2013-08-26

não é a autoridade que comove




O ensinamento moral deve ser oferecido no interior de uma amizade. Caso contrário é moralismo.

Timothy Radcliff, aqui

4 comentários:

  1. Então, se assim fosse, Cristo seria o maior pretendido da história. A transmissão é universal porque todos sentimos o mesmo.

    ResponderEliminar
  2. não deve ser nada de grave (espero) mas não percebo o sentido do teu comentário. :(

    ResponderEliminar
  3. Quantos amigos é que Cristo teve? É que o seu ensinamento moral chegou-me por palavras, através de um livro, não no «interior de uma amizade», que é outra cousa. A não ser que as pessoas considerem objectos como amigos, ou o «halo» espiritual que perpassa de forma inevitável. Não deve ser grave, porque também estou a descontextualizar. :)

    ResponderEliminar
  4. ah!!! fez-se luz. :)

    acredito que hoje não seria possível saber de Jesus se não tivesse amigos que aderiram às suas propostas. O que nos chega dos evangelhos já são testemunhos das primeiras comunidades, mas suportadas pelo testemunho dos amigos. é bem expectável que assim tenha sido.

    Ok, chegou-te por um livro. a mim, pelos livros, também chega muita coisa. :) e não descartando que um livro é um amigo que pode romper a maior solidão, e mesmo saindo do contexto religioso, reafirmo que não pode ser com a autoridade de quem "sabe mais" (ou pensa que sabe) o argumento e o instrumento para levar alguém a...

    faço os meus exames de consciência (como sei e posso) é várias vezes me apanho a praticar o que aqui descrevo: o argumento da autoridade. é a vida...

    ResponderEliminar