2012-07-13

da "arte de construir"



O Henrique vai ver o mar e rebenta-lhe a poesia nas mãos. Generoso, partilha-a connosco:


Não te despeças dos bons dias, do cumprimento de uma paz
que será a raiz da harmonia. Caminha na mesma, ainda que só
e pesado; arrasta pelo caminho os pés de sangue tardado.
Quando desceres ao Sul, onde até à noite o céu morre.

azul, leva contigo pelo menos um sonho. À gravidade real
opõe a aguardente de medronho. Que o manjar dos deuses
seja a tua quietude, que a tua esperança seja um sempre por 
cumprir. Não mais a finitude ficará por definir. Agora volta

os olhos sobre ti mesmo, adianta o adiamento da felicidade.
Sempre que a esmo alguém perece, exclamam os nervos da 
Idade. Poderás porém alhear-te, de mochila às costas partir

para um lugar onde o sossego seja a arte de construir: fortes
de areia, braços de mar, uma teia onde morar; nós de terra e
ilhas candentes, tudo o que  tão próximo já tão longe sentes.



Henrique Manuel Bento Fialho, "Rogil"
edição da volta d'mar

Sem comentários:

Enviar um comentário