2012-08-28

Nietzsche-um pensador em busca do humano

7 comentários:

  1. fora do comum, sem dúvida. Deixou-nos um importante legado.

    ResponderEliminar
  2. :)

    É curioso como você, sendo católica, cita N., o anti-cristo. Gosto. Tem mente aberta.

    ResponderEliminar
  3. não sou a única católica que se entusiasma com Nietzsche. :) e acho que é redutor em classificá-lo como o anti-Cristo. Não é que minimize o pensamento de N. em relação a Deus, Cristo e o cristianismo. Ou enverede por aquele caminho fácil que é dizer que N. foi influenciado nestas matérias por aquilo que era o cristianismo daquele tempo ou do grupo religioso a que pertencia.

    Quem põe em causa as nossas certezas e seguranças, só nos faz bem. :)

    ResponderEliminar
  4. Sigmund Freud e Oskar Pfister

    " Na carta em que anuncia o livro,( "O Futuro de uma Ilusão") Freud confessa que adiou o máximo que pôde o seu lançamento exatamente por causa do amigo — temia que a situação fosse constrangedora para Pfister.

    Da Suíça, Pfister responde que "sua rejeição da religião não me traz nada de novo. Um adversário de grande capacidade intelectual é mais útil à religião que mil adeptos inúteis". E, no ano seguinte, escreve um livro — "A Ilusão de um Futuro" — para rebater as ideias de Freud."


    Durante quase 30 anos, entre 1909 e 1938, Sigmund Freud manteve estreita amizade com um personagem — hoje pouco conhecido mesmo entre psicólogos e psiquiatras — que destoava do perfil do círculo de amigos e seguidores do "pai da psicanálise".

    "O suíço Oskar Pfister era diferente de Freud em muitos aspectos, a começar pela religião. Enquanto Freud se definia como "um herege incurável", Pfister não apenas era religioso, mas também teólogo e pastor da Igreja Reformada Suíça, além de professor e psicanalista — por influência de Freud."



    ResponderEliminar
  5. Fonte:O amigo discreto de Freud
    Célia de Gouvêa Franco
    Folha de São Paulo, Caderno Mais!

    ResponderEliminar
  6. O N. era doido por «derrotar» o Cristianismo... É óbvio que era mais do que isso, enquanto filósofo. Mas era um maluquinho com um pensamento radicalizado ao extremo quando a matéria é Deus.

    Nunca teve experiências místicas... :)

    ResponderEliminar