2012-04-14

muito bem dito:"ordenadas para quê?"

« agrada-me a ideia da luta de ordenação de mulheres católicas. Só a luta. Não sei se lhe disse, mas quando era pequena, numa rodinha de escola, "giroflé, giroflá", havia uma pergunta cantada: "E que ofício lhe dareis, giroflé, giroflá?"... deram-me o ofício de costureira. Eu fiz parar a roda e disse que não queria ser costureira, queria ser padre. Foi uma gargalhada geral. Disseram-me as minhas companheiras que não podia ser padre porque era rapariga. Eu não acreditei e corri para casa a perguntar à minha mãe. A minha mãe, uma mulher rural que nem a terceira classe tinha, deu-me a maior lição de história da minha vida - mostrou-me que o mundo era masculino, o presidente (Salazar), ministros, o regedor, o presidente da Junta, o médico... tudo que era chefe era masculino como Deus e o padre. A nós mulheres restava-nos nunca precisar dos homens nem do Estado e aconselhou-me a rezar a Nossa Senhora. Mais tarde prossegui estudos, estudei as religiões todas e suas origens.. e para mim não foi Deus que nos criou mas nós que criamos Deus à semelhança de quem tem o poder. Hoje as mulheres podem ser ordenadas à vontade que para mim é tarde demais. Ordenadas para quê? 

Reproduzo parte de uma resposta dada ao convite do Movimento Nós Somos Igreja, para uma conferência com o tema:"Jesus, Mulheres e a Igreja."
Concordo, em parte, com a autora. Não tenho anseio nenhum de ver os seminários cheios de mulheres. Não porque já não acredite no Deus revelado na Bíblia, mas porque considero que a actual estrutura da Igreja Católica, não responde (há excepções, nem tudo é mau) às necessidades do homem contemporâneo.
A mensagem pascal continua a interpelar-me sobre que respostas lhe dou na minha vida. E como a tornar contagiante. Não tenho ilusões sobre os meios: a escuta (ai mas o mundo está cheio de ruídos) e a luta (pior, pior, há algures um demónio a segredar-me para ficar quieta).


Enfim, às corajosas mulheres do Movimento "Nós Somos Igreja" saúdo afectuosamente e desejo muita coragem na luta.

Sem comentários:

Enviar um comentário