2009-08-26

com o patrocínio das "chaves do Areeiro"

Anda por aí uma discussão pegada (no facebook até já lançaram uma causa - que eu subscrevi) sobre os caroços e a empregada da menina Patrocínio. Discussão bobinha. Como bobinha é a menina. Mas tirem de lá o "cavalinho da chuva", para deitar abaixo a participação das mulheres na política. Não é que algumas não se "ponham a jeito" de diferentes formas. Mas eles, dominando pelos séculos dos séculos, asneiam forte e feio. Descaroçar uma maior participação das mulheres , também neste campo, vai levar o seu tempo. Mas vai acontecer, ah, se vai!

6 comentários:

  1. “Descaroçar uma maior participação das mulheres , também neste campo, vai levar o seu tempo. Mas vai acontecer, ah, se vai!”

    E porque é que não aconteceu ja? Será porque as mulheres tem gostos diferentes? sensibilidades diferentes? menos interesse pela gestão da res publica, a sua personalidade e a politica não são compativeis com a rudeza dialetica ou “punhos de renda” da politica? Pois é dominam no ensino, ultrapassam os homens em percentagens e no entanto precisam da filha da quota para chegarem lá.

    Mas será assim mesmo? Olhando para a história e para o passado vemos mulheres iguais aos homens, lutando no mesmo campo e afirmando-se, ha grandes mulheres que marcaram a historia e afirmaram direitos com a sua luta, no nosso parlamento também por la passaram mulheres corajosas, não foram filhas da quota. Mas o feminismo bacoco precisa de prencher vagas para as mulheres porque os homens não deixam elas afirmarem-se como profissionais competentes. Se isto for assim, eu quando vir uma mulher num cargo passo a interrogar-me se não sera uma filha da quota.

    ResponderEliminar
  2. Tem toda a razão em colocar-se essas questões, caro anónimo.

    Também eu me pergunto o mesmo quando vejo homens incompetentes a ocupar um cargo (e são tantos, benza-os Deus!): de que espécie de quota, redes, conluios, amizades e preconceitos contra a mulher se terá esse homem servido para conseguir chegar ali?
    Elas filhas da quota, eles filhos de uma união entre os machos que permite desde logo responder à sua primeira questão: "e porque é que não aconteceu já?"

    Imagine o seguinte cenário: 90% dos cargos de chefia e tomada de decisão (desde uma PME até ao Governo) estão ocupados por mulheres. Acha que os homens conseguiriam equilibrar esta assimetria apenas por mérito próprio? Pensa realmente que basta ser competente para ter sucesso?

    ResponderEliminar
  3. "Pensa realmente que basta ser competente para ter sucesso?"

    Penso, é a materia prima do sucesso, a burrice é que não é.
    A merictocracia é diferente da burrocracia, esta sim precisa de cunhas, compadrios, apoios escondidos. Penso.

    E dispenso feminismos bacocos que pensam que por o homem ao longo da história ter ocupado uma posição de lider e a mulher de submissão isso tem que ser superado por quotas porque ainda estamos nesse tempo das trevas. porque "eles comem tudo e não deixam nada ja dizia o outro" ou que exista um conluio malévolo machista com o objectivo de tentar sempre impedir as mulheres de desempenhar cargos que por norma eram ocupados por homens. Penso.

    Por isso Penso. As mulheres de mérito e luta conquistaram lugares no meio dos homens e em posições de dominio dos Homens, as outras nem lutam por isso, mas há quem lhes ofereça quotas, pois se a natureza é representada por dois sexos é democrático que la estejam os dois representados, já é um degrau de subida.
    serão as filhas da quota? não deixa de ser intrigante,para mim claro.

    ResponderEliminar
  4. eh, Helena, sempre certeira.


    O caro anónimo (que, sinceramente, acho que até é uma. mas nada a obstar, força!) me parece que vive no mundo dos sonhos. Uma Alice encantada no país maravilha.

    Qual mérito qual catano. O domínio dos homens sobre as mulheres é milenar. Não é de ontem nem de hoje. E, já agora, porque é que qualquer movimento para a mulher assumir uma maior participação na vida social, familiar, profissional, política, é apelidada de feminismo e ainda por cima -nas suas palavras, bacoco?

    Este ano presenciei a formação de listas de alguns partidos a nível autárquico. É de fazer chorar as padras da calçada. Desde se incluirem nas listas os filhos, a mulher, o papagaio, até às tricas tipo "Joana Amaral Dias" mas em local, é uma "dor d'alma".

    As quotas não são o melhor sistema, mas pelo menos fá-los fingir um bocadinho.

    Eu também Penso. Penso que é preciso romper este círculo de gente que se mete na política para subir mais um degrauzinho. E tudo serve.

    O caro(a) anónimo(a) não Pensa bem. Se pensasse não vinha com essa treta do mérito. Mas em lado nenhum.

    ResponderEliminar
  5. Deixe-me que lhe diga para terminar esta discussão, não é uma mas um. Não vive no mundo dos sonhos mas da realidade pela qual teve que lutar na vida uma vez que não nasceu num berço de oiro. Por isso sabe o que é lutar por “um lugar ao sol” sem as lamurias do costume e as desculpas para as frustraçoes. Posto isto deixe-me que lhe diga algo que tenho notado da sua mentalidade tão progressista.

    “Qual mérito qual catano. O domínio dos homens sobre as mulheres é milenar. Não é de ontem nem de hoje. E, já agora, porque é que qualquer movimento para a mulher assumir uma maior participação na vida social, familiar, profissional, política, é apelidada de feminismo e ainda por cima -nas suas palavras, bacoco?”

    A senhora vive no mundo generalista do passado. A mulher dominada, a mulher escravizada,o homem chefe e senhor supremo talvez tenha sido educada nesta visão e não se da conta que hoje em dia, mais tarde em portugal que no resto do mundo ocidental, o homem e mulher trabalham ambos fora de casa a familia nuclear vingou e por isso a mulher estudou, fez carreiras, e esta em todo o lado com o homem lado a lado em todas as disputas em todos os concursos e partilhando tarefas domésticas educação dos filhos etc. por isso as leis mudaram os apoios e subsidios também visando esta nova realidade, mas se não tem aptidão ou não lutam como é o caso de muitas por determinados postos, ou pela politica é com elas. Porque mais do que a senhora diz é preciso personalidade para certas coisas.

    Ja agora façam um partido feminista ou feminino, vão a votos e ver-se á a representatividade, Gostava e votava.

    ResponderEliminar
  6. no outro dia era o mourinho a levar pancada por dizer que um jogador não jogou o máximo por estar a respeitar o ramadão

    quando será que algumas mulheres que já deviam ser crescidinhas acabam por finalmente crescer?

    os sportinguistas também são uma minoria. que ninguém se atreva a dizer mal do paulo bento!

    ResponderEliminar