2011-07-23

o lugar do coração

Se Deus nos aparecesse em sonhos e dissesse: “Pede o que quiseres”, que quereríamos? A saúde para nós ou para quem amamos, o euromilhões para ter uma vida descansada, um emprego, uma casa digna, fama e poder? Necessidades ou excessos, que bem justificaríamos. O rei Salomão, muito novo e inexperiente, pediu “um coração inteligente, para saber distinguir o bem do mal”. Ainda que jovem, já descobrira que o projecto de Deus não é escolher em vez de nós, nem dar-nos aquilo que podemos alcançar, mas erguer-nos à grandeza de escolhas livres e responsáveis. O coração, no contexto bíblico, não é apenas o lugar da afectividade e dos sentimentos. É o centro da identidade pessoal, onde se unem a capacidade de amar, o conhecimento e a inteligência. O que Salomão pede é uma inteligência fundada no amor, capaz de ver para além do imediato e da aparência, e assim melhor servir o seu povo.

P. Vitor Gonçalves, aqui

6 comentários:

  1. Devemos pedir o que ainda não temos.

    ResponderEliminar
  2. desde que seja bom para nós. isso implica fazer escolhas. para poder fazer boas escolhas é preciso a inteligência de um coração sábio.
    Voltamos ao rei Salomão que pediu sabedoria a Deus. É louvado pelo autor bíblico como sendo um pedido inteligente e bom.

    O padre Vítor Gonçalves escreve para católicos que cresceram a ser catequizados sobre um Deus que é um "outro" totalmente "fora" e alheio a nós. Que ainda por cima traça um plano rigoroso sobre as nossas vidas e só temos que aprender a moldarmo-nos ao formato. E é louvada a humildade, obediência etc.

    Nem toda a Bíblia deve ser lida (ou nenhuma porque o que fez chegar a essa imagem de Deus foram algumas proposta teológicas e doutrinais)desse modo. A imagem de um Deus que nos põe responsáveis de muitas das nossas escolhas é também encontrado no contexto bíblico. Até na célebre cena do Abraão que, supostamente, aceita imolar o filho Isaac.

    ResponderEliminar
  3. Maria,
    já tens um coração razoavelmente sábio. Agora podes pedir outras coisas:)
    Há outras pessoas que precisam mais desse tipo de transplante.

    Supostamente?

    ResponderEliminar
  4. gracias! :)

    Supostamente, sim. E tem uma enorme actualidade ler e interpretar o texto bíblico. Para condenar claramente todos os fundamentalismos.

    ResponderEliminar
  5. Então explica lá essa interpretação sefashavor...

    ResponderEliminar
  6. Os primeiros livros do Antigo Testamento surgem no contexto do exílio. Os autores, confrontados com a angústia do Povo "escolhido", relatam os acontecimentos centrais da Aliança que Deus fez com o Povo - Noé, Abraão...o que pretendem realçar é que Deus é a luz que guia a caminhada do seu Povo. E que nunca abandona as suas promessas.
    No relato em causa (sacrifício de Isaac) Deus põe Abraão à prova. E Abraão predispõe-se a cumprir. Num segundo acto, conta-se que Deus enviou de novo um mensageiro que transmite a Abraão que não é necessário o sacrifício de Isaac, pois Deus viu que ele lhe era fiel.
    A interpretação teológica deste acontecimento é que Deus salva. O ênfase dramático da primeira parte serve para realçar a acção salvífica de Deus.

    ResponderEliminar