2011-05-21

exemplar

O CIDADÃO DESCONHECIDO

A
JS/07/M/378

O ESTADO ERGUEU ESTE MONUMENTO DE MÁRMORE
Pelo Gabinete de Estatísticas foi considerado
Alguém que oficialmente nunca foi alvo de intriga,
E os relatos da sua conduta comprovam por unanimidade
Que, no sentido moderno de uma palavra antiga,
Era um santo, servindo em tudo a Grande Comunidade.
À excepção da guerra, até ao dia em que se reformou
Trabalhou numa fábrica e nunca ninguém o expulsou,
Mas satisfazia os patrões, a Fudge Motors Cia.
Não era, porém, fura-greves nem de ideias remotas,
Pois o seu Sindicato declara que pagava as quotas,
(Os nossos estudos sobre o sindicato garantem a sua idoneidade)
E em Psicologia Social, uma equipa da especialidade
Diz-nos que se dava bem com os colegas e socialmente bebia.
Atesta a Imprensa que diariamente comprava o jornal
E que reagia aos anúncios de um modo normal.
As apólices em seu nome dão-no como precavido
E o seu Boletim diz que, uma vez hospitalizado, saiu restabelecido.
Os Comités da Produção e da Qualidade de Vida são do parecer 
científico
Que aderia perfeitamente às vantagens da Compra a Prestações
E tinha tudo o que necessita um homem nas modernas condições,
Um gira-discos, um rádio, um carro e um frigorífico.
Referem os nossos investigadores da Opinião Pública
Que tinha as opiniões certas para o estado que havia:
Havendo paz, defendia-a; havendo guerra, lá ia.
Casou-se e acrescentou cinco crianças à população,
O que, segundo o nosso eugenista, era o número certo para a sua
geração,
E dizem os nossos professores que nunca interferiu na sua educação.
Seria livre? Feliz? É absurda a questão.
Por certo que saberíamos de alguma contradição.

W. H. AUDEN "Outro Tempo" 
Tradução de Margarida Vale de Gato

Sem comentários:

Enviar um comentário