2013-01-05

o destino que a antiguidade traçou




"O que aqui vedes é pura e simplesmente o ensaio das minhas faculdades naturais e de maneira nenhuma o das adquiridas. Quem me surpreender em flagrante delito da ignorância, não me fará nada de mal, pois não posso responder a outrem pelas minhas opiniões, eu que não o faço a mim mesmo e que não estou satisfeito com elas." [Montaigne, "da amizade e outros ensaios"] Pertinente aviso - é que atrás estava escrito sobre o tema casamento e amizade:"Acresce que, para dizer a verdade, a capacidade normal das mulheres não está à altura de uma confiança mútua e recíproca como a de que se nutre esse santo liame (o casamento) nem tão pouco a alma delas parece assaz constante para sustentar o vínculo de um nó tão apertado e tão duradouro. E, decerto, se assim não fosse, se se pudesse estabelecer uma relação livre e voluntária em que não apenas as almas tivessem cabal fruição mas ainda os corpos tomassem parte na aliança, em que o homem se empenhasse todo inteiro, certo é que a amizade resultante seria mais plena e completa. Mas não há, de resto, nenhum exemplo de que o sexo feminino haja sido capaz de lá chegar; e as escolas filosóficas da Antiguidade, por consenso geral, negam que tal possa acontecer.

Sem comentários:

Enviar um comentário