2010-11-29

O Deus das pequenas coisas

“Quando não acreditamos que Deus está nas pequenas coisas, ficamos sem uma verdadeira relação com ele” (Kierkegaard) 

É curioso: desde há algum tempo deixei de me sentir "estrangeira" ou mais uma utente anónima, sempre que me desloco nos transportes públicos de Lisboa. Campo Grande, Baixa-Chiado, comboio linha de Cascais, algures a conversa surge e alguma cumplicidade também: informações que se trocam, dois dedos de conversa, uns sorrisos e  a comunicação acontece, humanizando um espaço que é adverso a qualquer proximidade.

4 comentários:

  1. sim.

    acredito que Deus não usa fita métrica nem balança (pelo menos o meu Deus...).

    beijinho Maria C.

    ResponderEliminar
  2. penso que não, Luís :)

    acho que age mais deste jeito:"Só compreendi dias depois, quando um amigo me falou — descuidado, também — em pequenas epifanias. Miudinhas, quase pífias revelações de Deus feito jóias encravadas no dia-a-dia."

    lê o texto todo. acho que vais gostar:

    http://www.releituras.com/i_rodrigorosa_caioabreu.asp


    beijinhos, Luís

    ResponderEliminar
  3. Nem mais...

    E agora apesar de tudo temos menos sorte aqui em LX... Aqui há uns anos havia uma geração de motoristas da Carris que já quase se reformaram todos que em certas carreiras eram de extrema amabilidade e simpatia, ás vezes para a tal pequena conversa da manhã... Porque como diz a canção: "A vida é feita de pequenos nadas..." E Deus está neles logicamente!!!...

    Até amanhã!!!...

    ResponderEliminar
  4. Olá, P.P.


    não nos são indiferentes os diversos meios, mas conta muito a forma como saímos de "casa". Se sairmos cerrados tudo nos vai ser estranho - nada nos tocará.

    Abraço

    ResponderEliminar