2011-01-13

Rio de Janeiro

O coração dentro do peito

Milhões de olhos sufocam-se numa lágrima
Diversos estorvos – devidos ao complicado fado,
Deus, dá-me a tua espada!
Para cortar os nós górdios
Que enredam o divino tear do destino de todos os homens.
Não, eu não quero desnudar os teus punhos!
Eu somente te imploro
Que digas a cada bacilo: Não Matarás.
Proíbe os desastres
Banindo a sede de sangue de homens e bestas.
Pendura-me como um espantalho
Por sobre todos os vulcões da terra!
Põe-te como sentinela
Nos poros da pele
De modo que nenhuma doença ouse entrar.
Eu também sustentei o peso do dano causado por ti
Desafio-te: Sente!
Como nós, como eu
Se não, eu  aviso, que me manifestarei
E clamarei
Para que todos saibam,
Que Deus esqueceu o seu coração
Dentro do meu peito.

Abraham Joshua Heschel

Sem comentários:

Enviar um comentário