2012-02-03

primeiro, reconhecer o pântano

Se todos os cirurgiões, todos os psicanalistas, todos os médicos em geral pudessem ser afastados da sua actividade e reunidos por um breve período no grande anfiteatro de Epidauro, se pudessem discutir em paz e sossego as necessidades urgentes e fundamentais da humanidade em geral, a resposta seria rápida e unânime: REVOLUÇÃO. Uma revolução à escala mundial, de alto a baixo, em todos os países, em todas as classes, em todos os domínios da consciência. A luta não é contra a doença: a doença é um subproduto. O inimigo do homem não são os micróbios, mas o próprio homem, o orgulho, os preconceitos, a estupidez, a arrogância. Não há classe que lhe seja imune, nem sistema que ofereça uma panaceia. É necessário que cada pessoa se revolte, individualmente, contra um modo de vida que não é o seu. A revolta, para funcionar, tem de ser contínua e inexorável.

Henry Miller in "O Colosso de Maroussi", pág102

Sem comentários:

Enviar um comentário