2009-10-08

seria mais grave se fosse pelos homens em particular

O homem pediu-me um broche como quem pede uma esmola. Achei o pedido inoportuno. Sobretudo, desolador. É tão justificado o desprezo que tenho pelos homens em geral.

Ana Cássia Rebelo

19 comentários:

  1. Toda a mulher transporta muito de mistério e tanto de desacerto. A Ana Cássia, excede-se.

    ResponderEliminar
  2. A mulher propôs-me fazer-me um broche a troco de uma esmola. Achei o pedido inoportuno. Sobretudo desolador. É tão justificado o desprezo que tenho pelas mulheres em geral.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Poucas mulheres terão passado por uma situação semelhante à relatada pela ACR.

    Poucos homens não terão passado pela situação que referia a cima.

    Só o mais imundo dos homens subscreveria o que eu escrevi.

    ResponderEliminar
  5. fizeste-me sorrir, pelo teu título... o resto é banalidade.

    e a Ana não deve nada católica, por não dar "esmolas"...

    abraço MC

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. On,

    não percebo bem a tua última frase. Do segundo comentário, claro.


    "poucos homens não terão passado pela situação que referia a cima."

    Parece dar razão ao post que coloquei hoje. No teu comentário, acho que te referes à prostituição como modo de ganhar a vida. Mas cuidado, a prostituição é um terreno muito pantanoso e não te esqueças que geralmente é um triângulo. Falta um elemento masculino, na situação que referes.

    ResponderEliminar
  8. Luís,

    não tenho bem a tua opinião. Vale a pena esmiuçar isto. Não me dei ao trabalho de fazer o post por ter a palavra "broche". A Ana obriga-nos a percorrer caminhos íngremes. A pensar um bocadinho nas coisas. Eu brinquei com o título mas estava à espera que alguém fizesse mais.

    O On não forçou isso na frase em que eu digo não compreender? Tal como ela o fez?

    beijos, sempre

    ResponderEliminar
  9. lino,

    os homens? as mulheres? todos? alguns?


    beijos

    ResponderEliminar
  10. MC,
    suponhamos que eu me atrevia a fazer o post seguinte no meu blog:

    "A mulher propôs-me fazer-me um broche a troco de uma esmola. Achei o pedido inoportuno. Sobretudo desolador. É tão justificado o desprezo que tenho pelas mulheres em geral.
    Poucos homens não terão passado pela situação que referi a cima.
    Só o mais imundo dos homens subscreveria o que eu escrevi."

    Seria submerso em comentários idignados, mas ninguém me perguntaria o significado da última frase, que é bem claro.
    Só que temos o pequeno detalhe do contexto. O post da Ana.
    Suponho que a pergunta que me queres fazer é: "Oh on, estás a chamar imunda à Ana?

    Se me fizeres essa pergunta, ou outra, eu respondo.

    Mas tens de explicitar a pergunta primeiro:)

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. "Mas cuidado, a prostituição é um terreno muito pantanoso e não te esqueças que geralmente é um triângulo. Falta um elemento masculino, na situação que referes."

    As mulheres querem acreditar que sim.

    Mesmo que a tal senhora senhora que supostamente me abordou tivesse um chulo, porque é que isso alteraria o meu suposto desprezo pelas mulheres em geral?

    ResponderEliminar
  13. assim vai o mundo - já não se acredita na inocência de uma mulher. :)

    Copiei o post da Ana porque fiquei embaraçada com a última frase dela. A história seja real ou inventada, dá um bom enquadramento ao que eu acho ser a chave do post. Pode nem ter sido essa a intenção dela.

    Não, não penso nada que estejas a chamar imunda à Ana.

    Parece-me que estás a fazer outra coisa.

    Perante um episódio semelhante ao que a Ana conta muitas almas virtuosas - muleres e homens - mostrariam desprezo pelo homem. E, daí, extrapolá-lo para todo o sexo masculino era um instante. Um homem na rua pedir uma coisa dessas é um imundo. Uma mulher só se fosse prostituta. E, então, dava-se-lhe o devido desconto.

    Perante as minhas conclusões parece-me que apenas te estavas a colocar na defensiva.

    E, outra coisa, também: parece que as mulheres apenas são capazes de fazer o papel de vítimas.
    Por isso dizes:

    "As mulheres querem acreditar que sim."

    Acho que não tens razão.

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  15. MC,

    todos temos pedaços imundos dentro de nós. Só temos a ganhar em descobri-los e aceitá-los. A Ana deixou-nos entrever os dela.

    "Gostava que a Manuela Ferreira Leite fosse primeira-ministra de Portugal. Gostava que a Maria José Nogueira Pinto fosse presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Gostava, muito, que, daqui a uns anos, a Leonor Beleza fosse presidente da República."

    "Quando os meus filhos forem crescidos hei-de cobrar tudo o que deixei de fazer por causa deles."

    Estas duas frases também deitam cá para fora muito do que lhe vai na alma. Permite-nos perceber de que se alimenta o pequeno ogre que imaginou o pedinte que pede broches como esmola.

    ResponderEliminar
  16. não era minha intenção pessoalizar isto na Ana.

    Apenas pelo blogue não consigo tirar as ilações que tiras. Ela mostra ser uma mulher bem inteligente. (não quer dizer que pessoas inteligentes não façam coisas estúpidas).

    Ser mãe tem tanto de maravilhoso quanto de violento.

    Um homem que diga, quero que ganhe o Rui Rio, a Elisa Ferreira não tem estaleca para uma Câmara como a do Porto.

    E um partido, maioritariamente de homens, que compõe as listas a respeitar a lei das quotas (uma tolice)e depois escolhe um executivo maioritariamente masculino, toda a gente acha natural.

    A uma mulher fica mal dizer que preferia que ganhasse uma mulher. É logo apelidada de feminista.

    Por vezes, é preciso exagerar nestas coisas, para se perceber como somos condicionados nas nossas escolhas e decisões.

    E até acho estranho que não compreendas isso na Ana. Sendo tu uma pessoa que faz esse exercício continuamente.

    ResponderEliminar
  17. MC,
    basta procurar um pouco nos post mais recentes para encontrar esta prosa da Ana Cássia:

    "Quando a Maria descobriu o feito do marido, já ela andava desconfiava dos sorrisos nervosos do parvalhão, deu-lhe uma tareia que se ouviu na aldeia inteira. Quase o matou.

    Ameaçou capá-lo com uma tesoura de poda. Uivou o desgraçado. Quanto mais ele gritava, pedindo-lhe desculpa, culpando o vinho, mais vontade ela tinha de lhe bater e de o matar. Deixou-o roxinho de dor, o corpo marcado, duas vértebras partidas, várias peladas no couro cabeludo, os testículos muito encolhidos, prometendo para sempre recato e recolhimento."


    É pouco sensato partilhar estas fantasias com estranhos. Revelam aos outros coisas que não ousamos saber sobre nós próprios. Seria mais prudente fazer o esforço de descobrir dentro de nós aquilo que projectamos nos outros. Uma caixa de comentários poderia trazer-nos algumas surpresas duras, que nos ajudariam a crescer.

    "não era minha intenção pessoalizar isto na Ana." Coitada da Ana, que pessoaliza em todos os homens.

    Continuas a ver todas as mulheres como vítimas. Enquanto não deixares de te olhar como uma vítima, nunca serás uma mulher verdadeiramente libertada.

    ResponderEliminar
  18. Voltando à vaca fria:

    postar este link nunca é um acto neutro. Os homens são enxovalhados forte e feio. As senhoras esperam que os homens continuem a achar que nas senhoras não se toca nem com uma flor. Se estou disposto a aceitar o principio em termos fisicos, não estou a ver porque deveria aceitá-lo em termos inteelctuais.

    MAs as senhoras continuam a espera de não serem tocadas nem com uam flor...

    ResponderEliminar