2009-09-22

Deus omnipotente

(...)Porque nem tudo acontece como e quando queremos, quantas vezes me vejo a pedir a Deus que mude esta ou aquela situação, ou, simplesmente, “me tire deste filme”! E, quase sempre, escuto silêncio ou então, “aguenta”! É verdade que o medo é mau conselheiro e, muitas vezes, “agiganta” o desconhecido e mina a confiança. Mas sofro sempre um bocado com este desejo de que a realidade mude para aquilo que me parece melhor, que chego a julgar ser a própria vontade de Deus! E, nestes dias, com as leituras de domingo no pensamento, ia descobrindo: Deus não muda aquilo que nos compete viver, por mais difícil que seja; o que Ele muda é o modo como enfrentamos aquilo que temos de viver; não muda a nossa situação, muda-nos a nós mesmos! (...)

Padre Vitor Gonçalves, aqui

14 comentários:

  1. Uma excelente descrição de algo que existe dentro de nós, chamem-lhe Deus, Ala ou o que quiserem. As religiões monoteisticas constituiram um progresso decisivo na historia da humanidade precisamente por terem identificado esse algo.

    É omnipotente? Não estou sequer seguro do que se pretende dizer quando se usa essa palavra.

    Acho que só podemos dar sentido à segunda metade das nossas vidas se deixarmos que esse algo substitua o nosso ego enquanto centro da nossa personalidade. A nosso ego deve submeter-se a esse algo mas não aos muitos homens e instituições que se dizem seus representantes.

    ResponderEliminar
  2. deus omnipotente?
    E o paradoxo da omnipotência.

    ResponderEliminar
  3. é um paradoxo mas é saboroso. O cristão não tem medo das contradições.

    Quando nos colocamos nas mãos de alguém, passa a ser o nosso "todo". E acreditamos que a sua acçaõ - que supera a nossa entrega - é omnipotente.

    Mais uma para comover.

    ResponderEliminar
  4. ("é um paradoxo mas é saboroso. O cristão não tem medo das contradições.")

    ama-as esse é o problema, não para eles/as claro

    ResponderEliminar
  5. pois ama. descrevo-lhe uma:

    "Sob o choque do pavor diante da nossa própria fragilidade vem em socorro o poder de compadecer-se, tornando-se força de agir, quer dizer, virtude."

    são palavras do José Augusto Mourão que descrevem muito bem as contradições de um cristão.

    Porque é que uma contradição de um cristão é mais gravosa do que a de outra pessoa?

    ResponderEliminar
  6. ("Porque é que uma contradição de um cristão é mais gravosa do que a de outra pessoa?)

    Não, porque haveria de ser? em crer no irracional, no impossivel. se nós acreditamos. Alias aqui não se taxa nada.

    ResponderEliminar
  7. Uma criança acredita na omnipotência dos seus pais. Um dia descobre que não é bem assim. A crença na omnipotência de Deus tem raizes no mesmo fenómeno.

    on

    ResponderEliminar
  8. dai o "pai nosso que estais no céu"

    ResponderEliminar
  9. absolutamente, não.

    Isso é um fraco argumento ateu. Então a humanidade desenvolve todas as suas outras capacidades e só as espirituais é que não?

    O Pai é um elemento do cristianismo. Só há um pai quando existe o filho. A omnipotência é muito anterior.

    ResponderEliminar
  10. (“Isso é um fraco argumento ateu”)

    Pois os ateus são assim.

    A experiência de Skinner mostraria-nos que os outros animais podem ter comportamentos supersticiosos; mas religiosos, somente e apenas nós. Pois é, porque é preciso ter muita criatividade para ter religião. Outros seres vivos não entenderiam se de repente pensassem evoluindo como nós, o que os nossos templos e rituais sagrados significam para nós e também não teriam um poder de adivinhação por ai além para descobrirem o que um deus, não apenas invisível mas também indetectável e improvável, quer de nós. A crença em Deus é um fenómeno natural na espécie humana, o que significa que não é deus que está no cerébro mas a religião, e a tendência das crianças para acreditar na omnisciência dos outros, que é necessária para que os seres humanos socializem e cooperem, é atenuada pela experiência ao longo do crescimento, mas continua no que diz respeito à crença em Deus, a fé é, tal como outras características do homem, um produto da nossa evolução, talvez uma vantagem que pode ter contribuido para a sobrevivência e evolução da espécie humana. A religião e a experiência religiosa tão fundamental para a vida humana, exerceu influência sobre a nossa evolução, porque se não fosse assim, teria sido eliminada, por isso não foi, porque as pessoas que acreditam assim a religião , vivem e são mais felizes e eis o aspecto subjectivo da religião.

    Eu acredito num universo que é um todo, e nesse todo em maior profundidade esta a particula que deu origem a essa realidade toda chama-se Deus para mim, mas podia ter outro nome. Mas o desenvolvimento desta idéia na religião à medida que nos vamos afastando deste conceito tornamo-nos vítimas de fantasias, perversões e interesses humanos, isso é a religião. As ideias religiosas são construções culturais, e a idéia de que Deus interfire nas nossas vidas é arcaica, e no passado permitia explicar muitas coisas que não tinham explicação, assim que a cultura evoluiu, deixamos de precisar dessas explicações.

    ResponderEliminar
  11. esse ultimo argumento, não percebi.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  13. O que eu queria dizer é que desde sempre se acreditou no Deus criador - omnipotente.

    Mas no Antigo Testamento não era usual referirem-se a Deus como Pai. No livro de Isaías aparecem duas citações apenas. Talvez porque era importante que não se confudisse Deus com a paternidade humana.

    Jesus Cristo diz que o melhor modo de nos relacionarmos com Deus é invocá-lo como Pai. Daí o Pai-Nosso.

    ResponderEliminar
  14. MC,
    nós projectamos sobre a imagem desse algo que está dentro de nós a imagem do pai. E as crianças projectam sobre a imagem do pai a ideia de omnipotência.

    Um simbolo, como a santissima trindade, é sempre a encarnação e num certo sentido a superação de uma contradição. E esse tipo de relação com as contradições é essencial na nossa vida espiritual.
    O conceito de omnipotência, omnipotência, não me parece que sirva para grnde coisa.

    on

    ResponderEliminar