2009-12-30


Queridos Amigos e passantes deste jardim, votos de felizes festas e muita alegria. Sendo que, a verdadeira festa, começa sempre de dentro para fora.

que tragédia

E eu lamento estas declarações infelizes. Não vem aí drama nenhum, nem calamidade, nem castigo divino. Dar maior dignidade a um grupo de pessoas, só pode valorizar toda a sociedade.

nem mais!

Desde João Paulo II que os papas se tornaram uma espécie de pop stars. É por isso natural que de vez em quando lhes queiram limpar o sebo, e o que aconteceu ao Lennon ia acontecendo ao Wojtila. Agora foi Bento XVI que foi vítima de uma groupie. Eu vi e digo-vos: aquilo foi um mosh. Mas com fãs como esta, até tem óculos à irmã Lúcia, como se pode exigir que os altos dignitários do Vaticano queiram o casamento dos padres?

José de Pina, no i

2009-12-27

são famílias ponto

La pareja A
no tiene descendencia. Se plantearon en su día la fecundación in vitro, pero desistieron al cabo del tiempo y optaron por la adopción. En el contexto japonés, esto es atípico, porque la sociedad ve con prejuicio la esterilidad, exagera la vinculación genética y no favorece la adopción. Pero esta pareja es normal y corrientes. Ella, como bioeticista, y él, como ginecólogo, ayudan a parejas que eligen un programa de reproducción asistida; pero en su propio caso, por razones personales, han hecho otra opción por la que no se sienten acomplejados. Y tienen derecho a que se les respete...
La pareja B
tiene tres hijas y un hijo. Tener más de dos es completamente atípico en Japón; pero el ser atípicos no les impide ser una familia normal y corriente, en el mejor sentido de la palabra. Crecen y dejan crecer. Y tienen derecho a que se les respete.
La pareja C
no tiene hijos. Son una pareja estable de igual sexo. Hubieran querido una adopción para formar familia homoparental, pero tropezaron con dificultades legales. En el entorno social son indudablemente una pareja atípica, porque la sociedad no se ha liberado de prejuicios contra las parejas de igual orientación sexual y no ve bien este tipo de uniones; pero la comunidad católica con la que comparten la eucaristía no discrimina, conviven allí normal y corrientemente.Y tienen derecho a que se les respete...
La pareja D
es un caso que merece narrarse con más detalle. Bauticé al bebé de la inmigrante surasiática en Tokyo. Abandonada por el marido en su país, trabajaba en un bar y ahorraba para enviar dinero a su madre. Queda embarazada de un cliente japonés, que le exige aborto, pero ella no quiere, desea dar a luz a la criatura. Él se desentiende y la abandona. En su cuarto realquilado y estrecho, veinte personas apretujadas compartimos una pobre comida para celebrar el bautizo del bebé que vió la luz en familia monoparental. Ella conoce meses después a un chico de su país, trabajador en Tokyo, de la misma iglesia y también separado. Él la acepta como es, con su criatura. Merecería llamarse José. Habrá nueva boda. Dice el párroco: ¡Vaya lío sobre los papeles, esto no hay manera de que lo aprueben los canonistas! (“ratos y consumados” los matrimonios anteriores, y por la iglesia ambos). Responde el coadjutor: Pero es la vida. E ironiza ante el teólogo: ¿Qué dicen tus alumnos seminaristas en el examen ante un caso como éste? Pero el teólogo era un dinosaurio postconciliar y contesta: No se arregla con papeles, sino con sentido común y evangélico. ¿Y si frunce el ceño algún doctor en cánones, graduado por universidad integrista? Pues le echamos un latinajo para calmarlo: diremos que se arregló in foro conscientiae, como decía el P. Häring; o sea, que lo que no se puede arreglar de otro modo, se arregla ante Dios en el foro de la conciencia, porque “Dios quiere que vivamos en paz”, como decía Pablo (1 Co 7,15).

Juan Masiá Clavel

verdadeiramente

Qualquer apelo à defesa da família, não pode esquecer que "cada família é sagrada por aquilo que é". Melhor é sempre possível. Mas só o é, construindo interiormente, e não impondo modelos ou ritmos exteriores.

um rumo para a Igreja


A Igreja Católica tem uma mensagem para o mundo: Jesus Cristo. Para a anunciar tem de renunciar a qualquer pretensão de poder. Só no diálogo com o mundo a Igreja encontrará o seu espaço vital. "A única forma de proclamar a Boa-Nova do Deus Trino é através da conversa. O meio é a mensagem. Agir de outra forma seria espancar as pessoas para que se tornassem pacifistas".

"A fé em Cristo significa que veremos o mundo de um modo diferente das pessoas que estão enredadas no mundo do mercado e na cultura contemporânea do consumismo. Veremos o mundo em termos de bençãos, gratidão e indícios de transcendência.

Mas "às vezes a Igreja é tentada a ficar nervosa e defensiva demais" e vacila perante as diversas formas de ateísmo como se ela própria não fosse um espaço de procura e busca de Deus.
A Igreja só fará caminho quando aceitar as diferenças e dialogar; sempre.



itálicos da entrevista de Timothy Radcliffe
à IHU, sobre o tema: Igreja

gratuidade do crer

“Senhor, estou aqui à espera de nada.”

Acho que posso dizer que vivo na dependência de Deus. Jesus Cristo é o objecto da minha fé. Com todas as minhas falhas e incertezas, procuro que a sua humanidade se torne inspiração para a minha. Mas peço a Deus a liberdade e a gratuidade necessárias ao amor.

José Tolentino Mendonça,
aqui

2009-12-22

Feliz Natal


NATAL

entrai, irmãos, nas portas deste dia santo
o Deus-Medusa tornou-se o Deus-Menino
o Nome tornou-se o Filho,
a Imagem, a Glosa-Ícone

entrai com os pastores
e os Magos,
contraponde à obscuridade da noite
do coração

as visões dos vossos votos imperfeitos
entrai na aura deste dia
que como o de Páscoa
é já êxodo: impossível apropriarmo-nos de Deus

dê-nos o Invisível
a graça de admirar
de fazer cantar a alma
e de voltar ao caminho
para acolher a Imagem feita carne
no meio de nós


José Augusto Mourão

2009-12-19

uma questão de prioridades

Se temos hoje instrumentos para combater as formas extremas de pobreza, continuamos estrangulados por níveis salariais que fazem dos trabalhadores uma parte importante dos pobres. É isso que está em causa com aumentos do salário mínimo acima dos dos médios.

Pedro Adão e Silva, aqui

actualizar o significado da salvação - Plenitude humana

En todas las épocas, y todos los seres humanos han intentado hacer la voluntad de Dios, pero era siempre con la intención de que el “Poderoso” hiciera después la voluntad del ser humano. Era la actitud del esclavo que hace lo que su dueño le manda, porque es la única manera de sobrevivir.

Es una pena que después del ejemplo que nos dio Jesús, los cristianos sigamos haciendo lo mismo de siempre, intentar comprar la voluntad de Dios a cambio de nuestro servilismo. En esa dirección van casi todas las oraciones, los sacrifi­cios, las promesas, votos, etc. que las personas “religiosas” hacemos a Dios.

Salvación y voluntad de Dios son la misma realidad. Jesús, como ser humano, tuvo que salvarse. Para nuestra manera de entender la encarnación, esta idea resulta desconcertante. Damos por supuesto que Jesús no tenía nada de qué ser salvado. Pero es que falla la idea de salvación que manejamos.

Como consecuencia de nuestro maniqueísmo, creemos que salvarse consiste en librarse de algo negativo (pecado). La salvación de Dios nunca puede consistir en algo negativo (quitar) sino que consiste en alcanzar la plenitud humana que paradójicamente, está más allá de lo simplemente humano.

Todo ser humano comienza su andadura como un proyecto que tiene que ir desarrollándose. Jesús llevó ese proyecto, “querido por Dios”, al límite. Por eso es el Hijo de Hombre, el hombre acabado, el hombre perfecto. Por eso hace presente a Dios, por eso es Hijo.

Jesús, descubriendo las exigencias de su ser y llevándolas a la practica, desplegó todas las posibili­dades del ser humano y nos ha marcado el camino que nosotros debemos seguir para alcanzar también la misma plenitud.

Pero cada uno debe recorrer su propia senda. Partiendo siempre de nuestra realidad concreta. Nadie puede recorrer el camino por nadie. Nadie puede tomar el camino de otro como modelo. La meta sí es la misma para todos, pero el punto de salida es siempre distinto para cada uno.

Los demás pueden ayudarme a descubrir mi camino, incluso, pueden decirme que voy por el camino equivocado, pero nunca podrán recorrerlo por mí; nunca podrán hacer lo que tengo que hacer yo, porque la meta de todo el recorrido es el centro de mi propio ser.

(...)

Cuando pretendemos una salvación personal, al margen o en contra de los demás, estamos a años luz del evangelio. Eso es lo que hacemos todos, todos los días. Una vez más volvemos a lo mismo. Salvarse no es potenciar nuestro “ego”, sino deshacernos del ego en beneficio de los demás.

daqui

2009-12-17

saltos apologéticos

Os católicos não têm grande facilidade em ganhar à-vontade com Deus e quando o fosso se tenta transpor o salto sai psicadélico (ver Alexandra Solnado).

Tiago Cavaco in Ler (Dezembro 2009)

Não tiro autoridade à afirmação do Tiago Cavaco. E posso ripostar que na génese do protestantismo está o ressentimento. O que estamos a fazer, afirmando tal, é tomar a parte pelo todo.
Um maior e mais facilitado acesso à informação e cultura não nos torna mais livres e insubmissos. Só sentimos conforto na manada e nas generalizações redutoras.

Teresa de Lisieux, uma católica do século XIX, escrevia: "Deus é mais terno do que uma mãe". Podia encher páginas e páginas com exemplos de católicos que tocaram e tocam a proximidade de Deus. Pensando bem...quem sabe se o faço?

questão religiosa

QUE PODE UMA CRIATURA

Que pode uma criatura senão,
entre outras criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?


Carlos Drummond de Andrade.

2009-12-16

o frio faz estória

Na repartição temos o calor que os meios de desenvolvimento nos permitem. Passamos o dia a ouvir o queixume de que na rua está muito frio e o comentáriozinho azedo e invejoso de que nós é que estamos bem. Dias inteirinhos da mesma ladainha.
Hoje, um mais afoito, quando acabou de ser atendido, disse que tinha uma reclamação a fazer. E foi logo relatando a mesma:"Que na rua estava muito frio e não estavam a fazer nada para resolver a anomalia".

Muito séria, e com o peso da responsabilidade de não defraudar um contribuinte insatisfeito, repliquei de pronto: Que a razão estava do seu lado, mas o departamento para apresentar a reclamação era outro.

Toda a restante sala fungou em uníssono e o engraçadinho deu meia volta e marchou porta fora.

Questões elementares:

Está um frio do caneco. O aquecimento global resulta deste estranho paradoxo: o homem a dar cabo da natureza para se proteger dela dando cabo de si próprio. Como é que se evita uma coisa destas? Voltando ao tempo em que vivíamos à volta de uma fogueira e matávamos animais para conseguirmos uma segunda pele?

2009-12-13

um prémio à Pessoa


Não vou negar que, a primeira reacção ao saber da atribuição do Prémio Pessoa a D. Manuel Clemente, foi a surpresa. E fazendo um exame de consciência, a surpresa advém do lugar de quase vergonha em que vive a Igreja em Portugal.


Conheci razoavelmente D. Manuel Clemente. Tem dois traços de personalidade que o distinguem: um acreditar profundo no homem e uma capacidade de proximidade ímpar. Conto um episódio que o demonstra, mas podia contar vários: Um ano coube-lhe ir crismar um grupo de jovens na paróquia onde colaborava. Não me lembro de onde surgiu a ideia, mas pusemos os jovens a escreverem uma carta ao bispo que os ia crismar para se darem a conhecer. Meti tudo num grosso envelope (era mais de cinquenta miúdos) e remeti ao bispo. Na celebração mostrou que tinha lido as cartas todas - sabia o nome de vários e tinha presente o conteúdo das mensagens que lhe tinham escrito. Tornou mais próximo e humano um ritual que podia ser apenas mais um na vida de todos.


Numa sociedade, onde se cultiva com ênfase o desconsolo e a desesperança, é atribuido o Prémio Pessoa a alguém para quem a esperança é um modo de vida.

2009-12-07

vai um cheirinho de alecrim

Depois de um grande debate a quatro vozes, e já um bocadinho desgastada de andar sempre a pisar no mesmo canteiro, vai assim a resposta à interpelação do Bernardo:

"O que me preocupa é que ande por aí a passear a ideia de que se pode ser católico e não achar imoral a homossexualidade."

As minhas preocupações não incidem nesse ponto, Bernardo. Divergimos, sim. Mais uma vez. O que me preocupa é a possibilidade de deixar que a Doutrina perturbe aquilo que é o mandamento primeiro de um católico: amar a Deus e aos outros (quaisquer que sejam) como a mim mesma.

escrita em dia

Duas leituras me acompanham; Depoimentos Escritos de Mário-Henrique Leiria e a última Ler. O padre poeta teólogo Tolentino, diz que a fé é nocturna. As cartas que o escritor dedica à sua querida Isabel, estão repletas da doçura dorida da noite. Nada de novo na linguagem da fé e do amor. Tão certo como a noite estar ali do outro lado da porta.

2009-12-06

assim vai o mundo (cá por casa)

coisas pequenas enchem-nos a vida: O Gabriel comeu hoje a primeira papa.

A Igreja Católica manisfesta-se sobre a violência doméstica

A sociedade contemporânea vive sob a égide da indiferença (que é, ela própria, manifestação de uma profunda violência) e os seus membros sofrem de uma perda progressiva de competências de relação interpessoal. Neste tempo de preparação do Natal, a CNJP apela a todos, entidades públicas e organizações, mas também a cada um e cada uma e, em particular, às comunidades cristãs, no sentido de aprofundarem a consciência da urgência da acção que previna e cuide, mas que também passe pela alteração dos comportamentos individuais e comunitários.

Comissão Nacional Justiça e Paz

Moscavide, 4 de Dezembro de 2009

Acção social da Igreja Católica

Conclusões do Conselho Geral da Cáritas Portuguesa:

Rasgar caminhos e não pactuar com acções de anestesia geral.

2009-12-05

(Ouka Leele)


Estava em si, de altas esperanças,
E não pensava no homem que lhe ia à frente
nem pensava no caminho que subia para a vida.
Estava em si. E ser-morta
a colmava de plenitude.
Qual fruto cheio de dulçor e treva,
sentia-se repleta da sua grande morte,
que lhe era nova e que ela não compreendia.

Ela entrara numa outra, uma inatingível
donzelice; seu sexo se fechara
como uma flor recente ao fim da tarde
e suas mãos se haviam desabituado tanto
do enlace que até mesmo o toque
infinitamente suave do leve deus a conduzi-la
lhe doía como excessiva intimidade.

Ela não era mais aquela mulher loura
Que os cantos do poeta invocaram tantas vezes,
não mais o aroma e a ilha do espaçoso leito,
nem propriedade mais daquele homem.

Já estava solta como longa cabeleira
e outorgada como chuva sobrevinda
e repartida como cêntupla ração.

Ela era já raiz.[...]

Claudio Magris,
"O senhor vai entender"

pelas ruas da amargura


SALMO 11 (12)


Libértanos tú
porque no nos libertarán sus partidos
Se engañan los unos a los otros ,
Y se explotan los unos a los otros
Sus mentiras son repetidas por mil radios sus calumnias están en todos los periódicos
Tienen oficinas especiales para hacer Mentiras
Esos que dicen:
«Dominaremos en la Propaganda La Propaganda está con nosotros»
Por la opresión de los pobres por el gemido de los explotados
ahora mismo me levantaré
dice el Señor les daré la libertad porque suspiran
Pero las palabras del Señor son palabras limpias y no de Propaganda
Por todas partes están sus armamentos
Nos rodean sus ametralladoras y sus tanques
Nos insultan los asesinos llenos de condecoraciones
Y los que brindan en sus clubs
Mientras nosotros lloramos en tugurios
Los que se pasan la vida en coctail-parties.
Ernesto Cardenal

2009-12-03

O Messias amargurado

Segui o link do João Tunes e fui aportar a um texto publicado no Jornal Avante. No tema "Religiões" encontra-se o desabafo do senhor Jorge Messias. Está muito amargurado com a religião católica e com a época que se aproxima. O Natal.

Entre tiradas brilhantíssimas, como os cadeirões onde os bispos de sentam no Patriarcado, apela à revolução dos católicos. É comovente este grito à coerência cristã vinda dos lados do PCP.
Isto nem merecia link nenhum. Eu é que sinto alguma culpa, pela catequese mal dada que esta espécie de comunista de sacristia, evidencia. Valha-me Deus.

2009-12-01

Dia Mundial da SIDA

Foi votado à exclusão por (quase) todos.



A dog waits by a bed with a terminally ill Thai man, at a hospice for those dying of AIDS, at Wat Prabat Nampu Buddhist temple in Lopburi, on World AIDS day, December 1, 2009.
REUTERS/Damir Sagolj

de surpresa em surpresa...


Se quisesse resumir o papado do actual Papa numa única palavra, utilizaria a palavra "surpresa".

Desde a eleição já deu boas razões aos católicos, e ao mundo, para verem que está numa dinâmica de mudança.

A última foi a mensagem que escreveu ao Patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu I.

Diz o Papa sobre o caminho percorrido pelas duas Igrejas:

testemunho conjunto ao serviço da humanidade, sobretudo defendendo a dignidade da pessoa e afirmando os valores éticos fundamentais, promovendo, ao mesmo tempo, a justiça e a paz”.

E a grande surpresa é a revelação da discussão sobre o Papel do Papa que se entende como “um dom do Senhor à sua Igreja”. E “Este ministério não deve interpretar-se segundo uma perspectiva de poder, mas dentro de uma eclesiologia de comunhão, como serviço à unidade na verdade e na caridade”, escreve Bento XVI. Que prossegue " é fundamental procurar juntos, inspirados pelo modelo do primeiro milénio, as formas em que o ministério do Bispo de Roma possa cumprir um serviço de amor reconhecido por todos”.


Que luzes e mudanças no governo da Igreja vão sair destas propostas, não se sabe. Mas pelo menos há uma perspectiva de caminho. Assim se queiram dar os passos necessários.



notícia ecclesia

eles querem salvaguardar o seu bem mais precioso...


Rae Dawn Chong (La guerre du feu) Jean Jacques Annaud