2011-06-18

da solidão ao entendimento

Em torno do que sofre dobam-se as horas, agitam-se vidas, roda o mundo, alheio, indiferente, a ensinar que a solidão não é ameaça vã, mas realidade. E que das muitas formas que a existência da solidão conhece, a mais dura é a que obriga a manter as aparências. A fazer das tripas coração.

A "fazer das tripas coração" tenho passado a maior parte da vida. E reincido. Não sei dizer se é mal se é bem. Tem sido o possível. E o que me tem mantido viva e desperta. 
Aceitar-me como sou é também entender que nada é definitivo. E assim vivo sem prazos de validade.

Sem comentários:

Enviar um comentário