2009-05-20

execrável

é a conduta de quem praticou, e de quem soube, e nada fez. Como é possível?

3 comentários:

  1. É a bomba de que aqui falei há tempos. Náusea, revolta e vergonha, muita vergonha.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. é possível, vivemos num mundo das máscaras, MC...

    nunca me esqueço da pergunta inocente do meu sobrinho, há mais de dez anos, depois de ter saído da missa (devia ter seis anos...), porque razão as pessoas que estavam dentro da igreja eram tão feias e tristes...

    às vezes penso nisso, parece que está tudo mal com a sua consciência e com Deus.

    como acho que a igreja devia ser um lugar de alegria e de amor por Cristo e não de medos...

    abraço

    ResponderEliminar
  3. Luís,

    as pessoas que vão à missa deviam ser diferentes das que não vão?

    Eu acho que não.

    Se dissermos que sim, temos de assumir que só os católicos seriam pessoas com sentido ético e moral. Ninguém aceita isto, pois não?

    Quem vai à missa tem o Evangelho e a relação pessoal com Deus como orientação.

    Mas quem não vai tem os mesmos valores veiculados pela cultura, socialização etc. E tem a sua consciência.

    Que sentido tem, então, ir à missa? Tem o sentido de celebrar em comunidade a fé. Deve ser um espaço onde se faz encontro com Deus e com os outros (nem só os que lá estão).

    A missa é sempre isso? Não. Muitas vezes serve de cenário para fazer a festa a um bispo, ;) E para tantas outras coisas. É melhor eu não começar a falar aqui da "instrumentalização" que se faz dos sacramentos católicos: missas, baptizados, casamentos...e a Igreja, indolentemente, cede. O prestígio dos números tem muita força.

    Mas é muito importante não generalizarmos estas coisas. Há comunidades e indíviduos que fazem a diferença.

    abraço.

    PS- ontem passei em Salir de Matos. Reparei que deram o nome de Padre José Felicidade Alves ao largo ao pé da Igreja. Gostei de saber. :)

    ResponderEliminar