2012-10-07



És Tu que estás à transparência das cidades
Vê-se o Teu rosto para além dos bairros interditos.

O mal palpável próximo insistente
Parece tornar-Te evidente.

Sobe do destino uma sede de Ti.
Não somos só isto que se torce
Com as mãos cortadas aqui.



Sophia de Mello Breyner Andresen in "Mar Novo"

3 comentários:

  1. pois é. tantas vezes colocamos o mal como "argumento" para que o homem não seja mais que o imediato e presente. Sophia parte daí, do mal evidente, para nos levar mais além.

    ResponderEliminar
  2. Concordo com você totalmente. Ler bem. Também gosto muito de Sophia.

    ResponderEliminar