que consiste en alcanzar la plenitud humana que paradójicamente, está más allá de lo simplemente humano.

Todo ser humano comienza su andadura como un proyecto que tiene que ir desarrollándose. Jesús llevó ese proyecto, “querido por Dios”, al límite. Por eso es el Hijo de Hombre, el hombre acabado, el hombre perfecto. Por eso hace presente a Dios, por eso es Hijo.

Jesús, descubriendo las exigencias de su ser y llevándolas a la practica, desplegó todas las posibili­dades del ser humano y nos ha marcado el camino que nosotros debemos seguir para alcanzar también la misma plenitud.

Pero cada uno debe recorrer su propia senda. Partiendo siempre de nuestra realidad concreta. Nadie puede recorrer el camino por nadie. Nadie puede tomar el camino de otro como modelo. La meta sí es la misma para todos, pero el punto de salida es siempre distinto para cada uno.

Los demás pueden ayudarme a descubrir mi camino, incluso, pueden decirme que voy por el camino equivocado, pero nunca podrán recorrerlo por mí; nunca podrán hacer lo que tengo que hacer yo, porque la meta de todo el recorrido es el centro de mi propio ser.

(...)

Cuando pretendemos una salvación personal, al margen o en contra de los demás, estamos a años luz del evangelio. Eso es lo que hacemos todos, todos los días. Una vez más volvemos a lo mismo. Salvarse no es potenciar nuestro “ego”, sino deshacernos del ego en beneficio de los demás.

daqui

2009-12-17

saltos apologéticos

Os católicos não têm grande facilidade em ganhar à-vontade com Deus e quando o fosso se tenta transpor o salto sai psicadélico (ver Alexandra Solnado).

Tiago Cavaco in Ler (Dezembro 2009)

Não tiro autoridade à afirmação do Tiago Cavaco. E posso ripostar que na génese do protestantismo está o ressentimento. O que estamos a fazer, afirmando tal, é tomar a parte pelo todo.
Um maior e mais facilitado acesso à informação e cultura não nos torna mais livres e insubmissos. Só sentimos conforto na manada e nas generalizações redutoras.

Teresa de Lisieux, uma católica do século XIX, escrevia: "Deus é mais terno do que uma mãe". Podia encher páginas e páginas com exemplos de católicos que tocaram e tocam a proximidade de Deus. Pensando bem...quem sabe se o faço?

questão religiosa

QUE PODE UMA CRIATURA

Que pode uma criatura senão,
entre outras criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?


Carlos Drummond de Andrade.

2009-12-16

o frio faz estória

Na repartição temos o calor que os meios de desenvolvimento nos permitem. Passamos o dia a ouvir o queixume de que na rua está muito frio e o comentáriozinho azedo e invejoso de que nós é que estamos bem. Dias inteirinhos da mesma ladainha.
Hoje, um mais afoito, quando acabou de ser atendido, disse que tinha uma reclamação a fazer. E foi logo relatando a mesma:"Que na rua estava muito frio e não estavam a fazer nada para resolver a anomalia".

Muito séria, e com o peso da responsabilidade de não defraudar um contribuinte insatisfeito, repliquei de pronto: Que a razão estava do seu lado, mas o departamento para apresentar a reclamação era outro.

Toda a restante sala fungou em uníssono e o engraçadinho deu meia volta e marchou porta fora.

Questões elementares:

Está um frio do caneco. O aquecimento global resulta deste estranho paradoxo: o homem a dar cabo da natureza para se proteger dela dando cabo de si próprio. Como é que se evita uma coisa destas? Voltando ao tempo em que vivíamos à volta de uma fogueira e matávamos animais para conseguirmos uma segunda pele?

2009-12-13

um prémio à Pessoa


Não vou negar que, a primeira reacção ao saber da atribuição do Prémio Pessoa a D. Manuel Clemente, foi a surpresa. E fazendo um exame de consciência, a surpresa advém do lugar de quase vergonha em que vive a Igreja em Portugal.


Conheci razoavelmente D. Manuel Clemente. Tem dois traços de personalidade que o distinguem: um acreditar profundo no homem e uma capacidade de proximidade ímpar. Conto um episódio que o demonstra, mas podia contar vários: Um ano coube-lhe ir crismar um grupo de jovens na paróquia onde colaborava. Não me lembro de onde surgiu a ideia, mas pusemos os jovens a escreverem uma carta ao bispo que os ia crismar para se darem a conhecer. Meti tudo num grosso envelope (era mais de cinquenta miúdos) e remeti ao bispo. Na celebração mostrou que tinha lido as cartas todas - sabia o nome de vários e tinha presente o conteúdo das mensagens que lhe tinham escrito. Tornou mais próximo e humano um ritual que podia ser apenas mais um na vida de todos.


Numa sociedade, onde se cultiva com ênfase o desconsolo e a desesperança, é atribuido o Prémio Pessoa a alguém para quem a esperança é um modo de vida.

2009-12-07

vai um cheirinho de alecrim

Depois de um grande debate a quatro vozes, e já um bocadinho desgastada de andar sempre a pisar no mesmo canteiro, vai assim a resposta à interpelação do Bernardo:

"O que me preocupa é que ande por aí a passear a ideia de que se pode ser católico e não achar imoral a homossexualidade."

As minhas preocupações não incidem nesse ponto, Bernardo. Divergimos, sim. Mais uma vez. O que me preocupa é a possibilidade de deixar que a Doutrina perturbe aquilo que é o mandamento primeiro de um católico: amar a Deus e aos outros (quaisquer que sejam) como a mim mesma.

escrita em dia

Duas leituras me acompanham; Depoimentos Escritos de Mário-Henrique Leiria e a última Ler. O padre poeta teólogo Tolentino, diz que a fé é nocturna. As cartas que o escritor dedica à sua querida Isabel, estão repletas da doçura dorida da noite. Nada de novo na linguagem da fé e do amor. Tão certo como a noite estar ali do outro lado da porta.

2009-12-06

assim vai o mundo (cá por casa)

coisas pequenas enchem-nos a vida: O Gabriel comeu hoje a primeira papa.

A Igreja Católica manisfesta-se sobre a violência doméstica

A sociedade contemporânea vive sob a égide da indiferença (que é, ela própria, manifestação de uma profunda violência) e os seus membros sofrem de uma perda progressiva de competências de relação interpessoal. Neste tempo de preparação do Natal, a CNJP apela a todos, entidades públicas e organizações, mas também a cada um e cada uma e, em particular, às comunidades cristãs, no sentido de aprofundarem a consciência da urgência da acção que previna e cuide, mas que também passe pela alteração dos comportamentos individuais e comunitários.

Comissão Nacional Justiça e Paz

Moscavide, 4 de Dezembro de 2009

Acção social da Igreja Católica

Conclusões do Conselho Geral da Cáritas Portuguesa:

Rasgar caminhos e não pactuar com acções de anestesia geral.

2009-12-05

(Ouka Leele)


Estava em si, de altas esperanças,
E não pensava no homem que lhe ia à frente
nem pensava no caminho que subia para a vida.
Estava em si. E ser-morta
a colmava de plenitude.
Qual fruto cheio de dulçor e treva,
sentia-se repleta da sua grande morte,
que lhe era nova e que ela não compreendia.

Ela entrara numa outra, uma inatingível
donzelice; seu sexo se fechara
como uma flor recente ao fim da tarde
e suas mãos se haviam desabituado tanto
do enlace que até mesmo o toque
infinitamente suave do leve deus a conduzi-la
lhe doía como excessiva intimidade.

Ela não era mais aquela mulher loura
Que os cantos do poeta invocaram tantas vezes,
não mais o aroma e a ilha do espaçoso leito,
nem propriedade mais daquele homem.

Já estava solta como longa cabeleira
e outorgada como chuva sobrevinda
e repartida como cêntupla ração.

Ela era já raiz.[...]

Claudio Magris,
"O senhor vai entender"

pelas ruas da amargura


SALMO 11 (12)


Libértanos tú
porque no nos libertarán sus partidos
Se engañan los unos a los otros ,
Y se explotan los unos a los otros
Sus mentiras son repetidas por mil radios sus calumnias están en todos los periódicos
Tienen oficinas especiales para hacer Mentiras
Esos que dicen:
«Dominaremos en la Propaganda La Propaganda está con nosotros»
Por la opresión de los pobres por el gemido de los explotados
ahora mismo me levantaré
dice el Señor les daré la libertad porque suspiran
Pero las palabras del Señor son palabras limpias y no de Propaganda
Por todas partes están sus armamentos
Nos rodean sus ametralladoras y sus tanques
Nos insultan los asesinos llenos de condecoraciones
Y los que brindan en sus clubs
Mientras nosotros lloramos en tugurios
Los que se pasan la vida en coctail-parties.
Ernesto Cardenal

2009-12-03

O Messias amargurado

Segui o link do João Tunes e fui aportar a um texto publicado no Jornal Avante. No tema "Religiões" encontra-se o desabafo do senhor Jorge Messias. Está muito amargurado com a religião católica e com a época que se aproxima. O Natal.

Entre tiradas brilhantíssimas, como os cadeirões onde os bispos de sentam no Patriarcado, apela à revolução dos católicos. É comovente este grito à coerência cristã vinda dos lados do PCP.
Isto nem merecia link nenhum. Eu é que sinto alguma culpa, pela catequese mal dada que esta espécie de comunista de sacristia, evidencia. Valha-me Deus.

2009-12-01

Dia Mundial da SIDA

Foi votado à exclusão por (quase) todos.



A dog waits by a bed with a terminally ill Thai man, at a hospice for those dying of AIDS, at Wat Prabat Nampu Buddhist temple in Lopburi, on World AIDS day, December 1, 2009.
REUTERS/Damir Sagolj

de surpresa em surpresa...


Se quisesse resumir o papado do actual Papa numa única palavra, utilizaria a palavra "surpresa".

Desde a eleição já deu boas razões aos católicos, e ao mundo, para verem que está numa dinâmica de mudança.

A última foi a mensagem que escreveu ao Patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu I.

Diz o Papa sobre o caminho percorrido pelas duas Igrejas:

testemunho conjunto ao serviço da humanidade, sobretudo defendendo a dignidade da pessoa e afirmando os valores éticos fundamentais, promovendo, ao mesmo tempo, a justiça e a paz”.

E a grande surpresa é a revelação da discussão sobre o Papel do Papa que se entende como “um dom do Senhor à sua Igreja”. E “Este ministério não deve interpretar-se segundo uma perspectiva de poder, mas dentro de uma eclesiologia de comunhão, como serviço à unidade na verdade e na caridade”, escreve Bento XVI. Que prossegue " é fundamental procurar juntos, inspirados pelo modelo do primeiro milénio, as formas em que o ministério do Bispo de Roma possa cumprir um serviço de amor reconhecido por todos”.


Que luzes e mudanças no governo da Igreja vão sair destas propostas, não se sabe. Mas pelo menos há uma perspectiva de caminho. Assim se queiram dar os passos necessários.



notícia ecclesia

eles querem salvaguardar o seu bem mais precioso...


Rae Dawn Chong (La guerre du feu) Jean Jacques Annaud

2009-11-29

já não há cruzadas, mas quase

A Europa esclarecida é assim!

pungente

(Pedro Anahory)




Num voo de pombas brancas, um corvo negro junta-lhe um acréscimo de beleza que a candura de um cisne não traria.




Giovani Boccaccio

em tumulto

retirado daqui

Foi-lhes dado a escolher tornarem-se reis ou mensageiros de reis. Com a ingenuidade das crianças todos escolheram ser mensageiros. Eis porque só existem mensageiros, que correm pelo mundo e, como não há mais reis, gritam uns para os outros mensagens que não têm mais sentido.





Franz Kafka, Aforismos

2009-11-27

miseráveis

Olhem estes também...

Na Igreja católica

coexistem realidades muito diferentes. Querer ver nela, apenas santos ou pecadores, é ver de modo limitado. Como diz o teólogo José Maria Castillo, tanto fazem parte da Igreja "heróis e mártires" como "pederastas e terroristas".

Isto, porque ainda estamos em choque com as revelações sobre os gravíssimos escândalos sexuais e conivência ainda mais escandalosa, das entidades públicas e da hierarquia católica.

Como pessoa da Igreja que sou, sempre me escandalizou que, no confronto entre a pessoa e a instituição, é sempre a pessoa que se submete. Ao completo arrepio do que é a mensagem cristã. Esta forma de viver em Igreja, pode causar males tão graves, como aqueles com que somos confrontados no presente caso: em que as vítimas são anuladas para preservar a imagem da Igreja. Não me conformo com isto. Nem vejo caminho que possa fazer para algum dia o aceitar. Mas sempre vi à minha volta quem o fizesse.

Recupero uma ideia e desejo de José Maria Castillo e faço-os meus:

El día que Roma les dé a los obispos normas claras y exigentes, sobre este tipo de crímenes, como se las da para los pecados de aborto o de eutanasia, ese día nos vamos a enterar de cosas desagradables. Pero seguramente temabién ese mismo día quizá se empiece a hablar más de las personas que por su fe en Jesús dan la vida. Y se hablará menos de los descerebrados que son capaces de abusar de personas inocentes sin piedad y sin vergüenza.

2009-11-25

vítimas silenciosas

Nestes dias, os meios de comunicação social têm referido o número de mulheres mortas, vítimas de violência doméstica. Os números falam por si. De referir, ainda, a juventude (menos de trinta e cinco anos) de grande parte das vítimas.
Há uma outra realidade, de que quase ninguém fala, e o João Tunes referencia, que são os restantes elementos do núcleo familiar - crianças e idosos. Vítimas passivas e silenciosas de um mal que teima em perpetuar-se.

2009-11-24

venha o debate

D. Manuel Clemente sobre o casamento homossexual diz o seguinte: “Esta e todas as questões sociais têm que ser alargadas para serem exactamente sociais. Não podem ser resolvidas rapidamente, exigem reflexão, aprofundamento dos factos, exigem argumentação e contra-argumentação”.

Tenho o D. Manuel como um pastor comprometido. Não preciso de esforço nenhum para concordar, quando diz que estas questões têm de ser alargadas. Não é com debates na televisão, nem artigos de opinião em jornais, nem tão pouco a profusão de ideias e conceitos fartamente publicadas na blogosfera, que fazemos da coisa uma questão social. É preciso mais.

Fico à espera do anúncio de debates a efectuar, nos diversos meios e comunidades eclesiais.
No site
ecclesia, um espaço de informação da Igreja, só encontro a reflexão e argumentação do discurso oficial da Igreja. Onde está o contraditório?

Espero ser contradita.

preto-no-branco

Sobre a igualdade: ide ler o que escreveu o Pedro Mexia.

o vício dos livros

( L'homme qui aimait les femmes, François Truffaut 1977)
(despudoradamente surripiada, daqui)

2009-11-23

questões vitais

A propósito desta Nota da CEP, Laura Ferreira dos Santos publicou um comentário no Público. O texto está no Blogue "Manchas" do Luís Mourão.

a perfeita falácia

Existe ainda uma ironia final gritante. Que é mais corajoso, lutar por causas libertinas que toda a opinião pública tolera, ou defender os valores exigentes do casamento, família e vida? Quem são realmente rebeldes, os membros do Bloco de Esquerda que a imprensa exalta e os intelectuais apoiam, ou os que enfrentam as teses politicamente correctas? Onde está hoje a verdadeira heterodoxia, rebeldia, atrevimento? Quando a esquerda se torna estabelecida, burguesa, dominante, quem é realmente revolucionário?


João César das Neves, in DN

É do César da Neves, mas reúne uns tantos adeptos. Aqui se exemplifica a real inversão de valores. Uma tese pretensamente revolucionária, que pretende diminuir o que são algumas conquistas da modernidade. Não é tudo bom? pois não. O desafio é fazer o melhor possível dentro dos impossíveis que nos condicionam.

Quando tiver tempo e disposição, desenvolvo mais sobre este mesmo assunto.

gli sbandati-1955
Lucia Bosé

2009-11-22

a sangue quente

O Lino, propôs-me um desafio. Não vou aceitá-lo. Não sou nada boa nos jogos de palavras e não quero pensar muito numa ou duas alíneas da proposta.

Mas se é para falar um pouco mais de mim, conto uma pequena história da minha vida, passada no dia de ontem.

Saí na estação do metro no "Cais do Sodré", e ao subir com uma pequena multidão o lance de escadas, reparei numa mulher um pouco mais jovem do que eu que hesitava sobre o caminho a tomar. Perguntei-lhe para onde ia e, tal como eu, dirigia-se para o comboio. Começámos, então, a fazer o percurso; sentámo-nos juntas, (depois de me perguntar que lugar preferia) e fomos conversando. Contou-me a sua história de vida, sobretudo a parte que antecedeu a vinda para Portugal e as peripécias que por cá tem vivido. Fiquei a saber que é uma mulher com uma loucura saudável, a ponto de ser capaz de romper com uma vida estável e cómoda junto da família, e rumar a um país onde não conhecia ninguém, nem era possível reproduzir as condições de vida que tinha no Brasil.

Saímos as duas na mesma estação e corremos (como se partilhássemos algum destino comum) porque ela tinha de apanhar o autocarro. Despedimo-nos com um abraço e votos de mútuas felicidades. O mais certo é nunca mais nos vermos. Mas foi um momento feliz de encontro.

2009-11-17

ora tomem e embrulhem:

A família existe não só para garantir a reprodução da sociedade burguesa através da difusão do autoritarismo, mas também como correria de transmissão de um dos suportes do capitalismo: a propriedade privada. O papel da família é tão forte neste sentido que seus membros acabam por se julgar proprietários uns dos outros. Adquire-se o mesmo medo compulsivo de perder o outro, menos pela necessidade do amor e mais pela "tranqulidade psicológica" que ser proprietário (ou a propriedade) lhe dá. Esconder um do outro (ou até de si mesmo) algo novo e transformador, com o receio do risco da mudança, é a prática mais comum dos casais.

daqui

isto é que são baboseiras

E porquê? Porque, basicamente, a homossexualidade era, e bem, vista como luxúria, como um vício (como o jogo ou as drogas, por exemplo)

A insistência por parte dos militantes pelo casamento homossexual reveste-se, assim, de uma particular perversão: sabendo que a grande maioria das pessoas reprova os seus gostos e práticas sexuais (devem saber pois não se cansam de reclamar contra essa “discriminação no dia-a-dia”), insistem na usurpação de uma instituição ancestral, tentando dessa maneira que através do poder político as pessoas se vão desligando dos seus “preconceitos” e passem a aceitar plenamente a homossexualidade.

Esta promoção do casamento homossexual é 1. uma provocação imoral à sociedade, e 2. um atentado (mais um) à instituição do casamento.

Filipe Abrantes, um moço a quem as aulas de educação sexual fizeram muita falta.

pois precisamos, mas o mal são sempre os outros

Inércia, passividade, respeito temeroso pela hierarquia, individualismo das famílias e das pessoas, a ausência da dimensão do futuro no viver quotidiano: eis alguns aspectos da subjectividade actual dos portugueses. Para ela contribui fortemente o sistema das invejas.
Todos estes aspectos são graves, indiciando uma não coesão do tecido social. Ora, precisamos, hoje mais do que nunca, de solidariedade, coesão, laços de respeito mútuo e vontade comum à volta do reconhecimento de uma situação "à beira do abismo" que nos ameaça a todos. Não consenso e unanimismo passivos, mas uma vaga que nos levaria a avançar e a abrir o espírito à evidência da urgência da acção comum. Precisamos de transformar o Estado e a sociedade civil, precisamos de uma colectividade coesa e consistente.

José Gil in "Portugal Hoje- O medo de existir"

raio de vendilhões

Incham-se todos para dizer que os afectos não contam para nada. Não consigo conceber a origem de tal baixeza. "Rais os afundem!" citando o Luiz Pacheco.

2009-11-15


A leste do paraíso


a leste do paraíso deus colocou um anjo com uma espada de fogo
para guardar o caminho que conduz ao pé da árvore da vida

ao pé da árvore da vida
deixa-me ser eu a seduzir-te
.......................................eu mulher
.......................................eu serpente
eu provarei os frutos de ouro fascinante

aprenderás a transgressão
tu mulher
tu serpente
eu provarei os frutos de ouro
e fascinado
ousarei a transgressão
e o teu corpo nu

...........................amigo
............................a carícia
............................como um fruto proibido
............................recorta todos os perfis
............................e os silêncios
............................da (falta de) memória
............................e da vergonha

............................atravessa a rua
............................o tempo
............................como actividade erótica

parábola
e assim inventaram o pecado
o privilégio a proibição e a dor
............................beija-me na boca lentamente

............................ou noutro lugar

............................beija-me...............................a leste de qualquer paraíso


Ernesto de Sousa

2009-11-13

bom fim-de-semana

imagem - Irma Gruenholz
mais aqui

não percebo nada do que aqueles senhores estão ali a falar

Sexta-feira treze, a Ritinha ainda sondou sobre as razões da minha mal disfarçada nostalgia, eu aleguei que só se fosse efeito de alguma desastre retroactivo.
Mas agora estão ali uns senhores a falar de regime contributivo. Bagão Félix fala em aumentos de taxas para agricultores, pescadores e trabalhadora(e)s doméstica(o)s e reduções de dois por cento para administradores e gestores. Mas não tenho a certeza se o ouvi bem.

A seguir fala em jacobinos (eles andam aí) e tirar nomes a hospitais (a propósito, ando há três dias a tentar marcar uma RM, já telefonei várias vezes, pedi número de fax, tentei enviar e nada. Vai daí, tenho de ir a Lisboa fazer o que podia fazer sem sair de casa, se isto fosse um país decente...mas adiante), arrasar feriados religiosos e tal. Não percebi qual era o drama dele, já me bastam os meus.

Solução da crise implica compromisso de todos


"A construção do bem comum, responsabilidade da pessoa"

Os homens e mulheres de hoje, cada vez mais citadinos mas mais solitários, agarram-se com unhas e dentes à sua autonomia evitando relações e compromissos que lhes tolham a independência, mas simultaneamente têm de recorrer a psicólogos e fármacos para resolver problemas que as sociedade anteriores à nossa apresentavam em muito menor grau. Problemas de solidão, de falta de diálogo, de frustrações profundas, de uma insatisfação permanente.

2009-11-11

Deus

Deus meu, fizeste-me tão rica, deixa-me, por favor, partilhar generosamente essa riqueza. A minha vida tornou-se um diálogo ininterrupto Contigo, meu Deus, um grande diálogo. Quando estou em algum canto do campo, de pés plantados na tua terra, os olhos levantados para o Teu céu, há alturas em que me correm lágrimas pelas faces, brotadas de uma comoção e gratidão interiores, que procuram uma saída. Do mesmo modo, à noite, quando estou deitada e descanso em Ti, meu Deus, as lágrimas de gratidão correm-me, por vezes, pelo rosto, e isso é, também, a minha prece.(...)Não me revolto contra Ti, meu Deus, a minha vida é um diálogo ininterrupto Contigo. Talvez nunca venha a tornar-me a grande artista que, na verdade, gostaria de ser, mas já estou demasiado protegida em Ti, meu Deus. Por vezes, gostaria de registar pequenas sabedorias e relatos vibrantes, mas volto sempre à mesma palavra - Deus - que compreende tudo, pelo que nada mais necessito de dizer. E toda a minha força criativa se converte em diálogos interiores Contigo, o bater do meu coração tornou-se aqui mais amplo e agitado e tranquilo ao mesmo tempo, e é como se a minha riqueza interior crescesse cada vez mais...

Etty Hillesum in Cartas 1941-1943

Ainda há dias constatávamos que a palavra Deus anda um tanto destruída. Culpa nossa, sem dúvida. Não vivemos situações extremas de vida, como a de Etty Hillesum - prisioneira no campo de Westerbork na Holanda - mas nem por isso deixamos de precisar de ter cuidado em enriquecer a nossa vida interior.
O dom da Fé é um mistério tão absoluto como o próprio Deus, os que nos vamos deixando tocar por ele, temos a missão de o guardar, aprofundar e testemunhar com a vida. E agradecê-lo como o dom mais precioso de que dispomos.

2009-11-10

duas histórias de mulheres:

Dois casos passados no tempo do Estado Novo, em que as famílias e as mulheres tinham os tais valores de que os nossos bispos tanto gostam:

1º caso:

Um casal rural vivendo da terra e dos produtos que a mesma dispensa. Homem e mulher casados no sacramento do matrimónio, dividem as tarefas fora de casa. Dentro, trabalhava ela sozinha. À segunda-feira era o dia de mercado. Era ele que ia sozinho. O produto da venda raramente chegava a casa. Também era ele sozinho que se encarregava dessa tarefa.
O dinheiro faltava para as despesas necessárias, mas havia perto um compadre disposto a dispensar o crédito. Era ela sozinha que ia pedir ajuda para providenciar às situações mais aflitivas. Uma doença, um remédio para os filhos, um pagamento em falta.
Dos cinco filhos, dois são muito parecidos com o compadre e vizinho.

2º caso:

A D. Gracinda casada com o Senhor Raúl, já tinha sido mãe uma vez. Não queria ter uma família, como tantas que conhecia, em que cada filho que aparecia era considerado uma fatalidade. Fez vários abortos. E a maioria dos dias, levanta-se ainda antes de o sol aparecer. E do marido acordar.

um bispo que até começa bem...mas fala da família, da mulher e acaba mal

Do "Discurso de D. Jorge Ortiga na abertura da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa" retirei estes apontamentos positivos:


Esta nova consciência missionária e a reflexão que dela fazemos, obriga-nos a repensar, à luz do Concílio Vaticano II, o papel da Igreja no mundo. Durante muito tempo apenas vimos “o mundo da Igreja”. Hoje, é inequívoco que não existe o “mundo da Igreja”, mas que Ela deve estar no meio do mundo, não como senhora mas como serva. Estar no coração do mundo é já uma luta a travar, uma vez que a mudança que modernidade ocidental trouxe consigo deslocou o cristianismo do centro para a “periferia dos dispensáveis e dos irrelevantes”.

Curiosamente, na fragilidade desta periferia podemos reencontrar a nossa identidade cristã, a qual se plasma na única segurança que vem de Cristo. É neste contexto de humildade, que teremos de passar duma atitude de detentores da verdade para uma transparência da verdade, de emissores únicos e autoritários a peregrinos dialogantes nesta mesa comum da procura.

Ao falar da família, referencia, apenas, os aspectos mais problemáticos, veiculando um pessismismo que não corresponde a uma visão real das fa mílias. Se existem os problemas que enumera, também existem muitos outros aspectos que são o resultado de mais e melhores meios de que a família dispõe.


"Hoje, a família encontra-se exposta ao relativismo dos valores, o que estará a degenerar em anti‑valores: rupturas familiares, crise social da figura do pai, dificuldade em assumir compromissos estáveis, graves ambiguidades acerca da relação de autoridade entre pais e filhos, o número crescente dos divórcios, a praga do aborto, o recurso cada vez mais frequente à esterilização e a instauração de uma verdadeira e própria mentalidade contraceptiva (cf. FC 6)."

E, mesmo previsíveis, são as considerações sobre a mulher:

Continua a infiltrar‑se, em muitos casos de uma maneira camuflada, a “teoria do género”, como verdadeira ideologia apostada em redefinir a família, a relação matrimonial, a procriação e a adopção. Ninguém ignora os problemas reais com os quais a instituição familiar se debate quotidianamente. Perante estas novas problemáticas, vão surgindo tentativas de solução baseadas nos valores tradicionais de liberdade, igualdade e saúde que, para além dos seus significados verdadeiros, começam a ficar mergulhados num conjunto de ambiguidades, desviando-se duma antropologia sadia e verdadeiramente confirmada pela genuína cultura.

Em muitos casos, a justa liberdade da mulher já não encerra uma verdadeira emancipação das discriminações sociais e do poder autoritário do homem. Enveredou por uma competição entre os dois sexos, onde aparece com evidência a rivalidade e o antagonismo que conduzem a uma procura da afirmação individual, quando deveria estruturar-se em termos de solidariedade e complementaridade responsável. A violência doméstica prolifera e o desencanto familiar multiplica-se.

Não sei como é que se consegue estruturar uma relação em termos de solidariedade e complementariedade sem uma afirmação individual. Porque é que têm de ser imcompatíveis?

E sobre a sexualidade é melhor nem ler:

Também na área da saúde reprodutiva, sob o pretexto da prevenção e da preocupação por evitar as doenças, aconselha-se o exercício meramente amistoso, ou até simplesmente lúdico, da sexualidade, não a integrando numa perspectiva de verdadeiro amor aberto, responsavelmente, à procriação. Neste terreno, o aborto é banalizado com orientações legais que desrespeitam o valor indiscutível da vida e assim o decréscimo da natalidade atinge níveis preocupantes, motivados por interpretações egoístas do dom da sexualidade.

2009-11-09

confissão de um padre

Deus, a oração de petição, a Igreja, o celibato...uma abordagem pessoal e íntima feita por um padre que deixou a Igreja.


Takó acreditava que todos celebravam com ele o luto pelo seu pai. Mas eles estavam de luto pelos milhares de húngaros mortos pelo nazismo.

Um filme de Istiván Szavó (que também tem as suas nebulosas), 1966

celebremos, pois


A queda de um muro como a que celebramos hoje, nunca é apenas o esforço de uma só pessoa. Muitas vontades e gestos concorrem para que tal aconteça. Que se celebre a queda do Muro de Berlim, com todos os significados que a mesma encerra.

Não esquecer também todos os que, na mesma Europa, ainda dividem os povos do Hemisfério Norte dos do Sul.

2009-11-08

quanta ternura


-Que fazes Tu aí, oh Cristo antigo,
Pregado nessa Cruz, eternamente?
Liberta a Tua mão omnipotente,
Desprega esses Teus pés...e vem comigo!

Não sabes que sem Ti nada consigo?
Não vês que fazes falta a tanta gente?
Oh, vem de novo, como antigamente!
Viver connosco e nós Contigo!

Não vens? Não queres ouvir a humilde prece
Num mundo que, sem Ti, desaparece,
Vencido pela morte e pela dor?

Não vens? Não pode a Cruz ficar sozinha?
Pois bem: Permite então que seja minha!
-Eu fico nela...e desce Tu, Senhor!


Pe Abel Varzim
(imagem-Donatello, 1412-1413)

à luz da Palavra

8Então o SENHOR disse-lhe: 9*«Levanta-te, vai para Sarepta de Sídon e fica lá, pois ordenei a uma mulher viúva de lá que te alimente.» 10Ele levantou-se e foi para Sarepta; ao chegar à entrada da cidade, eis que havia lá uma mulher viúva que andava a apanhar lenha; chamou-a e disse-lhe: «Vai-me arranjar, te peço, um pouco de água numa vasilha, para eu beber.» 11Ela foi buscar a água e Elias chamou-a e disse-lhe: «Traz-me também um pedaço de pão nas tuas mãos.» 12*Então ela respondeu: «Pela vida do SENHOR, teu Deus, não tenho pão cozido; tenho apenas um punhado de farinha na panela e um pouco de azeite na ânfora; mal tenha reunido um pouco de lenha entrarei em casa para preparar esse resto para mim e para meu filho; vamos comê-lo e depois morreremos.»13Elias disse-lhe: «Não tenhas medo; vai a casa e faz como disseste. Disso que tens faz-me um pãozinho e traz-mo; depois é que prepararás o resto para ti e para o teu filho. 14Porque assim fala o SENHOR, Deus de Israel: 'A panela da farinha não se esgotará, nem faltará o azeite na almotolia até ao dia em que o SENHOR mandar chuva sobre a face da terra.'»15Ela foi e fez como lhe dissera Elias: comeu ele, ela e a sua família, durante alguns dias. 16Nem a farinha se acabou na panela, nem o azeite faltou na almotolia, conforme dissera o SENHOR pela boca de Elias.

(1ºReis, 17, 8-16)

Nestes tempos, que são os nossos, em que o incitamento à riqueza e à acumulação de todo o tipo de bens, nos condiciona e impele, é consolador o elogio de Deus à pobreza e ao despojamento. Hoje Deus desafia-nos a um menos que nos é desconhecido e motivo de escândalo.

2009-11-04

rechaço do mito do trabalho como castigo


Através do trabalho humano, o homem torna-se natureza transformada (...) como natureza transformada, o homem resgata o pacto com o mundo natural, devolvendo às suas próprias criações o autêntico significado de uma espiritualidade do trabalho.


Simone Weil, segundo o perfil de Miguell Ângelo Guimarães Juliano; aqui
imagem - "O amolador" Goya




2009-11-03

cristianismo - compromisso com a liberdade

A pessoa humana, dotada de actividade livre e consciente, não pode fazer a vontade de Deus senão quando recebe a verdade divina através das exigências da sua consciência. Portanto ela não pode atingir o seu fim último senão formando prudentemente o juízo da sua consciência e obedecendo-lhe fielemente. Pela natureza das coisas, nenhum outro homem, nenhuma instituição humana podem substituir-se à consciência do homem que ajuíza livremente.

Mons. de Smedt, bispo de Bruges
Lido na 70ª Congregação Geral,
19 de Novembro de 1963

(destaque meu)

escandaloso

O sacerdote fez-me perguntas de uma minúcia que nunca vi, como advogada, serem feitas em tribunal. O meu corpo, o corpo de uma criança, foi escrutinado atrás de uns quadradinhos de madeira, o confessionário.

Isabel Moreira

2009-10-31

mostrar a outra face

Seria injusto não haver Deus, escreve Anselmo Borges no DN. Portugal, uma enorme lixeira, diz o João Marcelino.

Daqui a pouco, o silêncio e a casa enchem-se com a presença e as vozes dos que amo. Cultivar a esperança é vencer a face oculta do medo. Bom fim-de-semana.

2009-10-29

mais palavras para quê?

O novo padre, deu-lhes tema para conversa por uns bons quinze minutos. Não chegássemos nós ao destino e o tema continuaria. Fiquei a saber que tem uns vinte sete anos, gosta muito de estar ali com elas, na segunda foi fazer um funeral com umas calças de ganga e camisa aos quadrados - com o pormenor de levar um botão desabotoado -, o anterior andava sempre de fato e colarinho. E este perguntou à família do defunto, se queriam missa de corpo presente. Todas queriam rivalizar nos conhecimentos sobre o recém-chegado. Os olhinhos da mais velha - uns setenta e picos - até brilhavam.

Atentem neste rol de personalidades: Raúl Rego, José Marmelo e Silva, Serafim Ferreira, António Borges Coelho, Afonso Praça, Luís Mourão...e mais para trás: Aquilino Ribeiro, António de Oliveira Salazar, Miguel Torga, Virgílio Ferreira, Tomaz da Fonseca... e mais distantes ainda: Camilo Castelo Branco, António Cândido, Fernão Mendes Pinto, Vasco da Gama...todos eles de percursos vitais, façanhas tão variadas, com um traço comum que, aposto! o Leitor não é capaz de adivinhar. Todos ex-seminaristas. Despadrados. (...) Meninos que foram parar ao Seminário por uma razão ou outra e dele se escapuliram; deram ao Diabo a conezia e as sua prebendas; arrenegaram do hábito e da tonsura e, agora cito Virgílio Ferreira, - reagiram frente à vida que já os não esperava, mergulharam até onde soubessem haver vida e descobrir - um acto semelhante ao dos goliardos medievais.

Luis Pacheco in "Raio de Luar" - Os dêfroquês

2009-10-28

eis um blogue possuído


Ontem participei numa tomada de posse. Tinha vários interesses - que não são para aqui chamados - para o efeito.
Um dos inumeráveis escreventes que participam nesta coisa da Blogosfera, teriam material riquíssimo para escrever mais de uma dezena de posts. Eu não tenho engenho nem arte para tal.

Deixo só uma pequena nota. A tomada de posse em causa, foi a instalação de uma Assembleia de Freguesia e eleição do executivo da respectiva Junta. Não vou contar nenhum dos incidentes. Só imaginei os mesmos, extrapolados para as diferentes freguesias do país, e depois os concelhos, e o Parlamento... e a Presidência da República. Fiquei com medo - tomei consciência da incipiente democracia em que nos movemos.

2009-10-26

testemunho


"Na minha vida tenho temido tudo excepto Deus. Estou a falar a sério. E a tomar a sério Cristo quando disse: «Não temais». Não foram uma nem duas, as vezes que ele o disse. Semelhante insistência talvez merecesse um bocadinho de atenção".



Nuno Bragança (1929-1985), no dia 29 de Junho de 1968, num texto que saiu no cardeno 3 de "O Tempo e o Modo", que tinha como tema "Deus o que é?"

2009-10-25

uma preocupação que a Igreja oficial não tem:

Cada día abundan más los cristianos que, al no estar de acuerdo en muchas cosas con el papa, con la mayoría de los obispos y de muchos curas, no tienen más remedio que vivir como "cristianos por libre". Son, por lo general, personas que admiran a Jesús y ven en el Evangelio un proyecto que puede dar sentido a sus vidas. Pero ven, al mismo tiempo, que la Iglesia "oficial" anda lejos del Evangelio.
...
El problema está en que los "cristianos por libre" suelen verse como "cristianos desamparados". La fe religiosa no se vive en solitario. La fe en Jesús es un hecho comunitario, social, compartido. ¿Hata cuándo tantos creyentes podrán que vivir sus creencias en la soledad, la oscuridad y la duda? Esto es preocupante.

J. Maria Castillo, Teologia Sin Censura

Deus sensível

7Porque isto diz o SENHOR:
«Soltai gritos de júbilo por Jacob.
Aclamai a primeira das nações!
Fazei ressoar louvores, exclamando:
'Ó SENHOR
salva o teu povo, o resto de Israel'.
8Eis que os trarei do país do Norte,
e os congregarei dos confins da terra.
O cego e o coxo, a mulher grávida e a que deu à luz,
virão entre eles. Hão-de voltar em grande multidão.
9Entre lágrimas partiram, mas fá-los-ei voltar em grande consolação;
conduzi-los-ei às torrentes de água,
por caminhos direitos em que não tropeçarão;
porque sou para Israel como um pai,
e Efraim é o meu primogénito.

Jeremias (31, 7-9)

2009-10-24

bom fim-de-semana

Heinrich Lefler 1863-1919

do Saramago será o Reino dos céus

A verdade é que, pelo menos neste cantinho lusitano, Saramago já fez mais pela Bíblia do que todas as iniciativas da Igreja Católica juntas. Se bem que, nestes tempos que vivemos, não tarda nada já está tudo enjoado desta discussão. Muito pouca gente consegue explorar e dedicar-se a qualquer tema para além do pico de atenção que o mesmo suscitou. É lamentável.

2009-10-23

a Bíblia...

É um conjunto de livros marcados pelo tempo, por cada tempo, com múltiplos géneros literários, escritos por homens, nos seus contextos e circunstâncias, entre mitos, com a pretensão de justificar o injustificável, provar o improvável, legitimar poderes e profecias. A fé dá apenas um enquadramento.




Joaquim Franco, Re-ligare

2009-10-22

(in)fieis

Mas inacreditável mesmo, foi ter de elucidar uma ovelha (in)fiel, devidamente sacramentada, que as leituras escutadas na missa, são textos retirados da Bíblia. Acabou a confessar que não sabia ler a Bíblia.

contra os infieis marchar, marchar

Se o Benfica continuar assim, de pouco valerá a visita do Papa em Maio do ano que vem - a pátria já estará convertida a Jesus.

caí

Fui logo interpelada de manhãzinha. - Então o que achas desta polémica do Saramago? - Acho que o Saramago e os católicos têm uma coisa em comum - respondi. E sem esperar que me perguntasse qual, acrescenti: ambos desconhecem a Bíblia.

Pensava que assim arrumava o assunto. Mas recebo de chofre de um católico que pratica mesmo: pois, e andam para aí a dizer que não existiu Adão e Eva.

Mastiguei qualquer coisa do tipo é preciso entender a linguagem bíblica, porque o tempo era pouco e uma conversa de circunstância não dá para grandes esclarecimentos, mas a seguir bem a parte melhor:

- E já ouviste que os anglicanos vão juntar-se à Igreja Católica? Eu não acho bem - e baixando o tom de voz acrescenta - parece que homossexuais e tudo.

A minha cabeça entrou em delírio. Comecei a fazer contas e perguntei: mas onde é que ouviste isso? Tinha sido na televisão, claro. E tão preocupado ficou por ouvir falar em homossexuais que nem procurou o sentido do que podia estar a acontecer.



Mas procurei eu. E sem surpresas, descobri que o Papa Bento resolveu abrir os braços (acho muito bem, sou pela inclusão e pecadores todos nós somos) aos anglicanos descontentes

bem diz o ditado:"Deus não dorme", mas descansa


Luís Afonso - www.publico.clix.pt/

2009-10-19

"A casa do Zé"



Desconte-se a ingenuidade da intervenção e capte-se a mensagem. Nas ruas das Caldas vive o Zé. Como não desperta medo nem inveja, recebe a indiferença de quem passa. Os comentários dos vendedores da praça, que convivem com a realidade dele todos os dias, mostram a inabilidade de lidar com as doenças mentais. Ao longo dos anos, ignoram-no, no dia em que os estudantes o expuseram, mostram uma desrespeitosa condescendência.

um mistério que me escapa

Conheci a MJ em contexto eclesial. Logo das primeiras impressões, ficou-me que era uma pessoa com uma capacidade de generosidade e entrega muito grandes, responsável e de uma fé profunda. (Mais tarde, descobri-lhe outras - como daquela vez que enfrentou uma sala de machistas com firmeza e elegância).
Um dia, confidenciei-lhe que tinha este espaço de partilha. Sempre que nos encontramos, acaba por comentar algo que escrevi e que lhe mereceu atenção.

No outro dia, mais uma vez, falou-se da Igreja Católica. E contou-me um pormenor da sua vida que eu desconhecia. Deu-me a permissão de o partilhar aqui, se quisesse.

O pai recusou baptizá-la em criança, e foi já por vontade própria que se iniciou no catecumenato - tempo de preparação para receber os sacramentos da iniciação cristã. Como as outras crianças da sua paróquia, ia à catequese que era realizada nos anexos paroquiais. Todas as crianças entravam na sala e sentavam-se nos respectivos lugares com a catequista. A MJ ficava à porta. Melhor dizendo; na rua. Fizesse chuva ou sol.

Muitos crentes, formados desde sempre na Igreja, não conseguem ultrapassar uma relação de amor-ódio, por todas as decepções que a vivência eclesial lhes causou. A MJ consegue. Não tenho dúvidas de que a sua personalidade e formação, são factores decisivos para que isso aconteça. Mas há uma parte de mistério que me escapa.

2009-10-18

preconceituoso, no mínimo

José Saramago não consegue acreditar num Deus castigador. Eu também não. Mas afirmar que a Bíblia é um manual de crueldades, é uma expressão de ignorância, nada admíssivel num escritor da dimensão de Saramago.

ter cinquenta é bem bom

Fiquei a empanturrar-me dos sorrisos do Gabriel e, calhou-me em sorte, ter de esperar duas horas pelo próximo autocarro. Duas horas num final de domingo a ver as avalanches humanas que desaguam em Sete-Rios é um prato demasiado forte. Comprei o "Público" e espremi tudo o que havia para ler.
Descobri, assim, que hoje (18 de Outubro) é o dia Mundial da Menopausa. E pela escrita do sr (presumo que doutor) Manuel Neves e Castro, fiquei a saber que a indústria farmaceutica pode ajudar as mulheres a ultrapassar, da melhor forma possível, a mítica idade crítica. "Frequentes afrontamentos, suores nocturnos, perda da líbido, disfunções sexuais, irritibilidade, humor depressivo,..." não são mais problema. Com um pouco de estrogénios passa-se isto tudo com uma perna às costas.

Não será que esta gente inventa coisas, que uma mulher que anda tranquila na sua vidinha, nem sequer se vai lembrar?

2009-10-16

podemos sempre fazer de enjoadinhos

Lembra-me de, certo dia, perante um caso desesperado, ter enviado o "próximo" a um cristão bastante bem colocado, política e socialmente, para o poder resolver. Nessa mesma noite, esse mesmo cristão (Deus lhe fale na alma, porque já morreu) telefonou-me:

- Lá atendi o seu pedido. Mas por amor de Deus (Oh! ironia das expressões)não me mande mais casos destes. Nem eu nem a minha mulher pudemos jantar, de tão chocados ficámos com o que ouvimos!



Padre Abel Varzim
in Procissão dos Passos

um escândalo que permanece


É possível reduzir a pobreza. Assim o queiramos. Dia 17 de Outubro é um dia para enfrentarmos a pobreza na sua realidade e crueza. Um apelo à acção.

2009-10-13

Teologia sem medo

Cuando yo era niño, un día, al volver a casa del cole, le dije a mi madre que en la clase de religión me habían explicado que Dios no hay más que uno. Pero que Dios es uno de tal manera que, al mismo tiempo, en Dios hay tres personas distintas, el Padre, el Hijo y el Espíritu Santo. O sea, que Dios es uno y tres al mismo tiempo. ¿Cómo se puede entender eso, mamá?, le pregunté. La respuesta fue tajante: "En eso no se piensa". Aquel día aprendí que hay cosas en las que no se puede pensar. Porque son indiscutibles. Así empezó la larga y penosa historia de mi bloqueo mental, en virtud del cual yo mismo he sido el implacable censor de mí mismo. Tengo la impresión de que esto, que me pasa a mí, es algo muy parececido a lo que le ocurre a mucha gente. Cada cual, en su intimidad secreta y seguramente sin saber lo que le pasa, se corta constantemente los caminos por los que puede avanzar en la incesante tarea de descubrir la verdad, comprender la realidad, salir de tantos engaños que la sociedad y la convivencia nos han contagiado. Hemos nacido en la cultura del "pensamiento único". Y el pensamiento estandarizado, configurado de acuerdo con los intereses del sistema, es la "cárcel de oro" en la que cada cual clausura su propia capacidad de buscar, de avanzar, de encontrar la verdad de las cosas, la explicación de tantos hechos que no sabemos explicar porque ni nos atrevemos a pensar en ellos.A partir de este sencillo planteamiento, ofrezco este blog a quienes estén interesados en luchar contra sus propios miedos, sus inconfesables miedos, a pensar. Sólo de esta manera podremos empezar a ser verdaderamente libres. Y por eso también, creativos. Los eternos asustados a pensar son (somos) parásitos sociales, que vivimos a costa de lo que piensan otros por nosotros y para nosotros.



José Maria Castillo, aqui





Bem sugestivo é o subtítulo do novo blogue de José Maria Castillo: Atreve-te a pensar. Pensar todos pensamos. Mas até que ponto somos livres - aqui, liberdade, no sentido de nos realizarmos integralmente como pessoas - para ousarmos pôr em causa, o que sempre nos transmitiram como certo?



Fiquei surpresa por verificar que, pesquisando no Google, o "jardim" aparece em segundo lugar nas referências a este teólogo. Desde há um tempo que o meu percurso religioso é um percurso de fronteira. É natural que me identifique com pessoas que seguem o mesmo caminho. Mas como sou bastante disciplinada e sempre atenta a outras vozes e caminhos, sinto alguma segurança. Sabendo, porém, que o díscipulo fiel, não tem onde repousar a cabeça - à semelhança do mestre. O meu estado é de alerta. E não de acomodação a qualquer corrente.

Mas a pergunta que quero deixar é: Deve a teologia estar a sujeita a limites? Quais?

2009-10-12

sem espinhas

Não há nenhuma razão para não aplicarmos o mesmo princípio à amizade. Podemos pensar que sendo a amizade naturalmente poligâmica as explicações e os sintomas tendem a repetir-se, superficiais que também são. Mas essa ideia é um erro. A amizade, tal como o amor, é sempre um caso concreto.

Pedro Lomba, num blogue que tem por tema a amizade. A seguir com muita atenção.

e se de repente...

Eram três da tarde e eu desertinha que os ponteiros voassem. Submersa e rodeada de laranjada , a vesícula a ressentir-se de tanta vitamina e ter que sorrir, como se o mundo fosse do mais puro cor-de-rosa, não foi com grande disposição que respondi ao cumprimento. Fiz uma pausa e, como o homem à minha frente, não dizia ao que vinha, tive eu que perguntar. Mais um silêncio, um torcer de lábios e sai a frase: -Bom, eu não sei como começar... Credo! valha-me nossa senhora! mas que assunto vem o senhor tratar? E levantei-me, recuei uns passos... porque é melhor estarmos preparados para tudo e mais alguma coisa. E quando disponibilizamos um sorriso acolhedor, não sabemos o que vamos receber como resposta. Bem, é a primeira vez que me acontece, depois de tantos anos, nem sei como foi possível...mas não paguei a factura do mês passado - respondeu. Ó senhor, tamanha preocupação por causa disso? Não pagou, paga já!

O homem tem a alcunha de diabo. Tem a cara de maior velhaco em que eu já pus a vista em cima. A alcunha vem-lhe por ser do piorio nas relações com os familiares e vizinhos. Mas fiquei hoje a saber, que é bom de contas. Eu é que não ganhei para o susto.

2009-10-09

tem razão, sim senhor

A viuvez é o estado feminino mais perfeito: tudo revelado e tudo escondido, pleno de disponibilidade e pleno de submissão

Estou em crer que sim. Uma mulher, como no exemplo abaixo, que se submete ao bolso do marido, vai criando, insidiosamente, a perspectiva de um dia ser só do bolso, dispensando o marido de mais obrigações. Será, então, livre de idolatrar o seu bem amado.

simplesmente, Maria

Que outras cartas bizarras recebeu?

Houve uma em que me perguntavam se pagava as viagens e deslocações do meu próprio bolso. Ora eu não tenho bolso, a minha reforma é péssima e, por isso, funciono com o bolso do meu marido.


Adivinhem quem é a pobrezinha que encarna o papel de mulher submissa e dependente o marido.

2009-10-07

Jesus Cristo

Não é pretensão minha, transmitir aqui ensinamentos ou produzir grandes reflexões. Apenas, como dizia Unamuno - transmitir pedaços de alma.

O meu percurso é testemunhal. Testemunho das interrogações, das dúvidas, dos passos vacilantes, das contradições, das angústias e das alegrias de ser cristã.

Continuarei a procurar as minhas respostas à pergunta "quem é Jesus Cristo". Mas aqui fica, para já, uma pista de leitura sobre algumas respostas de diferentes personagens à mesma pergunta. Com abordagens diferentes da apologética cristã mais conhecida, e, quanto a mim, fechada às experimentações para o Homem deste tempo.

Destaco: "A experiência do mistério de Jesus é radicalmente desinstaladora: provoca o exercício essencial de ruptura com os círculos fechados e de abertura a novos horizontes relacionais."

Trocado por miúdos: encontramos Jesus nos textos descritivos dos Evangelhos, lidos à luz do que é a nossa história presente.




Procurar aqui