2010-06-05

O projecto de Deus para cada homem - descobrir e viver o Amor

El ser humano no tiene que liberar o salvar su "ego", a partir de ejercicios de piedad, que consigan de Dios mayor reconocimiento, sino liberarse del "ego" y tomar conciencia de que todo lo que es, está en lo que hay de Dios en él.

Intentar potenciar el “yo”, aunque sea a través de ejercicios de devoción, es precisamente el camino opuesto al evangelio. Sólo cuando hayamos descubierto nuestro verdadero ser, descubriremos la falsedad de nuestra religiosidad que solo pretende acrecentar el yo, y para siempre.

11 comentários:

  1. A pequena história de Tony de Melo é uma eficaz chave de leitura para percebermos como o ritual cristão se afastou do seu centro: Cristo.

    E também para a história de vida de cada um.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Se este post é de alguma maneira a resposta a uma pergunta que te fiz no meu blog, não podia imaginar uma resposta mais acertada!

    ResponderEliminar
  6. "resposta mais acertada" que lata! tinha de passar no teste?! :)

    Também é. Preferi escolher o tempo e o lugar. E a tua leitura pode ser diferente da minha. Até deve ser. Mas o cristianismo ou é isto ou não é nada.

    Sendo isto não se acredita em acreditar ;) Mesmo que em cada dia se descubra quão longe se está de o viver.
    Mas tu até és o profeta que anuncia que se deve aprender a viver com as sombras.

    ResponderEliminar
  7. Passaste!
    Vale o que tu quiseres que valha.
    O problema é encontrar um caminho para seguir essas palavras.

    Isso, como é que se faz?

    E depois é preciso segui-lo...

    Esse caminho não tem nada a ver com andar a distribuir comentários simpáticos pelos nossos blogues preferidos...

    Não tem nada a ver com acreditar em acreditar, mas também não tem ver com a fé, no sentido em que se usava no século XIX. Tem a ver com experienciar esse caminho.

    Um senhor que sabe umas coisas sobre isso é o tipo de quem em falo no meu post de hoje.

    ResponderEliminar
  8. :)


    O caminho não é outro que a própria vida. E cada um descobre o seu. (Isto tem a ver com o que disse no teu blogue sobre não haver um "projecto tipo")
    O cristianismo tem propostas concretas que cada um enquadra na sua vida.

    Comentários simpáticos...não, por vezes saem uns bens antipáticos. Os nossos mútuos blogues têm longa história nesse sentido. ;)

    Para mim também tem a ver com fé. Contigo, não sei. (vou vendo)

    E claro: é uma questão de experienciar. Com luz e sombras.

    Sim, já vi no teu blog. E já segui um dos links.

    Se quiseres seguir este link lerás algo interessante:

    http://1.bp.blogspot.com/_lsskHZcBvG4/TAtwWwbcqkI/AAAAAAAADDM/ga5_MwfWLJM/s1600/Bento+Domingues+Di%C3%A1logo+com+Ateus.jpg

    ResponderEliminar
  9. Lá tenho eu de ser o chato outra vez. Não, esse não é o caminho da própria vida. É um caminho que exige procura, trabalho e aceitar algum sofrimento. Sobretudo, exige alguém que já tenha percorrido uma parte dele e nos possa guiar.

    E aqui surge o problema principal. Não é obvio que haja alguém na tua igreja que te saiba dizer algo sobre esse caminho. Meia dúzia de pessoas terão a compreensão intelectual e sabem dizer umas pelavras sobre o assunto. Como eu. Mas ficam por aí.

    Com a verdade te enganam.

    ResponderEliminar
  10. O texto sobre o diálogo com os ateus é muito pobre. Declarações de boas intenções, sem consequências.

    ResponderEliminar
  11. Kieregaard considerava-se um missionário. Que fazia o seu trabalho na sua própria pátria, dandos uns safanões nos seus conterraneos que achavam que eram cristãos.

    Pois, todos acham muito bem, estão cheios de vizinhos que precisam de um safanãozinho. O vizinho sim, eles não.

    ResponderEliminar