2012-02-02

Deus é amor


Não surpreende muito que a percepção de que Deus é amor, seja continuamente - e até nos vinte séculos de cristianismo - ofuscada pela do Deus Juíz Supremo, sempre mais vocacionado ao castigo, do que ao perdão e à misericórdia.
Do amor, muitas vezes, demasiadas vezes, transportamos apenas uma ideia. O que em nós ressoa é uma ideia de amar - uma construção mental que formámos, cada um à sua maneira.
Tantos de nós, e tantas vezes, somos incapazes de ir além do "amor desejo" a solicitar ou a satisfazer. Se o amor não se faz carne (dos enunciados mais belos do cristianismo), não rasga e se inscreve na vida de cada um, expresso em diferentes sinais, um Deus que é amor permanecerá - para nós e para os outros - oculto.

2 comentários:

  1. gostei de te ler.

    eu ligo Deus mais à ideia de bem, que propriamente ao amor.

    beijinho Maria C.

    ResponderEliminar
  2. e eu gosto de saber que gostaste. :)

    Não, não é fácil acreditar em Deus. E se soubesses como eu, por vezes, o elimino com uma das minhas "luminosas" ideias. Mas as ideias vão e vêm e já me sei compreender noutros "registos".
    Vou sabendo que Deus não é separado de mim. Mas para que Ele seja, não depende da minha vontade, pensamento, sentir...e isso dá-me algum descanso.

    Deus amor ou Deus absoluto bem...vou tentar escrever sobre isso. Vamos ver se surge algo consistente.

    beijinho, Luís

    ResponderEliminar