2012-03-30

a ilusão dos simplismos

Uma empresa auto-organiza-se no seu mercado: o mercado, um fenómeno ao mesmo tempo ordenado, organizado e aleatório. Aleatório porque não há certeza absoluta sobre as hipóteses e as possibilidades de vender os produtos e os serviços, mesmo se houver possibilidades, probabilidades, plausibilidades. O mercado é uma mistura de ordem e desordem.
Felizmente ou infelizmente - todo o universo é um cocktail de ordem, de desordem e de organização. Estamos num universo donde não se pode afastar o imprevisto, o incerto, a desordem. Devemos viver e tratar com a desordem.
A ordem? É tudo o que é repetição, constância, invariância, tudo o que pode ser colocado sobre a égide de uma relação altamente provável, enquadrado sob a dependência de uma lei.
A desordem? É tudo o que é irregularidade, desvio em relação a uma estrutura dada, aleatório, imprevisibilidade.
Num universo de ordem pura, não haveria inovação, criação, evolução. Não haveria existência viva nem humana.
Do mesmo modo nenhuma existência seria possível na desordem pura, porque não haveria nenhum elemento de estabilidade para aí basear uma organização.
As organizações têm necessidade de ordem e necessidade de desordem. Num universo onde os sistemas sofrem o aumento da desordem e tendem a desintegrar-se , a sua organização permite reprimir, captar, e utilizar a desordem.
Qualquer organização, como qualquer fenómeno físico, organizacional, e, bem entendido, vivo, tende a degradar-se e a degenerar-se.
O fenómeno da desintegração e da decadência é um fenómeno normal. Por outras palavras, o que é normal não é que as coisas durem sem se modificarem, isso seria pelo contrário inquietante. Não há nenhuma receita de equilíbrio. A única maneira de lutar contra a degenerescência está na regeneração permanente, por outras palavras, na aptidão do conjunto da organização para regenerar-se e para reorganizar-se, ao fazer frente a todos os processos de desintegração.

Esta trecho, retirado do livro de Edgar Morin, "Introdução ao Pensamento Complexo", é uma óptima ajuda para ler e compreender esta notícia. Sempre que a Igreja (nas suas mais altas estruturas) pretende manter a ordem e equilíbrio doutrinais, suprimindo outras visões, está a auto-aniquilar-se. Mantendo a ilusão de que a ordem é que é o garante da sua continuidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário