2013-01-05

sempre que como um diospiro, lembro-me do poema






Há frutos que é preciso
acariciar
com os dedos com
a língua

e só depois
muito depois

se deixam morder

 
Jorge Sousa Braga

Sem comentários:

Enviar um comentário