2011-05-01

hoje e sempre



é de ti, mãe, que aprendo que não há ferida, por mais profunda que seja, que impeça a vida de se abrir ao amor.
Foste mulher e mãe num contexto bem mais duro e difícil do que eu. Mas  sei que não viverei o suficiente para aprender a ver a beleza do mundo e das pessoas como o tu sabias.
Disseram-me no outro dia que eras uma mulher triste. Eu recordo-te como uma mulher transparente. E a mais corajosa que conheci.

2 comentários: