2011-08-23

a considerar: a questão não é a crença em diferentes deuses, mas aprender a considerar as diferentes expressões religiosas

A pluralidade religiosa é um dos traços mais característicos do século XXI. Não há como desconsiderar ou relativizar o traço da diversidade religiosa no tempo atual. Trata-se de um fenômeno irreversível, que tende a sublinhar a presença diversificada do outro como provocação permanente para a construção da identidade. O grande desafio está em compreender essa pluralidade religiosa não como um dado conjuntural passageiro ou fruto de cegueira problemática dos seres humanos, mas como um mistério transbordante, um dom que corresponde a um misterioso desígnio de Deus para a humanidade. A espiritualidade é um dos caminhos frutuosos para a percepção do valor da diversidade. Ela possibilita a afirmação da humildade, da abertura desarmada para o outro e igualmente uma consciência viva da vulnerabilidade dos caminhos que levam a Deus no tempo. Talvez seja um dos campos mais propícios para a percepção do valor da interreligiosidade, da dinâmica de dom que envolve a relação e a comunhão entre as diversas religiões, preservando os traços essenciais que as distinguem.

Faustino Teixeira, aqui

2 comentários:

  1. Pois...
    mas qual é a tua opinião sobre isto?

    ResponderEliminar
  2. Pois...no meu caso não é uma questão de opinião. É uma espiritualidade na qual mergulho cada vez mais.

    Faustino Teixeira é um estudioso das religiões e um fervoroso adepto do diálogo inter-religioso. Vou seguindo algumas coisas que se escrevem sobre o tema, mas repito: é um movimento interior ao qual adiro. Faço-me entender?

    ResponderEliminar