2011-11-22

fomos salvos na gratuidade



Pelo amor em que crê, porque compreendeu o seu sinal, o homem foi levado ao campo aberto da liberdade para amar. Se o filho pródigo não tivesse acreditado no amor previdente de seu pai, não teria podido pôr-se a caminho para regressar ao lar - mesmo se o amor paternal o recebe, depois, de um modo que ele jamais teria podido sonhar. Decisivo aqui é que o pecador ouviu falar de um amor que se poderia dirigir a ele e, de facto, assim é; não é ele que pretende mudar as disposições de Deus, Deus é que sempre viu nele, o pecador sem amor, o filho amado, Deus é que o mirou e avaliou em função deste amor.

Hans Urs von Baltahsar in "Só o amor é digno de fé"

Sem comentários:

Enviar um comentário