2012-04-16

canto

Toda a chuva a cair me torna grata
por ela e pela que tem caído sobre mim
nos anos sem tacto, sem vista, sem olfacto.
Aqui, bebo-a misturada com os resíduos
que o vento traz do fundo do pomar,
gravetos, folhas e as flores perdidas.
O cheiro da flor de laranja perfumou
esta água, para a ablução dos pés
de um poeta que antes fora nómada.
Depois, porque não hei-de vestir-me com a túnica
da chuva, que me envolva como as árvores
ou um corpo humano vivo e natural?

Dormir onde esta lama doce e insonora
calidamente me vista e me sepulte?
Verme, que constróis o altar da chuva
com os teus pequenos montículos e covas
e sob o córtex da nogueira velha
escondeste a tua vida, como oferenda
que vai ser recolhida pelas mãos
de uma criança que ame os dons naturais;
verme, que sabes que eu outrora
muda, não-gerada e ausente,
mostra-me o que mais sabes da chuva,
como és sinuoso nela, vivente,
e eu que devo fazer na pura terra
contigo, lado a lado, ó laborioso?

Fiama Hasse Pais Brandão
Cantos do Canto, 1995

Sem comentários:

Enviar um comentário