2009-10-12

sem espinhas

Não há nenhuma razão para não aplicarmos o mesmo princípio à amizade. Podemos pensar que sendo a amizade naturalmente poligâmica as explicações e os sintomas tendem a repetir-se, superficiais que também são. Mas essa ideia é um erro. A amizade, tal como o amor, é sempre um caso concreto.

Pedro Lomba, num blogue que tem por tema a amizade. A seguir com muita atenção.

2 comentários: