2010-06-18

No dia da morte de José Saramago


Que dizer no dia da morte de um homem? Que descanse em paz!
E, no caso de José Saramago, que tenha podido confirmar que o Deus de quem descria, não era mesmo para acreditar.


Adenda:

Igreja expressa pesar pela morte de José Saramago

O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura expressa o seu pesar na morte de José Saramago, grande criador da língua portuguesa e expoente da nossa cultura. José Saramago ampliou o inestimável património que a literatura representa, capaz de espelhar profundamente a condição humana nas suas buscas, incertezas e vislumbres.

Como é público, o cristianismo e o texto bíblico interessaram muito ao autor como objecto para a sua livre recriação literária. Há uma exigência e beleza nessa aproximação que gostaríamos de sublinhar. O único lamento é que ela nem sempre fosse levada mais longe, e de forma mais desprendida de balizamentos ideológicos. Mas a vivacidade do debate que a sua importante obra instaura, em nada diminui o dever da cordialidade de um encontro cultural que, acreditamos, só pode ser gerado na abertura e na diferença.

Lisboa, 18 de Junho de 2010

13 comentários:

  1. Pôr o homem a olhar para Cima...

    ResponderEliminar
  2. frio, frio...

    Não gostaste da minha projecção?

    ResponderEliminar
  3. a de pôr o homem a olhar para cima

    ResponderEliminar
  4. Morreu o Homem, fica a Obra. Boa atitude do SNPC.
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Olá JdL... A pouco e pouco lá vai havendo quem perceba que o meio termo é a solução para se crescer em todos os aspectos. O teu post já era neste sentido. Agora o SNPC fez e muito bem aquilo que tinha de ser feito. Tendemos a gostar de criticar sem ser capaz de encontrar pontos positivos. Tu e eles fizeram exactamente o oposto.
    Como ainda há pouco me dizia um amigo: "A perspectiva de homens como o Saramago é bem necessária, que mais não seja para acordar as almas adormecidas e pô-las a discutir e de preferência a discernir os problemas da Fé e da Razão". E é verdade!...

    Já agora: Li o Caim... E sinceramente gostei. Acho que se não fossem aquelas declarações patetas do Saramago aquando do lançamento do livro, certamente também motivadas em boa parte por alguma pressão dos editores ávidos de vender bem, e não teríamos assistido àquele triste folhetim!... Até porque acima de tudo, mais do que a Bíblia, aquele livro crítica a ignorância com que a generalidade das pessoas a vêem!... E repara: O próprio Papa não se referiu ao livro!... Nem o CPL... Ainda bem!... Vá lá, fico feliz com esta atitude deles com o Saramago. Uma pequena esperança no meio do nada...

    Bom Domingo!...

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito da tua frase: que tenha podido confirmar que o Deus de quem descria não era mesmo para acreditar.

    E bela atitude, a do SNPC.

    Obrigada por contares também sobre o que é positivo.

    ResponderEliminar
  7. e esta?

    sim senhor, a nossa Igreja ficou muito melhor na fotografia que o Vaticano.

    beijinho MC

    ResponderEliminar
  8. Olá, Helena,


    que não fique a imagem de que o ateísmo não é para ser levado a sério. Não é isso que o meu post aponta.

    Nem quero dizer que Saramago só tinha que se converter. A fé é um salto no escuro e ninguém vai além disso.

    Mas sobre o Saramago escritor e as dores de barriga que provoca a alguns crentes, só tenho a lamentar por isso. Li há pouco tempo o Evangelho (porque me tinham oferecido o Caim e não quis ler um sem o outro)e só mesmo gente de vistas muito curtas pode fazer um caso de escândalo tais obras. Gostei bastante do Evangelho. Menos do Caim que para mim é uma obra menos conseguida. Ligeiro de mais para o tema.

    Mostrar o "positivo da Igreja" sendo seu elemento, também tenho os meus escândalos contra ela. E nem sempre consigo pôr-me à distância necessária para não me deixar "cegar" por eles. Mas tento... ;)

    ResponderEliminar
  9. Olá, Luís.

    Não sei se foi a nossa Igreja. O comunicado é do Secretariado da Pastoral da Cultura (nome pomposo)quase de certeza foi escrito pelo padre Tolentino de Mendonça...do resto da Igreja não ouvi nada. (Não vejo tv e também não li jornais a semana toda).

    Do Vaticano também parece que apenas um articulista escreveu sobre o tema. Não é o Vaticano todo.

    No fundo acho que há um estado de incomodidade (o que é uma puerilidade) perante a obra (Evangelho e Caim) e a pessoa do Saramago, da parte da Igreja.
    Mas nem toda como já se viu.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Não sinto maldade nenhuma na frase. Antes pelo contrário. Até eu, ateu confesso, seria capaz de dizer o mesmo.

    ResponderEliminar
  11. Pois é verdade... Não foi a Igreja toda... De qq modo o SNPC tem na sua área competências para ser uma voz autorizada da IC Portuguesa para falar sobre um tal assunto... Fizeram o que lhes competia, dada a animosidade própria do Saramago em relação à IC. Estiveram muitíssimo bem!!!...
    Quanto ao articulista do jornal do Vaticano, não sei quem é: Se é apenas um articulista, pois, certamente não foi o Vaticano todo a falar. Se é alguém com outras responsabilidades semelhantes às do SNPC a nível mundial, aí o caso muda um bocadinho de figura... Mas enfim, também não é por aí que o mundo acaba!...

    Boa noite!...

    ResponderEliminar