2010-04-28

O "Inverno da Igreja"

O padre Mário Oliveira nesta entrevista aborda a visita de Bento XVI a Portugal e o actual momento que a Igreja vive. Acutilante e sem papas na língua refere algumas questões essenciais.
Mário  Oliveira tem uma experiência particular de ser Igreja e ser padre. Louve-se-lhe a coragem e coerência. Capacidades humanas sem as quais não seria possível viver na forma "marginal" em que vive.

8 comentários:

  1. Na Lixa ele não vive "marginalizado".
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Olá Jardim de Luz!... Mais uma vez muito obrigado por teres tido a coragem de colocar isto aqui!...

    Ainda assim, permite-me dizer-te que este Pe. Mário de Oliveira também não me encanta muito... Diz umas verdades... Mas acaba por se isolar demasiado nas suas verdades... também não vou por aí...

    Já bem diferente me parece ser a postura do nosso Bispo das Forças Armadas D. Januário Torgal Ferreira!!!... Se calhar não é tão de extremos... Mas é de uma lucidez extrema, ao ponto de ir ainda mais ao essencial das coisas... Ora vê aqui: http://www.publico.pt/Sociedade/d-januario-concilio-vaticano-ii-ainda-nao-foi-cumprido_1434423. Numa palavra: Como será possível exigir um novo concílio de reformas quando as que se fizeram ainda estão por cumprir?... E como será possível fazê-lo numa mega-estrutura de mais de 1000 milhões de crentes espalhada por todo o mundo?... Às vezes chego a pensar que a Igreja também está a ser vitima da sua própria dimensão... Vai ter de se repensar na diversidade... E esse é outro assunto sobre o qual vamos conversando!...

    Até amanhã!!!...
    O Pensamento Positivo

    ResponderEliminar
  3. Olá, P.P.


    grata pelas tuas visitas e frutuosos comentários.

    O padre Mário de Oliveira expressa de modo muito próprio a sua fé e pertença à Igreja. É apenas mais uma prova da grande diversidade que é o catolicismo.

    E lembrando as primeiras comunidades cristãs, pouco importa se uns são de "Paulo" outros de "Pedro"... o que importa é que sejamos todos de Cristo.

    Quanto a novo Concílio...que alguns dizem acertadamente que não deve ser "Vaticano" e sim num outro lugar...acho que faz sentido, sim. Começa a impor-se porque já não chega a "letra" do Vaticano II. A Igreja precisa de nova reorientação e isso não se faz por "decreto". Tipo: "ora vamos lá a ver o q falta cumprir do anterior Concílio e mobilizar toda a Igreja (a partir de Roma) para q tal se faça".

    É que eternamente à espera de Roma...é continuar nesta inércia que conhecemos.

    ResponderEliminar
  4. PS - Beijos e bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  5. Olá Jardim de Luz!... Sim, concordo que dias virão em que se vai ter de deixar de ficar à espera da velha Roma se esta não se quiser modernizar... Mas isso acabará por se impor naturalmente... Também concordo contigo quanto às 1001 formas de ser Cristão!... Mas quando uma nova ideia se colocar convém que seja o mais consensual possível, não?... E para mim, muito modestamente o Pe. Mário de Oliveira perdeu muito do prestigio que tinha quando escreveu o "Fátima, nunca mais"... É certo que todos sabemos da ciência que a existência de "aparições" é quase impossível de explicar... Em muitos casos trata-se de efeitos provocados pelo excesso de exposição solar... Mas não é menos certo que estas coisas mexem com as mais profundas crenças de muita gente... A mudança é necessária... Mas não pode ser contra tudo e contra todos!!!... Um resto de Bom Domingo!!!...

    ResponderEliminar
  6. P.P.,

    não sou a pessoa indicada para falar sobre o padre Mário. Não o conheço, nunca li nenhum livro dele. Esporadicamente, leio algumas coisas que escreve.

    Tem uma relação tensa com a instituição igreja, percebe-se. Do que sei dele, não me admira que assim seja. Por outro lado, reconheço-lhe um humanismo que é bem diferente do que caracteriza muitos dos seus pares. Mas tudo isto é discutível, claro.

    Pronto, já terminou o jogo... :(
    Uma boa noite!!! :)

    ResponderEliminar
  7. Olá Jardim de Luz!...

    Do Pe. MO li partes do "Fátima nunca mais" e do que vi não gostei muito... Sempre vou achando que há formas e formas de se fazerem as coisas. Cheira-me que neste momento já nem em movimentos como o "Nós Somos Igreja" a voz dele seja muito ouvida... Justamente por isso... Não sei...

    Quanto ao jogo... Olha... Lá está: Quando o ambiente instiga violência o resultado só pode ser mais violência... E depois conseguir ter cabeça fria para se obter um bom resultado... Pois!...

    Boa noite para ti!...

    ResponderEliminar