2011-03-03


Se, para possuir o que me é dado,
Tudo perdi e eu próprio andei perdido,
Se, para ver o que hoje é realizado,
Cheguei a ser negado e combatido.

Se, para estar agora apaixonado,
Foi necessário andar desiludido,
Alegra-me sentir que fui odiado
Na certeza imortal de ter vencido!

Porque, depois de tantas cicatrizes,
Só se encontra sabor apetecido
Àquilo que nos fez ser infelizes!

E assim cheguei à luz de um pensamento
De que afinal um roseiral florido
Vive de um triste e oculto movimento

António Botto
(1897-1959)

4 comentários:

  1. Um excelente poeta, perseguido em vida por ser homossexual e esquecido depois de morto.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. o que seria deste jardim sem as tuas "notas de rodapé", Lino?

    António Botto morreu no Brasil a 4 de Março de 1959.

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Foi atropelado no Rio de Janeiro a 4 de Março mas só faleceu a 16 de Março. Achas que não ia postar nenhum poema dele?
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. eu bem digo: sem ti por aqui... :)

    Beijos

    ResponderEliminar