2009-11-08

quanta ternura


-Que fazes Tu aí, oh Cristo antigo,
Pregado nessa Cruz, eternamente?
Liberta a Tua mão omnipotente,
Desprega esses Teus pés...e vem comigo!

Não sabes que sem Ti nada consigo?
Não vês que fazes falta a tanta gente?
Oh, vem de novo, como antigamente!
Viver connosco e nós Contigo!

Não vens? Não queres ouvir a humilde prece
Num mundo que, sem Ti, desaparece,
Vencido pela morte e pela dor?

Não vens? Não pode a Cruz ficar sozinha?
Pois bem: Permite então que seja minha!
-Eu fico nela...e desce Tu, Senhor!


Pe Abel Varzim
(imagem-Donatello, 1412-1413)

Sem comentários:

Enviar um comentário