2011-10-01

mulher na Igreja - a indignidade que perdura nos tempos

Eu considero que mais amargo do que a morte
é encontrar uma mulher que é uma armadilha,
cujo coração é uma rede, e cujas mãos são cadeias.
Aquele que é agradável a Deus fugirá dela,
mas o pecador será apanhado por ela.
27Eis o que eu concluí - disse Qohélet -
após ter examinado uma coisa depois da outra,
para lhes encontrar o sentido.
28Eis o que a minha alma ainda busca e não descobre:
entre mil homens achei um,
e entre todas as mulheres nem uma só achei.



Eclesiastes 7, 26-28




Aos olhos da ortodoxia católica, ainda prevalece esta visão da mulher. E permanece porque não é assumida. Nem pelas próprias mulheres, que se iludem num activismo subserviente, sem tomarem qualquer atitude de confronto. Pelo contrário, acomodam-se aos modelos que lhes vão sendo impostos, por quem pode alterar e reverter esta situação de humilhante injustiça.

2 comentários:

  1. Com este Vaticano não vamos lá. A menos que todas as mulheres deixem de pôr os pés nas igrejas.
    Beijos

    ResponderEliminar