2011-05-28

não contar só com a ganância do padeiro

Um dos clássicos da economia moderna, Adam Smith, resumia desta maneira pragmática o funcionamento do sistema económico: devemos o nosso pão fresco diário não ao altruísmo do padeiro, mas  à sua ganância.  É graças à ambição do ganho, que os bens de que precisamos chegam às prateleiras dos supermercados. Esse dado é, de resto, comummente aceite e consensualmente aceitável.
O facto que hoje se coloca, sempre com maior urgência, é, porém, de outra natureza. Claro que não perde validade a justa expectativa de que a atividade laboral produza o seu lucro, mas o que se coloca às nossas sociedades é a questão da sua capacidade para resolver, ainda que de modo não completamente perfeito, os desequilíbrios que elas próprias geram e que ameaçam a sua preservação. Ora, este processo de reajuste e maturação do sistema não parece que possa ficar unicamente dependente daquilo que Adam Smith chamou “a ganância do padeiro”.
A difícil situação atual mostra-nos, sem margem para hesitações, como se tornou urgente e vital introduzir alternativas de fundo num campo que é económico e financeiro, mas também é humano e cultural. Nesse sentido, vale a pena olhar para os três pontos propostos recentemente por Tim Jackson, professor da Universidade de Surrey, que nos desafia a redefinirmos o que entendemos por prosperidade.
O primeiro ponto prende-se com a necessidade de nos consciencializarmos todos de que o crescimento económico tem limites. O segundo passa por aceitarmos distribuir os lucros não apenas segundo critérios financeiros, mas também em função de um benefício social e ambiental.O terceiro ponto diz-nos que é preciso mudar a lógica cultural dominante, que identifica prosperidade com enriquecimento material.
Hoje são os próprios economistas a recordar-nos que temos de enriquecer as nossas existências por outros meios e em outras dimensões. Por exemplo, a espiritual.
José Tolentino Mendonça

5 comentários:

  1. Pois, pois, mas o chamado alimento espiritual não enche barriga.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Lino,

    tens razão sobre algum (muito) discurso da Igreja que levou a muita alienação e injustiças. Mas este artigo do Tolentino não vai nesse sentido (parece-me a mim). Se há coisa que se torna evidente é que, quer sejam as nossas acções individuais quer colectivas, não podem ser vistas apenas no sentido do lucro. Mas o economista és tu... :)

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Eu estou de acordo, por isso é que defendo um outro tipo de sociedade e não esta que nos dizem falsamente não ter alternativa.
    Beijos

    ResponderEliminar