2012-07-14

além de si mesmo




No fundo desta época moderna parece residir uma única palavra, um único anseio: querer ser. O homem quer ser, antes de tudo o mais. Cego, antes de esforçar-se em abrir os olhos, quer, quer cegamente. E quando olha é para ser. Por isso não quer ver senão o absoluto. À sua ânsia de absoluto nenhuma outra coisa pode ser dada senão o absoluto também. Mas, na realidade, não foi buscá-lo, porque o absoluto respira já dentro dele. Não se sente, na verdade, incompleto, o homem deste momento; não se sente necessário nem carente de sair em busca de nada. E, contudo, debaixo do seu «absoluto» está - mares de nada -, cega indiferente, a angústia. E, sobre a angústia, os altos muros do sistema.


María Zambrano-"A Metáfora do Coração e Outros Escritos"

Sem comentários:

Enviar um comentário